Coluna

Brincar na escola: pode isso?

Brincadeira é fundamental também na escola - (Foto: Getty Images)
(Foto: Getty Images)

Publicado em 22/01/2024, às 10h52 por Patricia Camargo e Patrícia Marinho


Em algum momento de minhas incursões nas redes sociais, me deparei com uma polêmica (pois é, mais uma) sobre crianças brincarem na escola. As mães nos comentários debatiam se era válido pagar para uma escola particular deixar os filhos brincando. Quando se trata do Ensino Infantil, até 6 anos, uma boa parte concorda que brincar é importante para o processo de aprendizagem.

Mas, se o assunto é o primeiro ano do Ensino Fundamental e os seguintes, a história muda um pouco e as famílias se questionam se o brincar deveria fazer parte da escola. Bom, deveria. Deve.

Brincar é fundamental para o desenvolvimento infantil (Foto: Getty Images)

Na coluna anterior, eu falei sobre o “brinquedismo estrutural”, um termo que cunhamos no Tempojunto para falarmos do preconceito que existe com relação à brincadeira ser algo de valor, sério e importante para o ser humano – criança ou não.

“Não se brinca em serviço”; “Isso é sério, não é brincadeira”, são frases que colocam na cabeça da gente que aprender e brincar são coisas opostamente diferentes. Especialmente se o objetivo dos pais é que os filhos aprendam a ler, escrever, contar e sejam alunos nota 10. 

O cérebro aprende melhor quando está feliz 

Em meio à preparação para o novo ano letivo, a neurociência nos revela que quando as crianças se envolvem em atividades lúdicas, ocorre uma interação fascinante em seus cérebros.

Durante a brincadeira, ocorre a liberação de neurotransmissores como a dopamina, colocando o cérebro em estado de atenção e prontidão para aprender. As experiências positivas e alegres durante o brincar tornam o aprendizado mais significativo.

A repetição dos momentos de ludicidade durante as aulas, associando o brincar ao conteúdo escolar, torna-se uma aliada poderosa. A prática de aprender envolvida em sorrisos e diversão estabelece memórias duradouras. Um cérebro feliz é mais focado, tem mais atenção e aprende mais.

Brincar em casa reforça o que foi aprendido na escola

Estudar é importante. Mas em casa, no pós-escola, as crianças precisam ter tempo de brincar e se divertir. Um tempo que hoje é tomando por infinitas horas de estudo, lição de casa, cursos extras e mais estudo, reduz a capacidade de atenção do cérebro.

A magia acontece quando a experiência positiva e alegre do brincar se transforma em memória de longa duração. Essas memórias se tornam tesouros guardados no baú da mente, prontos para serem resgatados quando necessário. É assim que a aprendizagem se torna duradoura e efetiva.

Na prática? Olha nossas dicas de brincadeira que podem, sim, estar na sala de aula do Ensino Fundamental:

  • Ao brincarem de jogos que envolvem contagem de peças (truco, buraco ou porco, por exemplo – todos jogos de cartas) ou a resolução de problemas simples, como os jogos de quebra-cabeça, as crianças estimulam áreas relacionadas à matemática. Os desafios lúdicos instigam o raciocínio lógico, contribuindo para uma compreensão mais intuitiva dos conceitos matemáticos.
  • Nas brincadeiras voltadas para a língua portuguesa, como jogos de palavras cruzadas, forca, ou jogos de criação de histórias a partir de imagens abstratas, por exemplo, fomentam a elaboração de narrativas (olha a redação se formando aí). Associar as letras de forma descontraída durante as brincadeiras fortalece a alfabetização e expande o vocabulário de maneira natural.
  • No campo das ciências, experimentos simples e interativos são a chave para estimular a curiosidade. Brincar de fazer misturas, observar reações químicas com materiais seguros e explorar o ambiente ao ar livre são maneiras eficazes de criar uma conexão entre a diversão e a compreensão dos princípios científicos.
  • Já nas aulas de história, jogos de tabuleiro temáticos podem transformar o aprendizado em uma jornada emocionante. Ao vivenciar de forma lúdica momentos históricos, as crianças internalizam os eventos de maneira mais viva e memorável.

Bora abraçarmos mais um ano letivo, lembrando que o brincar não é apenas diversão, mas uma ferramenta poderosa que contribui diretamente para o sucesso escolar. Que cada risada, cada jogo e cada descoberta se transformem em alicerces sólidos para o aprendizado de nossos filhos. 


Leia também

Foto: Reprodução/Instagram

Família

Paula Fernandes revela estar com doença: "Tenho apenas alguns dias de vida"

Amanda Kimberlly confirma gravidez, mas não foi confirmada a paternidade de Neymar - (Foto: reprodução/Instagram)

Família

Suposta mãe de filha de Neymar foi vista com jogador em Barcelona na balada

Modelo que estaria grávida de Neymar aumenta rumores com escolha dos padrinhos - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Modelo que estaria grávida de Neymar convida irmã e amigo do jogador para padrinhos

(Foto: Silvio Avila/AFP)

Família

Doações para o Rio Grande do Sul: veja onde e como doar às vítimas de forma segura

Modelo apontada como mãe de filha de Neymar rebate notícia pela primeira vez - (Foto: reprodução/Instagram)

Gravidez

Modelo que estaria grávida de Neymar quebra silêncio e fala pela primeira vez sobre boatos

O momento da escolha do nome é superespecial e deve ser vivido com muito carinho pela família - Getty Images

Bebês

210 nomes masculinos para bebês: ideias fortes (e lindas!) para você chamar o seu filho

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

Nadja Haddad e marido atualizam estado de saúde de filho internado no hospital - (Foto: reprodução/Instagram)

Família

Nadja Haddad fala sobre luto após perder filho e estado de saúde do gêmeo