Criança

5 dicas que vão te ajudar com a disciplina das crianças

Se você quer que seu filho faça algo, não pergunte, peça.

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

A abordagem amigável da disciplina 

Vamos encarar a realidade: Se você ganhasse um real pra cada vez que pedisse para seu filho fazer algo, suas contas estariam todas pagas. Você quer que ele te ouça e obedeça, sem deixar a casa parecendo um campo de batalhas. Mas, como a maioria dos pais você provavelmente não quer que ele te veja como um sargento, então você sempre pede por sua cooperação.

Você pensa que ele estará mais propenso a pegar a tolha molhada do chão ou que se sente direito à mesa se você for branda e amigável. Parece mesmo a melhor abordagem, especialmente porque essa é a forma como comumente conversamos com os adultos. A psicóloga do desenvolvimento e consultoria da revista norte-americana Parents, Linda Acredolo, PhD, explica que quando você pergunta ao seu filho: “Você gostaria de tomar um banho agora?” ele pensa que você está realmente oferecendo-lhe a oportunidade de dizer não – mesmo que você esteja apenas sendo apenas educada. O resultado? “Você fica chateada e seu filho fica chateado – e confuso”, afirma.

Anúncio

FECHAR

Não se prepare para uma luta

Isso certamente ajuda a amenizar algumas situações (“Depois de ir ao supermercado, podemos parar no playground”). No entanto, quando você realmente precisa que seu filho faça algo, você pode dar-lhe uma escolha sobre como ou quando isso pode ser feito – mas não se isso deve ser feito. Crianças pequenas (e os maiores também) estão constantemente procurando maneiras de ter mais controle, por isso não deve ser nenhuma surpresa que se você dá o seu poder de veto para a criança, ele vai usá-lo. Você está se preparando para uma luta de poder em potencial.

Cuidado com o tom de voz

Isso não significa que você não deve ser legal. “Pesquisas mostram que as crianças ficam muito mais adeptas à cooperação quando os pais usam um tom de voz tranquilo”, afirma Alan E. Kazdin, PhD, professor de psicologia e psiquiatria infantil da Universidade de Yale. “Por favor” não é a palavra mágica para tudo. Usando-a você pode colocar seu filho na situação de escolha. “Quando você dá instruções ao seu filho, é crucial ser muito claro sobre o que você espera que ele faça”, afirma Dr. Kazdin. Por agora, é muito mais eficiente dizer, “Por favor, vá para a sala e tire todos os lápis e canetas que estão jogados em cima da mesa de lá”, em vez de: “Não te pedi para recolher todo seu lápis de cor?”. Perguntas retóricas são ótimas.

E a palavra final: obrigada. “É importante reconhecer os esforços do seu filho dizendo ‘obrigado’”, diz, Dr. Acredolo. “Estamos mais propensos a cooperar no futuro quando se sentem valorizados”.

Dê duas opções para ele

A forma mais efetiva de fazer com que seu filho coopere é dando a ele duas opções – desde que as duas sejam do seu agrado. Quando você diz, “Você quer vestir uma jaqueta azul ou este casaco verde?”, você está numa situação na qual em qualquer que seja a resposta dele você sairá ganhando. Assim você também dá ao seu filho senso de controle e ele estará pronto a ir para um dos dois lados oferecidos. Não ofereça a uma criança em fase da pré-escola um leque sem infinito de opções (Como perguntando o que ele gostaria de vestir no dia) porque tomar essa decisão será algo esmagador. “Claro que nem sempre você poderá dar a ele apenas duas opções porque assim você nunca sairia de casa na hora certa”, afirma Dr. Kazdin. “Mas faça isso sempre que possível”, aconselha.

Reformule seus pedidos

Você terá resultados rápidos quando passar a ater somente aos fatos, então veja algumas sugestões para dizer claramente o que pretende.

Ao invés de: “Seu quarto está uma bagunça. Você tem cinco minutos para pegar todas essas roupas do chão”.

Diga: “Se essas roupas não estiverem na máquina de lavar, não serão lavadas. Tire cinco minutos para recolher todas elas, por favor”.

Ao invés de: “Quando você vai alimentar seu peixe?”

Diga: “Os peixes parecem famintos. Está na hora de dar comida a eles”.

Ao invés de: “Nós podemos desligar a TV e fazer algo de diferente?”

Diga: “Este programa está chato. Está na hora de brincar com blocos ou ir lá fora.”

Ao invés de: “Você poderia colocar logo seu tênis? Estamos atrasados”

Diga: “Ponha seu tênis, estamos atrasados”.

Ao invés de: “O que você acha de comermos feijão no jantar”

Diga: “Teremos feijão com seu prato predileto no jantar”.

Ao invés de: “Eu acho que está na hora de sentar no penico agora. Você está pronto?”

Diga: “Vamos para o penico. Você quer ler um livro ou gibi?”.

Ao invés de: “Você parece estar cansado, que tal tirar um cochilo?”

Diga: “É hora da soneca.”.

Ao invés de: “A mamãe já pode sair?”

Diga: “A mamãe está saindo, você se divertirá muito com a vovó