Família

Ajudei meu filho a superar bullying por causa de obesidade, relata mãe

Criança sofria com comentários negativos que recebia de parentes

A REDAÇÃO PAIS&FILHOS

Michelle com seus filhos Matheus e Milena e seu marido (Foto: Arquivo pessoal)

Quando um filho é vítima de bullying a família sofre junto. É nesse momento que é necessário reagir e tentar ajudar a criança a lidar com o sofrimento. Michelle Savazi Rizzo, mãe de Matheus e Milena, conta como ajudou o filho mais velho a superar a tristeza por receber apelidos constrangedores de parentes próximos por estar acima do peso.

Leia também:

Escolas devem iniciar ano letivo já preparadas para combater o bullying

Anúncio

FECHAR

Conheça 7 maneiras de ensinar o seu filho a ser grato

Obesidade também é desnutrição

Michelle diz que o filho tinha sete anos na época e ficava arrasado quando as pessoas que a ofendiam iam embora de sua casa. “Eu não sabia muito como agir. Eu sei que eu fiquei ao lado dele o tempo todo. Eu procurei ajuda de especialistas, melhoramos a alimentação e ele começou a fazer esportes. Eu não o colocava no meu colo e falava para ele chorar. Eu dizia: levanta a cabeça, que nós vamos achar uma solução para os problemas”, relata.

Como ela contava aos parentes o quanto a criança estava mal com a situação e eles continuam com os comentários negativos sobre o peso do filho, ela decidiu então cortar a relação com essas pessoas. “Me afastei totalmente, porque via que o meu filho estava infeliz.”

Pai do ano: ele escreveu uma música para filha enfrentar o bullying na escola

Como falar com crianças sobre peso e saúde

Por que você não deveria falar sobre dieta e peso com sua filha

Michelle explicou ao Matheus que ele não podia permitir que as pessoas o colocassem para baixo. Ela também achou importante orientá-lo de que ele deveria perder peso por causa da saúde, não por causa da opinião dos outros.

Ela também começou a conversar sempre com ele e comentava que todas as pessoas precisavam aprender a lidar com problemas. “Dava exemplos de vários tipos de limitações mais sérias para que ele percebesse que a dele era bem simples de lidar. Apenas tinha que controlar a compulsão, porque o negócio dele era comida mesmo, não besteiras”, relembra.

Matheus começou a querer mudar, mudou a rotina e a fase de crescimento também ajudou no processo de emagrecimento. Em relação à parte emocional, ele começou a ficar mais seguro porque estava vendo que realmente estava funcionando o que a mãe lhe propôs. Hoje, Matheus tem 13 anos e é feliz!

A edição de fevereiro da nossa revista apresenta uma reportagem completa sobre obesidade infantil.

Senado aprova projeto que combate bullying nas escolas