Criança

Bullying e cyberbullying são formas de agressão que levam ao suicídio, principalmente na infância

Observar sinais físicos e psicológicos pode ajudar pais e professores a identificar problema

A REDAÇÃO PAIS&FILHOS

bullying

(Foto: Shutterstock)

Setembro Amarelo é tempo de lembrar e falar sobre a prevenção ao suicídio. Tema difícil e desafiador para qualquer pessoa. Mas olhar o problema sem preconceito, nos permite entender as causas, os sintomas e como a prevenção é possível.

Uma das casas do suicídio, principalmente na infância, é o bullying. O psiquiatra especialista em comportamento humano, drogas e sexualidade Daniel Sócrates explica que o termo tem origem na palavra inglesa bully, que significa valentão, brigão.

“Refere-se a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente e são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor e angústia, com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa sem ter a possibilidade ou capacidade de se defender, sendo realizadas dentro de uma relação desigual de forças ou poder”, diz o médico.

Anúncio

FECHAR

​As vítimas de bullying sofrem grande pressão e em decorrência disso, tornam-se frágeis. É comum que passem a apresentar alguns sinais físicos e psicológicos. Observar esses sinais pode ajudar pais e professores a identificar a ocorrência do problema.

Sócrates elenca sinais psicológicos e físicos de crianças que sofrem bullying:

  • Falta de interesse pela escola, fazendo birra por não querer ir com medo de agressão física ou verbal;
  • Isolamento, evitando estar próximo dos amigos e família, fechando-se no quarto e não desejando sair com colegas;
  • Tem notas mais baixas na escola devido à falta de atenção nas aulas;
  • Não se valoriza, referindo ser incapaz com frequência;
  • ​Ter ataques de fúria e impulsividade, querendo bater em si e nos outros ou atirando com objetos.
  • Chorar constantemente e aparentemente sem motivo;
  • Manter-se cabisbaixo, sentindo cansado;
  • Ter problemas para dormir, apresentando pesadelos;
  • Apresentar feridas no corpo e, que a criança diz não saber como surgiu;
  • Chegar a casa com roupa rasgada ou suja ou não trazer pertences seus;
  • Ter falta de apetite, não desejando comer nem a comida preferida;
  • Referir dores de cabeça e barriga várias vezes ao dia.

Bullying virtual ou Cyberbullying

Uma modalidade crescente e grave de bullying é o cyberbullying ou bullying virtual. Esse tipo de agressão ocorre por meios eletrônicos, com mensagens difamatórias ou ameaçadoras circulando por e-mails, sites, blogs, redes sociais e celulares.

“É quase uma extensão do que os alunos dizem e fazem na escola, porém, de forma anônima. O anonimato pode aumentar a crueldade dos comentários e das ameaças e os efeitos podem ser tão graves ou piores”, completa o psiquiatra.

Leia mais: 
Setembro Amarelo é tempo de lembrar a prevenção ao suicídio