Criança

Você sabia que existem 7 tipos diferentes de açúcar?

Na hora de comprar o açúcar no supermercado, fique atenta! Existem diversos tipos diferentes, alguns mais ou menos industrializados, para você escolher

A REDAÇÃO PAIS&FILHOS

tipos de açúcar

O açúcar é um dos ingredientes que está presente em quase todas as refeições das famílias brasileiras. Seja para deixar a limonada mais doce ou para fazer o pudim como sobremesa, é difícil deixar de lado esse ingrediente que, em excesso, pode trazer vários perigos para a saúde, principalmente das crianças. O açúcar é fonte importante de energia e estimula o cérebro a produzir serotonina, responsável pela sensação de bem-estar e prazer.

“O açúcar é um carboidrato presente em frutas e vegetais. O prazer que sentimos com alimentos de sabor adocicado é inato. A predileção por doces ajudou nossos ancestrais a distinguirem entre os alimentos seguros e que dariam mais energia, dos alimentos potencialmente tóxicos ou inadequados para consumo”, explica Maria Deaskal, nutricionista e proprietária da Recomendo Assessoria em Nutrição.

Anúncio

FECHAR

O excesso de açúcar na alimentação é uma das causas da obesidade infantil. A organização Mundial da Saúde recomenda que apenas 5% das calorias ingeridas diariamente venham do açúcar, ou seja, 25 gramas. Mais do que isso pode prejudicar até a saúde bucal das crianças (açúcar é o ingrediente secreto para as cáries). Para se ter uma ideia, nos países ocidentais a média de consumo diário de açúcar por pessoa chega a 150 gramas.

 

Leia também:

Café da manhã equilibrado

13 alimentos proibidos para crianças de até 2 anos

As 9 super comidas mais nutritivas para as crianças

 

No entanto, existem vários tipos diferentes de açúcar disponíveis no mercado, alguns deles passam por mais processos de industrialização que outros e você pode escolher quais comprar. “Apesar do sabor característico, eles pouco diferem em termos nutricionais, sendo que, via de regra, os mais refinados tem menos micronutrientes (vitaminas e minerais)”, diz a nutricionista. Lembrando que o açúcar não é só o que adicionamos aos alimentos. Existe também o açúcar natural e o açúcar que é adicionado na produção dos alimentos.

Açúcar cristal: são cristais maiores e transparentes, mais difíceis de dissolver. No processo de fabricação, a etapa de cristalização elimina a maioria das impurezas presentes, como sais minerais, glicose, frutose, amido, dentre outros componentes presentes. É considerado um produto com uma purificação parcial.

Açúcar refinado: é o tipo de açúcar mais comum e mais usado em casa. No processo de refino, além da adição de novos produtos químicos, o açúcar cristal é dissolvido e recristalizado, para torná-lo mais branco, pela remoção dos componentes coloridos presentes. Esse açúcar é um pouco mais fácil de dissolver.

Açúcar de confeiteiro: é o tipo mais usado em confeitarias, para enfeitar receitas de bolos, biscoitos e tortas. Os cristais são extremamente finos e com a aparência de pó, por causa da etapa de peneiramento. Além disso, esse tipo recebe um adicional de amido para evitar que os cristais grudem.

Açúcar orgânico: são cristais maiores e mais escuros. Durante toda a produção desse açúcar, desde o plantio da cana até o embalo do produto, não são usados agrotóxicos ou insumos não autorizados e costuma ser um pouco mais caro, mas vale a pena pela garantia de um produto mais saudável.

Açúcar light: é a combinação do açúcar refinado com adoçantes artificiais. Deve ser evitado por pessoas que não podem ou não querem utilizar adoçantes. Por causa da presença dos edulcorantes, não tem o mesmo efeito culinário.

Açúcar mascavo: tem a cor parecida com um caramelo e o sabor lembra o da rapadura. Isso porque ele é obtido diretamente da concentração do caldo da cana. O processo não usa aditivos químicos para o processo de branqueamento e preserva alguns micronutrientes como fósforo, cálcio, magnésio e potássio.

Açúcar demerara: tem grãos na cor marrom claro e o processo de produção parece com o do açúcar mascavo, mas passa por um leve processo de industrialização, usando menor quantidade de química.