Família

Jovens adotados ainda bebês em épocas diferentes descobrem que são irmãos biológicos após 19 anos

Angela e Dennis adotaram VIcky e Frank ainda bebês no intervalo de um ano - Reprodução/WABC
Reprodução/WABC

Publicado em 20/08/2023, às 08h34 - Atualizado às 09h27 por Victoria Raissa, filha de Ângela e Clóvis


Uma família de Nova York, Estados Unidos, viveu o que para muitos pode parecer improvável. O casal Angela e Denis Laffin adotaram a primeira filha, Vicky, em 2004 e um ano depois adotaram um menino, Frank. O que não podiam imaginar na época, e hoje descobririam é que, na verdade, os dois são irmãos biológicos.

Apesar de terem sido abandonados pela mãe biológica ainda bebês, Vicky e Frank nunca ouviram isso dos pais adotivos. “Eles não sabiam que estavam abandonados até alguns meses atrás. Porque nunca usamos as palavras ‘abandonado’, ‘deixado para trás’… simplesmente não está no nosso vocabulário”, explica Angela.

Vicky, Frank e os pais
Angela e Dennis adotaram VIcky e Frank ainda bebês no intervalo de um ano (Foto:Reprodução/WABC)

Anos depois, as crianças cresceram e resolveram fazer um exame de DNA para investigar as suas origens e entender a história de cada um. Porém, foram surpreendidos ao descobrirem que são filhos da mesma mãe. ““Meu irmão apareceu como meu irmão completo, meu irmão biológico”, disse Vick sobre a descoberta. E Frank completa: “Nós dois fomos encontrados com um ano e meio de diferença e acabamos na mesma família. As chances são insanas”, disse ele em entrevista a ‘ABC News’.

Vicky e Frank com a enfermeira que resgatou eles
Os irmãos, Vicky e Frank, junto com os pais foram agradecer a enfermeira que resgatou eles do abandono (Foto:Reprodução/WABC)

Desde o resultado, a família procurou pela mulher que ajudou Vicky e Frank ainda bebês ao serem deixados pela mãe biológica e antes de ser adotados pelo casal, Angela e Denis, para agradecê-la. ““Foi muito bom ver o lugar onde fui deixada e ver que Claudia era tão boa e cuidou tão bem de mim”, disse Vick sobre Claudia, a técnica de enfermagem que cuidou deles.

Trigêmeas que foram separadas depois de duas serem entregues para a adoção se reencontram

Quando engravidou de trigêmeas, Kathleen Jump teve que tomar a difícil decisão de entregar duas de suas filhas para a adoção.Na época, Kathleen não tinha condições financeiras de manter as três bebês e, então, procurou uma família para cuidar de duas das suas meninas. Após ficarem anos separadas, as irmãsconseguiram se reencontrar pessoalmente quando eram pré-adolescentes, e começaram um novo capítulo de suas vidas, agora em três.

Kathleen decidiu ficar com Rikki, que ganhou seu sobrenome – como Julianne e Kendall estavam mais próximas, a mãeinterpretou isso como um sinal de que deveriam ficar juntas, assim, colocou Julianne e Kendall para adoção como irmãs gêmeas. Rikki cresceu sabendo que era trigêmea – mas suas irmãs não faziam ideia de que ela existia.

As irmãs foram adotados por Tina, hoje com 65 anos, e Ken, que já faleceu, enquanto Rikki permaneceu com sua mãe e seu pai, Lee, que também faleceu. Aos oito anos, Rikki decidiu entrar em contato com as irmãs e começou a escrever cartas para que elas soubessem da sua existência, já que a casa onde residia Julianne e Kendall não ficava tão distante da residência de Rikki.

Após engravidar de trigêmeas, Kathleen entregou duas filhas para a adoção, pois não tinha condições financeiras para cuidar das três (Foto: Reprodução/ Facebook)

O trio se escreveu por três anos antes que pudessem se encontrar pela primeira vez, aos 11 anos de idade- onde foram ao shopping assistir a um filme. Quando Rikki tinha 13 anos, ela descobriu que ela e suas irmãs foram concebidas por meio de inseminação intra-uterina (IUI) – onde o esperma é injetado diretamente no útero– porque o pai de criação de Rikki já havia feito uma vasectomia. Aos 26 anos, Rikki começou a pesquisar a história de sua família e, em dezembro de 2022, rastreou seu pai biológico – que não deseja ser identificado.

Rikki afirma que ela e suas irmãs possuem um vínculo muito forte até hoje: “Estabelecemos isso por escrito desde a infância, então, quando nos conhecemos, sentimos que nos conhecíamos desde sempre. Foi mais significativo para nossos pais, minha mãe Kathleen sempre sofreu de muita culpa e vergonha sobre o que ela tinha feito. Quando a mamãe as viu com seus pais, ela sabia que tinha feito a coisa certa.”

Kendall ainda acrescentou: “Eu estava muito nervoso para conhecer Rikki porque é uma situação tão única, mas então, quando nos vimos no shopping, nós corremos e nos abraçamos e era como se nos conhecêssemos desde sempre. Entramos em sintonia como se fôssemos melhores amigas e parecia uma adição nova, ótima e emocionante para nossas vidas e família.”


Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

(Foto: Reprodução/Redes sociais)

Família

Mani recebe recado de Yasmin Brunet após anunciar fim da relação com Davi

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

De A a Z: confira os nomes femininos americanos para te inspirar - Getty Images

Bebês

Nomes americanos femininos: mais de 1000 opções diferentes para você se inspirar

Os nomes japoneses femininos são lindos, fortes e possuem significados encantadores - Getty Images

Bebês

Nomes japoneses femininos: 304 opções lindas para você conhecer

Essa lista vai te ajudar a escolher o nome ideal para o seu bebê se você adora a letra “A” - Shutterstock

Bebês

48 nomes de bebês para meninos e meninas com a letra ‘A’

Gracyanne Barbosa, Belo e Gilson Oliveira - (Foto: Reprodução/Redes sociais)

Família

Personal de Gracyanne Barbosa apontado como pivô da separação engravidou aluna da academia

A bartolinite é uma infecção que ocorre nos cistos de Bartholin, causando uma inflamação na região da vagina - Freepik

Família

Bartolinite: o que é a bola inchada na vagina e como tratar a infecção