Colunas / Vida de equilibrista

Economia do cuidado no vermelho

Os trabalhos que envolvem cuidado costumam ser menos valorizados, mas são fundamentais para todos os outros acontecerem - Shutterstock
Shutterstock

Publicado em 29/09/2022, às 08h10 por Cecilia Troiano


Já ouviram falar sobre a “economia do cuidado”? Caso não, podem ter certeza de que muitos de nós, mesmo não sabendo ao certo do que se trata, somos ativas e ativos participantes. Para quem não conhece esse termo, ele veio do inglês, care economy, e designa todas as atividades que têm como finalidade cuidar de algo ou alguém.

Papeis com interrogação e uma exclamação no centro de alerta
Os trabalhos que envolvem cuidado costumam ser menos valorizados, mas são fundamentais para todos os outros acontecerem (Foto: Shutterstock)

Dentro de casa é tudo o que fazemos para ela funcionar, o que envolve abastecer a casa, limpar, cozinhar, lavar, passar, além de cuidados com os filhos ou com pais idosos. Fora de casa, várias profissões também se dedicam ao cuidado, incluindo-se aqui enfermeiros, cuidadores de idosos, funcionários domésticos, entre outros.

Em comum, todas essas funções ligadas à economia do cuidado são não remuneradas ou com remunerações mais baixas. Basta vermos a dificuldade que a categoria das enfermeiras e enfermeiros estão tendo para estabelecer um piso salarial mínimo. É bastante desigual essa relação. Por um lado, a humanidade precisa demais de quem cuide, por outro, pouco valoriza esse grupo de pessoas, como se fosse uma economia “menor” perto da economia de “verdade”, aquela que teoricamente gera riqueza. Mas o erro é claro nesse raciocínio: se não existir a economia do cuidado, não há como essa “outra” economia prosperar. Simples assim.

A economia do cuidado cobra também um outro preço e as mulheres são as que mais estão  no “vermelho”, já que são elas as principais participantes desta economia. Os altos índices de burnout entre as mulheres são alarmantes, mostrando que alguma coisa está muito fora de ordem. Em recente pesquisa feita pela Deloitte com o nome de Women@Work 2022, os números não deixam dúvidas sobre isso. 44% das mulheres brasileiras se sentem esgotadas, 35% se afastaram do trabalho por motivos relacionados à saúde mental e 48% avaliam como ruim ou muito ruim sua capacidade de conciliar vida profissional e familiar.

E não é à toa vermos esses números tão altos, deixando flagrante o cansaço das mulheres. Apenas como um exemplo, segundo dados da Think Olga, organização que trabalha com questões de gênero, durante os primeiros seis meses de vida do bebê, a mulher passa 650 horas amamentando. Em média cada mamada dura 15 a 20 minutos, e isso acontece umas 10 vezes por dia. Sem falar em tudo mais o que mulheres fazem dentro de casa, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Bom, afinal, como reduzir esse efeito nocivo da economia do cuidado a fim de minimizar os impactos na saúde mental dos que se envolvem com ela? Pensando que a maioria dos envolvidos são mulheres, além de batalhar por políticas públicas que corrijam falhas estruturais, penso em duas questões práticas e imediatas.

A primeira é chamarmos os homens para serem também cuidadores, afinal, onde está escrito que a economia do cuidado é território prioritário das mulheres? A segunda é uma chamada para nós, mulheres. Precisamos nos libertar dessa culpa que nos persegue e nos coloca como soberanas no cuidar. A visão que temos é a de que se abrirmos mão do cuidar estamos sendo relapsas e em débito. Quem disse? Pois é, está mais do que na hora de acertarmos essa contabilidade da economia do cuidado, ainda estamos no vermelho e é urgente revertermos esse prejuízo.

Assista agora ao POD&tudo com as gêmeas Bia e Branca Feres!


Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Sabrina Sato compartilha momentos da viagem para Paris com Zoe, Nicolas Prattes e família do ator - (Foto: reprodução/Instagram)

Família

Sabrina Sato se declara para Nicolas Prattes após Duda Nagle anunciar separação

Isis Valverde - (Foto: Reprodução/Instagram)

Gravidez

Isis Valverde posta foto grávida ao lado de amiga e faz declaração: "Alegria transborda"

Viih Tube comenta que não fará festão para segundo filho - (Foto: reprodução/Instagram)

Família

Viih Tube fala sobre trauma após confusão na festa de filha: "Seu irmão vai ser só um bolinho"

Gêmeas siamesas falam sobre relacionamento - (Foto: reprodução/TikTok)

Família

Gêmeas siamesas falam sobre relações íntimas após uma assumir namoro

De A a Z: confira os nomes femininos americanos para te inspirar - Getty Images

Bebês

Nomes americanos femininos: mais de 1000 opções diferentes para você se inspirar

Wagner Moura com a esposa Sandra Delgado e o primogênito Bem - Reprodução/Caras

Família

Foto raríssima: Wagner Moura pousa com filho e esposa depois de ser premiado

Os nomes japoneses femininos são lindos, fortes e possuem significados encantadores - Getty Images

Bebês

Nomes japoneses femininos: 304 opções lindas para você conhecer