Família

Alunos do Ensino Fundamental regrediram na aprendizagem durante a pandemia: veja o caminho para ajudar seu filho

O impacto da mudança para o ensino remoto foi maior entre os estudantes mais novos - Getty Images
Getty Images

Publicado em 28/04/2021, às 05h50 por Jennifer Detlinger, Editora-chefe | Filha de Lucila e Paulo


Um estudo feito pelo governo de São Paulo indica que os alunos tiveram regressão na aprendizagem durante a pandemia. A pesquisa estima que levará 11 anos para recuperar a aprendizagem perdida em Matemática durante a pandemia nos anos iniciais do ensino fundamental, por exemplo. A avaliação foi aplicada pelo Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora em estudantes do 5º e o 9º anos do Ensino Fundamental e a 3º série do Ensino Médio, no início do ano letivo 2021, da Secretaria Estadual da Educação.

Segundo a pesquisa, os estudantes do 5º ano da rede estadual, que costumam ter entre 10 e 11 anos, perderam habilidades que já haviam adquirido. Hoje, um aluno de 10 anos de idade tem desempenho pior do que ele mesmo tinha quando estava com 8 anos. Os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental apresentaram 46 pontos a menos em Matemática do que em 2019, com queda de 19% na aprendizagem, além de 29 pontos a menos em Língua Portuguesa, com queda de 13%. Nas últimas edições da avaliação, os estudantes do Ensino Fundamental subiram apenas 4 pontos por ano, o que levou a Secretaria Estadual da Educação a estimar que seriam necessários cerca de 11 anos para recuperar a aprendizagem perdida nos anos iniciais do Ensino Fundamental.

O impacto da mudança para o ensino remoto foi maior entre os estudantes mais novos (Foto: Getty Images)

“No 5º ano, com esse resultado de Matemática, os alunos sabem resolver problemas muito elementares de adição e subtração, não sabem multiplicação e divisão, não sabem ler um gráfico nem dados apresentados em tabela, que são habilidades básicas e essenciais importantes para prosseguir com os estudos”, diz Lina Kátia, vice-presidente da Associação Brasileira de Avaliação da Educação e coordenadora do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação (Caed), ligado à Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Já para o 9º ano do Ensino Fundamental e o 3º do Médio, a defasagem foi menor, mas ainda com perdas no aprendizado. O impacto da mudança para o ensino remoto foi maior entre os estudantes mais novos. Uma das hipóteses é que alunos mais velhos têm autonomia maior para estudar em casa. Já entre os mais novos, o fechamento das escolas tem impacto ainda maior na aprendizagem. “Além de não aprender novas coisas, o aluno não consolidou o que tinha aprendido. Trata-se de uma das primeiras e mais importantes pesquisas com o tema na atualidade. Diante desses dados, temos a convicção da importância do retorno às aulas para contribuir no processo de retomada de aprendizagem dos nossos alunos e para reduzir, aos poucos, todos os impactos causados, e já previstos, pelo distanciamento social”, afirma o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares.

Os estudantes do 5º ano da rede estadual perderam habilidades que já haviam adquirido (Foto: iStock)

Retorno das aulas

As escolas estaduais em São Paulo foram fechadas em março de 2020, para conter a disseminação do coronavírus. Em setembro, começaram a ser reabertas, para atividades de reforço, com baixa participação de alunos. Alguns municípios, como a capital paulista, vetaram a reabertura naquele mês. Neste ano, as aulas presenciais começaram em fevereiro, mas foram suspensas novamente um mês após a reabertura. O novo retorno aconteceu dia 14 de abril.

Para superar as defasagens, o secretário reforçou a necessidade de que as escolas continuem abertas e apresentou um projeto de recuperação de aprendizagem, com a contratação de mais professores para reforço escolar. “As informações obtidas podem, agora, orientar a manutenção e o desenvolvimento de políticas eficazes à retomada da aprendizagem, principalmente nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Nossos esforços são direcionados para retomar o ciclo positivo alcançado antes da pandemia”, conta. Segundo a pasta, 2.261 professores estão atuando com recuperação e mais 10 mil docentes ainda podem ser contratados.

O cenário de São Paulo pode ser pior em outros Estados que ainda nem mediram o desempenho de alunos. “A Secretaria de São Paulo conseguiu estruturar uma resposta, errando, refazendo, melhorando. Se esses resultados aconteceram em São Paulo, que teve uma das melhores reações do País, o que dá para projetar para o resto do Brasil é uma situação muito mais crítica. Também é muito importante envolver os professores, em uma conversa aberta, desarmada. Colocá-los como parte da solução”, diz Priscila Cruz, presidente executiva do movimento Todos pela Educação, em entrevista ao Estadão.

O cenário de São Paulo pode ser pior em outros Estados que ainda nem mediram o desempenho de alunos (Foto: iStock)

Voltar à escola ou não?

Para Roberta e Taís Bento, mãe e filha, colunistas e embaixadoras da Pais&Filhos, fundadoras do SOSEducação, especialistas em educação e neurociência, essa defasagem no aprendizado vai sobrecarregar ainda mais os profissionais da educação, mas o caminho é sempre a parceria entre família e escola. “Mais do que em qualquer outro momento que vivemos até agora, será necessário um esforço conjunto entre família e escola. Aos pais, ficará o dilema de manter o foco em lembrar que o filho é parte de um grupo ou pensar que cada aluno merece ter suas necessidades específicas atendidas. O caminho é a empatia, paciência e muita união entre os adultos responsáveis. Só assim vamos garantir que nossos filhos e alunos não sejam prejudicados pelas escolhas que fizemos por eles”, explicam, em texto publicado no portal SOS Educação.

Sobre o dilema, medos e dúvidas que os pais sentem sobre o fato de voltar às aulas presenciais, as especialistas acreditam que ter um ponto de equilíbrio é fundamental. “Não existe uma saída que possa atender a tantas variáveis. E não conseguiremos uma resposta única que satisfaça a todos os envolvidos. A decisão de enviar um filho de volta para as aulas presenciais gera medo e incerteza. Ao mesmo tempo, enche o coração de alegria ver um filho feliz por reencontrar os colegas, professores e funcionários da escola. A decisão de que seu filho não volta até que tenhamos vacina, vai trazer medo e incerteza também. Até que ponto o equilíbrio emocional e o aprendizado será ainda mais afetado e que prejuízos vai gerar ainda são incógnitas. Não existe uma resposta correta. É esse sufoco que vivem as escolas, gestores, professores, dirigentes de ensino e governantes. Dentro da escola, cada decisão tomada gera um impacto gigantesco em muitas pessoas”, defendem.


Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Pai de Davi - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Pai de Davi não concorda com posição do filho e decide ir morar com Mani

Imagem Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Família

Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

Viih Tube fala sobre segundo e terceiro filhos - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Viih Tube revela gravidez de segundo e adoção de terceiro filhos com Eliezer

Virginia Fonseca - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Virginia Fonseca toma atitude após Maria Alice empurrar Maria Flor: “Dói mais na gente”

De A a Z: confira os nomes femininos americanos para te inspirar - Getty Images

Bebês

Nomes americanos femininos: mais de 1000 opções diferentes para você se inspirar

Copo Stanley - Divulgação

Super desconto

App Day Amazon: os famosos copos térmicos da Stanley com até 55% de desconto