Gravidez

Depressão pós-parto pode estar ligada à falta de luz natural no fim da gravidez

A quantidade de sol que a mãe recebe no final da gravidez influencia no ocorrência ou não de depressão pó-parto - iStock
iStock

Publicado em 01/10/2018, às 14h34 por Redação Pais&Filhos


Mulheres que estão no terceiro trimestre de gravidez nos meses mais escuros do ano (outono e inverno) têm maior risco de desenvolver depressão pós-parto depois que o bebê nascer. Isso tem relação com a exposição à luz natural e depressão entre adultos na população geral.

Deepika Goyal, especialista da Universidade San José State, nos Estados Unidos, é autora principal de um estudo publicado na edição especial “Post-partum Health” na revista “Springer’s Journal of Behavioral Medicine” sobre a relação da luz solar com a depressão pós-parto.

Neste estudo, Goyal e seus colegas da Universidade da Califórnia em São Francisco analisaram informações de 293 mulheres que participaram de um dos dois ensaios clínicos sobre o sono antes e depois da gravidez. Entre as participantes, estavam mães de primeira viagem da Califórnia e os dados colhidos incluem quantidade de luz do dia que tomaram durante o último trimestre da gravidez, juntamente com histórico de depressão, idade da mulher, status socioeconômico e quanto ela dormiu.

No geral, as participantes tiveram um risco de 30% de depressão. A análise sugeriu que o número de horas do dia em que a mulher ficou exposta durante o último mês de gravidez tem uma grande influência na probabilidade de desenvolver sintomas depressivos. O menor risco para depressão (26%) ocorreu entre as mulheres cujo último trimestre coincidiu com as estações com mais horas de luz do dia.

depressaoposparto
Fatores que também influenciam na depressão pós-parto são histórico de depressão, idade da mulher, status socioeconômico e quanto ela dormiu. (Foto: iStock)

Os resultados mostram que o uso de tratamento com luz no final do terceiro trimestre, quando a duração do dia é encurtada, poderia minimizar os sintomas depressivos pós-parto. Goyal diz que mulheres com histórico de problemas de saúde mental e aquelas que já mostram sintomas depressivos no terceiro trimestre podem melhorar se ficarem ao ar livre o máximo possível ou usar dispositivos que fornecem terapia de luz.

“As mulheres devem ser encorajadas ter exposição frequente à luz do dia durante a gravidez para melhorar seus níveis de vitamina D e inibir o hormônio melatonina“, disse Goyal. Segundo ela, os médicos também devem aconselhar as pacientes a fazerem mais exercícios ao ar livre: “Caminhadas diárias durante o dia podem ser mais eficazes em melhorar o humor do que andar em um shopping ou usar uma esteira em uma academia.”

Leia também:

Saiba como controlar a queda de cabelo no pós parto

Como driblar a depressão pós parto

Gwyneth Paltrow fala sobre sua depressão pós parto. Veja se você se identifica!


Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Pai de Davi - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Pai de Davi não concorda com posição do filho e decide ir morar com Mani

Imagem Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Família

Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Foto: Reprodução/ Instagram

Bebês

Fernanda Paes Leme recusa visitas após o nascimento da filha: "Não consigo e não quero"

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

Viih Tube fala sobre segundo e terceiro filhos - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Viih Tube revela gravidez de segundo e adoção de terceiro filhos com Eliezer

De A a Z: confira os nomes femininos americanos para te inspirar - Getty Images

Bebês

Nomes americanos femininos: mais de 1000 opções diferentes para você se inspirar

Virginia Fonseca - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Virginia Fonseca toma atitude após Maria Alice empurrar Maria Flor: “Dói mais na gente”