Criança

80% dos pais não têm ideia do conteúdo que os filhos acessam na internet

Os cuidados que os pais devem ter com as crianças usando celulares - iStock
iStock

Publicado em 30/08/2018, às 16h32 - Atualizado em 31/08/2018, às 08h31 por Gabrielle Molento, Filha de Claudia e Pedro


O uso da internet e dos celulares é uma grande preocupação dos pais. Entregar seu filho às redes sociais e jogos no celular é abrir espaço para contatos novos e informações.

Em 2017, o “jogo da Baleia Azul” se tornou um assunto sério e foi associado diretamente com o aumento de casos de suicídioentre crianças e adolescentes. Neste ano, o alerta surgiu pelo aparecimento de “Momo”, uma imagem feminina de olhos grandes e cabelos longos e pretos que lança desafio aos jovens através do WhatsApp. 

A pessoa por trás do número começa a fazer ameaças envolvendo os familiares das crianças, usando informações pessoais da família, desafiando a fazer coisas perigosas. Foi por influência desse tipo de desafio que Artur Luis Barros dos Santos, de 9 anos, foi encontrado enforcado no quintal de casa no Recife em 15 de agosto.

Como controlar seus filhos

Cerca de 80% dos pais não sabem o que os filhos acessam na internet, segundo uma pesquisa do CyberHandbook. De acordo com Andrea Ramal, doutora em Educação pela PUC-Rio e autora do livro Educação na Cibercultura, você PRECISA estar antenado e participar do mundo digital e acompanhar o seu filho.

Não tem como escapar é preciso se informar cada vez mais sobre tecnologia e aprender a usar os dispositivos e mídias que as crianças dominam. É o único jeito de saber o que está acontecendo e assim poder proteger seu filho sempre que uma ameaça chegar ao seu radas!

Segundo Maíbi Mascarenhas, pedagoga, coordenadora da pós-graduação em Educação Inclusiva do Instituto Brasileiro de Formação de Educadores, gestora da “Água Mágica Festas e Artes” e mãe da Valentina, o melhor caminho é: colocar filtros nos aplicativos, limitar o tempo de uso e acompanhar todas as atividades da criança no celular bem de perto.

“Sim, fique ao lado, vasculhe o histórico e pergunte sobre o que viu. Mostre também exemplos de informações que não são reais e deixe claro que qualquer ameaça a ele, família ou qualquer outra pessoa, deverá ser avisada. Converse com ele explicando, de um jeito que seu filho possa entender, que parte do que existe na internet não é real”, aconselha Maibí.

Conversa é a chave! Fale com seu filho sobre as redes sociais o tempo inteiro. Uma dica é ficar atenta a comportamentos que fujam do normal e falar sobre desafios que não são brincadeiras como o da Momo.

Qual a idade certa?

O Manual de Orientação da Sociedade Brasileira de Pediatria sobre Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital aconselha que o uso seja permitido somente acima dos 02 anos de idade, porém, há outras teorias e justificativas com posicionamentos diferentes. Nossa dica é pense nos valores e na maneira que a sua família funciona antes de decidir quando seu filho vai poder ter acesso à internet. A gente sabe que é muito mais fácil dar a Pepa Pig para a criança assistir quando está chorando e você quer muito usar o telefone, mas pondere. Equilíbrio é o melhor caminho!

Agora a pergunta é: quando dar um celular para o seu filho? Segundo Andrea, não há uma idade definida. Muitos pesquisadores trabalham com a idade de 12 anos, mas essa avaliação depende muito mais de você e de sua avaliação sobre a maturidade do seu filho. “Observe se a criança tem a noção do que é perigoso ou não durante o uso desses dispositivos e se há responsabilidade na hora de decidir o que fazer online. E o mais importante: imponha limites e monitore sempre!”, explica a consultora.

É preciso também ficar atento com o tempo de uso dos aparelhos celulares pelas crianças. O horário máximo indicado pelos especialistas é de 2 horas por dia, mas olha só, este tempo não deve ser contínuo e sim em intervalos. Também é recomendado não usar o celular durante as refeições e antes de dormir. Difícil, né? A gente sabe! Mas para mudar isso o exemplo precisa começar com você.

Contras

De acordo com Maibí, o excesso de acesso à tecnologia, interfere bastante na concentração, foco e interação. O uso de maneira desregrada sobretudo nos momentos mais intensos de desenvolvimento cerebral e motor (durante a infância) pode ser bem ruim.

Leia mais:

Criança desabafa: “Odeio o celular da minha mãe porque ela nunca sai dele”

Aconteceu comigo: “Celular explodiu perto da minha filha”

Crianças estão se afogando enquanto os pais não largam o celular


Palavras-chave

Leia também

Anna Jatobá retira sobrenome do ex-marido depois do fim do relacionamento - (Foto: Divulgação)

Família

Anna Jatobá e filhos excluem sobrenome de Alexandre Nardoni após separação

Jogador do Corinthians - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Causa da morte de jovem após encontro com jogador do Corinthians vem à tona 2 meses depois

Pai que matou filha é morto na prisão - (Foto: reprodução/ Polícia Civil de SP)

Família

Pai suspeito de assassinar filha é morto na cadeia

Casal e bebê - (Foto: Reprodução/Freepik)

Bebês

Casal coloca bebê de 3 meses para adoção por estar "ocupados demais com o trabalho"

Sabrina Sato, Nicolas Prattes e Zoe - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Sabrina Sato é criticada por levar Zoe à viagem com Nicolas Prattes: "A cara dela diz tudo"

Maira Cardi muda nome e visual - (Foto: reprodução/Instagram)

Família

Maira Cardi surge irreconhecível e muda de nome ao voltar para redes sociais

Foto: Reprodução/ Instagram

Bebês

Fernanda Paes Leme recusa visitas após o nascimento da filha: "Não consigo e não quero"

Gêmeas siamesas falam sobre relacionamento - (Foto: reprodução/TikTok)

Família

Gêmeas siamesas falam sobre relações íntimas após uma assumir namoro