Gravidez

Obama pede urgência na vacina contra o vírus zika

Casa Branca teme que a doença se espalhe pelos EUA

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

 

Obama pede pressa no desenvolvimento da vacina contra o vírus zika (Foto: Valter Campanato/ABr)

Obama teme que doença se alastre (Foto: Valter Campanato/ABr)

Temendo que o vírus zika se espalhe pelos Estados Unidos, o presidente do país, Barack Obama, pediu pressa no desenvolvimento de tratamentos e de uma vacina contra a doença. Nesta terça-feira (26), ele se reuniu com assessores de saúde e segurança nacional para discutir o surto nas Américas. Além da pressa com a imunização, autoridades intensificaram o estudo sobre a possível ligação entre o zika e casos de bebês com microcefalia.

Leia também

Anúncio

FECHAR

Microcefalia e o vírus zika: suas dúvidas solucionadas!

“Adiem os planos de gravidez”, diz diretor do Ministério da Saúde

Ministro da Saúde diz torcer para que mulheres peguem zika antes da idade fértil

Na segunda-feira, a OMS (Organização Mundial da Saúde) estimou que o vírus vai se espalhar por toda a América, com exceção de Canadá e Chile e, para evitar que isso aconteça, autoridades emitiram um alerta a mulheres grávidas, pedindo que elas evitem viagens ao Brasil e a outros 13 país da América Latina e Caribe.

Um estudo feito por médicos do Canadá estima que 60% da população norte-americana são vulneráveis ao vírus e, em comunicado, a Casa Branca informou sobre o pedido do presidente sobre a vacina e divulgou que Obama pediu informações sobre o vírus zika para todos os americanos.

No Brasil, médicos e cientistas também correm contra o tempo para desenvolver tratamentos para o zika. A UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) está fazendo uma pesquisa com um fitocomplexo (produto natural derivado de plantas) que possui uma ação antiviral contra a doença. A pesquisa ainda está na fase de testes in vitro, mas já foi verificada uma diminuição grande da replicação do vírus depois de aplicado o produto.

O trabalho está sendo realizado por dois grupos que trabalham juntos, um liderado por Davis Ferreira, vice-diretor do Instituto de Microbiologia da UFRJ, e o outro orientado por Edimilson Migowski, chefe do Serviço de Infectologia Pediátrica da UFRJ.

Ministro diz que governo vai distribuir repelentes para grávidas

Governo vai distribuir repelente para grávidas inscritas no Bolsa Família

Consumir ômega 3 na gravidez ajuda no desenvolvimento do bebê

Dores de ouvido são mais comuns no verão; Saiba como evitar

Migowski afirmou que ainda não pode divulgar o nome da planta da qual foi derivada o fitocomplexo, pois o estudo está em andamento, mas que “a sabedoria popular já sabia que ela podia afastar o zika”. O estudo será divulgado cerca de 10 a 15 dias depois do Carnaval.

“O fitocomplexo terá duas finalidades: a terapêutica, quando se usa o medicamento pra tratar, e a profilática, quando se faz o uso contínuo do produto”, estimou o infectologista. Fazendo o uso contínuo do produto, a ação antiviral impedirá que o vírus seja replicado para mais pessoas.

Se for comprovado que o medicamento inibe a replicação, a fêmea do Aedes aegypti (mosquito transmissor do zika vírus) pode picar uma pessoa que tomou o fitocomplexo, mas ela não vai transmitir a doença, porque não portará vírus suficientes para passar a doença a outras pessoas. “O que eu vejo de mais promissor não é nem a vacina para daqui a três ou quatro anos. É o antiviral no mês que vem”, disse Migowski.

Depois dos testes in vitro, o fitocomplexo será testado em cobaias, como fêmeas de porquinhos-da-índia, prenhas.

O público-alvo, segundo o infectologista, será as gestantes. Caso seja aprovado, o fitocomplexo será consumido via oral, funcionando como um complemento alimentar que afasta o zika. Migowski afirmou que o produto natural estará ao alcance das gestantes rapidamente, pois acredita que, se funcionar, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) dará logo o registro do medicamento.