Gravidez

UFRJ estuda planta que inibe replicação do zika vírus

Efeitos do fitocomplexo vão ser divulgados depois do Carnaval

A REDAÇÃO PAIS&FILHOS

Pesquisa estuda efeito antiviral de planta e pode ser solução do zika vírus (Foto: Shutterstock)

Pesquisa estuda efeito antiviral de planta e pode ser solução do zika vírus (Foto: Shutterstock)

A UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) está fazendo uma pesquisa com um fitocomplexo (produto natural derivado de plantas) que possui uma ação antiviral contra o zika vírus. A pesquisa ainda está na fase de testes in vitro, mas já foi verificada uma diminuição grande da replicação do vírus depois de aplicado o fitocomplexo.

O trabalho está sendo realizado por dois grupos que trabalham juntos, um liderado por Davis Ferreira, vice-diretor do Instituto de Microbiologia da UFRJ, e o outro orientado por Edimilson Migowski, chefe do Serviço de Infectologia Pediátrica da UFRJ.

Ministro da Saúde diz torcer para que mulheres peguem zika antes da idade fértil

Anúncio

FECHAR

“Adiem os planos de gravidez”, diz diretor do Ministério da Saúde

País tem 2.782 casos suspeitos de microcefalia, diz Ministério da Saúde

Migowski afirmou que ainda não pode divulgar o nome da planta da qual foi derivada o fitocomplexo, pois os estudos está em andamento, mas que “a sabedoria popular já sabia que ela podia afastar o zika”. O estudo será divulgado cerca de 10 a 15 dias depois do Carnaval.

“O fitocomplexo terá duas finalidades: a terapêutica, quando se usa o medicamento pra tratar, e a profilática, quando se faz o uso contínuo do produto”, estimou o infectologista. Fazendo o uso contínuo do produto, a ação antiviral impedirá que o vírus seja replicado para mais pessoas.

Se for comprovado que o medicamento inibe a replicação,  a fêmea do Aedes aegypti (mosquito transmissor do zika vírus) pode picar uma pessoa que tomou o fitocomplexo, mas ela não vai transmitir a doença, porque  não portará vírus suficientes para passar a doença a outras pessoas.

“O que eu vejo de mais promissor não é nem a vacina para daqui a três ou quatro anos. É o antiviral no mês que vem”, disse Migowski.

Depois dos testes in vitro, o fitocomplexo será testado em cobaias, como fêmeas de porquinhos-da-índia, prenhas. O público-alvo, segundo o infectologista, será as gestantes.

Caso seja aprovado, o fitocomplexo será consumido via oral, funcionando como um complemento alimentar que afasta o zika. Migowski afirmou que o produto natural estará ao alcance das gestantes rapidamente, pois acredita que, se funcionar, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) dará logo o registro do medicamento.

Alerta Opas

Além da microcefalia, cientistas estudam ainda se o zika vírus desenvolve outra doença: a síndrome de Guillain-Barré. A Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), órgão vinculado à OMS (Organização Mundial da Saúde) emitiu um alerta sobre o aumento dos casos da síndrome, que gera fraqueza muscular e pode levar à paralisia, e está orientando seus Estados-membros a reforçarem a vigilância para a detecção e confirmação de casos de infectados por zika.

No Brasil, sete pacientes de Pernambuco que têm a síndrome de Guillain-Barré relataram uma infecção anterior pelo zika vírus. Na Bahia, um estudo mostrou que, de 42 pacientes registrados, 26 relataram sintomas do vírus, como febre baixa, manchas vermelhas no corpo e coceira.

Microcefalia e o vírus zika: suas dúvidas solucionadas!

Escolha o médico ideal para seu filho

Quando chutar é bom

Microcefalia: surto de casos faz país decretar emergência sanitária nacional

Ministro diz que governo vai distribuir repelentes para grávidas

Notificações de Microcefalia sobem 85% em uma semana!