Criança

5 vezes que seu filho vai (ou deveria) enfrentar a frustração

Não podemos proteger eles de tudo e nem sempre devemos tentar

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

abre decepções

Ajudar seu filho a superar as experiências ruins pode ser melhor do que protegê-lo delas (Foto: Shutterctosk)

Como pais, queremos proteger as nossas crianças de tudo de ruim no mundo, mas isso nem sempre é possível. Com o tempo, os nossos filhos vão obter a sua quota de riscos, arranhões e tristezas. Embora essas dores emocionais possam ser particularmente dolorosas para nós, pais e testemunhas, elas são uma parte importante do crescimento.
“Por que não podemos simplesmente criar um ambiente perfeitamente seguro, um casulo, até que nossos filhos estejam prontos para sair de casa?”, diz Sam Goldstein, Ph.D., psicólogo especializado em crianças e coautor de Criando Filhos Seguros e Confiantes. “Porque você tem que experimentar os altos e baixos para desenvolver um senso de si, para ter ilhas de confiança, para ter coisas que você acredita que você é bom e que possa levar na vida. Você não pode ter apenas o sucesso”.

Claro, isso não quer dizer que você não deve tentar proteger os seus filhos, especialmente quando eles são muito jovens. Este “ambiente protético” que nós criamos, como o Dr. Goldstein chama, escudos para proteger os mais jovens de experiências potencialmente perigosas. Mas, entre as idades de 5 e 8 anos, a maioria das crianças está pronta para gerir novos desafios e deve ter a oportunidade de experimentar atividades onde o sucesso não é necessariamente garantido, diz ele.

O temperamento do seu filho tem um papel importante em como ele vai experimentar a decepção, mas existem maneiras que você pode prepará-lo para lidar com pontos baixos, que são inevitáveis ​​da vida. Leia cinco situações típicas que o seu filho, em idade escolar, provavelmente vai experimentar decepção, e maneiras de oferecer seu apoio.

Anúncio

FECHAR

Leia também

Por que o humor é tão importante para as crianças?

Veja o guia para lidar com as mentiras em cada idade do seu filho

Gêmeos desenvolvem linguagem própria entre eles; Veja relato de mãe

A vida também tem o lado ruim

Às vezes, o mundo simplesmente parece não estar ao lado do seu filho. Talvez os bilhetes já estejam esgotados quando sua família chega ao cinema, ou sua festa de aniversário impressionante ao ar livre é prejudicada pela chuva, ou o time preferido perde o grande jogo. E dói – muito.

Jen D., mãe de três filhos, viu isso em primeira mão quando seu filho de 8 anos de idade, Gabe, precisava de consolo após o time da sua cidade natal, Seattle Seahawks, perder nos segundos finais do Super Bowl. “Sua equipe lutou tanto, e ele realmente pensou que eles estavam indo para vencer”, diz ela. “Eu o ajudei a superar sua decepção, lembrando-lhe que amar uma equipe é também apoiar tanto na vitória quanto na derrota. E essa perda só vai fazer com que eles voltem mais fortes na próxima temporada”.

A estratégia da Jen é música para os ouvidos do Dr. Goldstein. Ele aplaudiu como ela ajudou seu filho a ganhar perspectiva sobre a perda e até mesmo vê-lo como uma oportunidade para a equipe melhorar para no próximo ano. “Eu sugiro que os pais apontem que há sempre algo a ser aprendido com um erro, uma decepção, ou um esforço fracassado”, acrescenta.

Alguém importante o deixa para baixo

Quando o melhor amigo de seu filho leva outro amigo nas férias da família, ou o tio super legal acaba desmarcando o passeio ao zoológico, seu filho pode ficar triste. Por mais difícil que possa ser, deixe-o sentir a dor. O Dr. Goldstein aconselha que você “não seja rápido demais ao querer tirá-los do problema”. “Quando a criança está angustiada, nós somos rápidos em dizer: ‘Você é um bom garoto e você vai encontrar outros amigos,” ao invés de dizer, ‘ eu posso ver que realmente dói em você, e eu posso ver que você realmente se sente mal com isso ‘. ”

miolo decepções

Incentivá-lo a lidar com os problemas pode ajudar a enfrentar problemas maiores no futuro (Foto: Shuttestock)

Na verdade, quando você reconhece as emoções do seu filho, você ajuda a abrir uma conversa sobre a situação e a possíveis soluções. O Dr. Goldstein sugere que você “pergunte a eles: ‘O que você quer fazer com esse sentimento?”. Se o seu filho ficou mal de verdade e diz que não vai convidar o melhor amigo para ir a seu próximo passeio, você pode fazer uma pergunta aberta, como “é isso mesmo que você quer fazer?”. Se ele tem mudar de opinião depois (uma mudança que ele acredita com o coração), ajude-o a passar pela situação perguntando o que ele gostaria de dizer ao convidar o amigo.

