Criança

Crianças que quebram regras podem ter salários mais altos no futuro, diz estudo

Estudo acompanhou crianças por 40 anos e o resultado é surpreendente

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Estudo aponta que crianças que quebram regras ganham altos salários quando adultos (Foto: Shutterstock)

Estudo aponta que crianças que quebram regras ganham altos salários quando adultos (Foto: Shutterstock)

Crianças que têm o costume de questionar e quebrar regras podem se tornar adultos com salários altos, segundo um estudo recente. A pesquisa, publicada em setembro de 2015 no artigo “Developmental Psychology”, analisou por 40 anos (entre 1968 e 2008) 745 alunos da sexta série de uma escola de Luxemburgo, na Europa, e examinou características que determinam carreira profissional. O resultado foi surpreendente!

Leia mais:

Estudo mostra que crianças desobedientes têm mais chance de se tornarem CEO´s

Anúncio

FECHAR

Filho respondão

Os terríveis 2 anos: saiba o que esperar da fase da birra

Criança rebeldes podem ser tornar adultos mais dispostos a negociar salário (Foto: Shutterstock)

Criança rebeldes podem ser tornar adultos mais dispostos a negociar salário (Foto: Shutterstock)

Foi descoberto no estudo que as pessoas bem sucedidas no trabalho costumavam quebrar regras na infância. A conclusão foi tomada com base nas pesquisas de dois grupos diferentes de profissionais, que acompanharam os indivíduos durante os 40 anos.

Qual é a idade certa para começar com a disciplina?

5 dicas que vão te ajudar com a disciplina das crianças

Isso porque a rebeldia na infância se tornou objetividade e maior disposição para defender pontos de vista. “Estes adultos com maior renda e que eram rebeldes na infância, são mais exigentes durante momentos críticos no trabalho, como negociação de salários”, explicam os autores da pesquisa. O estudo também aponta que os indivíduos que são mais dispostos a quebrar as regras podem obter salários mais elevados por razões não éticas.

As crianças estudadas tiveram antecedentes familiares, status socioeconômico, QI e hábitos diários analisados. Os professores da escola também foram estudados para verificar o nível de aprendizado e vontade de aprender dos alunos.

A pesquisa foi feita pela MAGRIP, um grupo de estudos formado pela Universidade de Luxemburgo e um Centro de Estudo de Populações e Políticas Sócio-econômicas, financiado pelo Fundo Nacional de Pesquisas de Luxemburgo. É importante salientar que criança precisa de limite e que mostrar o certo e o errado é o nosso papel.

Faça o teste e descubra: será que o seu jeito de educar está de acordo com a personalidade do seu filho?

5 frases que não devemos dizer aos filhos