Ele não se esforçou o suficiente e demonstra isso

As crianças sabem que devem sempre tentar o seu melhor. Às vezes, porém, eles esperam obter resultados positivos sem colocar esforço. Quer se trate de cometer erros bobos porque eles tiveram que se apressar na hora de fazer a lição de casa, ou insistindo que sua técnica de escovação sem brilho vai passar pelo dentista, as crianças são suscetíveis a serem indiferentes às vezes.

O conselho do Dr. Goldstein? Dê-lhes a oportunidade de aprender os duros golpes em primeira mão. “Na maioria das vezes, nós dizemos: ‘aqui, deixe-me ajudá-lo, porque eu aprendi uma maneira melhor, para que eu possa te poupar a dor de aprendizagem’”, explica ele. “Eu acho que é um esforço bem-intencionado, mas em nossa pesquisa, nós aprendemos que não funciona.” Nem chatear seu filho sobre a perfeição. Na verdade, ambas as soluções: roubar-lhe a oportunidade de aprender com seus erros e descobrir como lidar com os desafios e adversidades.

Em vez disso, o Dr. Goldstein diz para dar a seu filho a liberdade de executar seu próprio experimento. Permitir que ele escove os dentes a sua maneira ou entregar as tarefas mal feitas, e depois sofrer as consequências do mundo real de seu esforço (ou falta dela). É claro, colocar ele a salvo quando necessário, por exemplo, ficar de olho nos dentes para prevenir a formação de cáries, ou desencorajar as dormidas antes de um teste importante.

Veja 8 modos de criar um filho que conheça e respeite outras culturas

9 segredos para criar uma criança mais feliz e confiante

Ele tentou o seu melhor, mas ainda não conseguiu.

O seu filho quer fazer parte da equipe de futebol? A sua filha está querendo o papel principal na peça da escola? Não importa o quanto eles pratiquem, há uma chance de que eles possam não conseguir o que querem.

Quando a Nina tinha 7 anos, um dia ela voltou da escola chateada porque não havia sido selecionada como estudante do mês. Sua mãe Karmi H. conta que “ela chorava enquanto contava quais eram as qualificações necessárias para receber o prêmio” e completa “Eu conversei com ela sobre como muitas crianças têm essas qualidades também. Eu a ajudei a ver que ao invés de ela se sentir triste, ela deveria ficar feliz por quem ganhou o prêmio, porque se ela fosse selecionada, ela gostaria que ficassem feliz por ela”.

Ajudar seus filhos a ficarem felizes pelo “vencedor” ao invés de ficar, pode ajudar a reformular a sua decepção de uma forma positiva. Também ajuda se você ajudar a prepará-lo com antecedência para um resultado potencialmente negativo. “Dizer: ‘Qual é o nosso plano caso você não faça parte da equipe? Vamos ver se temos outros planos, porque eu acho que você fazer isso é uma boa ideia”, Dr. Goldstein sugere.

Ele está decepcionado com ele mesmo

Mesmo adultos, pode ser difícil não bater em nós mesmos quando cometemos um erro. Mas esquecer um passo durante um recital de dança ou chutar para fora em um jogo de futebol pode ser uma grande destruidor de confiança para o seu filho. Por isso o Dr. Goldstein recomenda que você seja o exemplo. Se você é duro consigo mesmo quando você acidentalmente queima o jantar ou perde um prazo de trabalho, você está enviando a mensagem de que a cometer erros não é algo comum. Em vez disso, mostre a seus filhos como você pode perdoar a si mesmo, aprender com o erro e seguir em frente.

Além disso, enfatize que cometer erros é algo normal, importante para a aprendizagem. “[As crianças] que têm gosto em saber no que eles são capazes de aprender com as suas experiências [e] ver um erro como uma oportunidade para aprender e planejar para fazer algo diferente na próxima vez,” diz o Dr. Goldstein.

6 pequenas maneiras de fazer cada um dos seus filhos se sentir especial

Ajudei meu filho a superar bullying por causa de obesidade, relata mãe

Conheça 7 maneiras de ensinar o seu filho a ser grato