Bebês

De olho no cardápio: como evitar alergias alimentares nas crianças

O leite é o alimento que mais provoca alergia nas crianças brasileiras

Tanara de Araújo

Tanara de Araújo

alergia-alimentares_leite

O principal alimento alergênico no Brasil é o leite de vaca (Foto: Shutterstock)

Com o nascimento do bebê surgem várias preocupações dos pais em relação à sua saúde. Uma delas é a questão das alergias alimentares – é possível preveni-las? O pediatra e homeopata Moises Chencinski, pai de Danilo e Renato, afirma que a primeira atitude que as mães devem adotar em relação ao tema é a amamentação.

“O principal alimento alergênico no Brasil é o leite de vaca. Portanto, o aleitamento materno evita que o bebê seja exposto às chances dessa alergia”, explica ele, que também é membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

O médico endossa que, até os 6 meses, seria mais seguro que a criança tivesse contato apenas com o leite da mãe, sem a introdução de outros alimentos. “É preciso atenção aos leites em pó também, pois eles têm leite de vaca em sua fórmula”, diz.

Anúncio

FECHAR

Pesquisas apontam que 3% a 8% das crianças brasileiras são acometidas de algum tipo de alergia alimentar – sendo 85% dessas alérgicas ao leite. Os outros principais grupos são soja, ovos, peixe, frutos do mar, castanhas, amendoim e glúten.

Mudança de hábito

Passados os primeiros 6 meses, o quadro já muda de posição: começa a hora de, sim, apresentar às crianças os alimentos do “grupo de risco”.

“No passado, retardávamos a incorporação dos alimentos ‘alergênicos’, mas a nova ordem é de que a introdução precoce induz a tolerância e reduz o risco de desencadeamento futuro de alergias”, comenta a médica Cristina Abud, alergologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, mãe de Henrique.

O pediatra Moises Chencinski destaca que, por volta dos 6 aos 8 meses, é preciso ter paciência e observação à resistência do filho a cada alimento novo. “O ideal é oferecê-los separadamente para ver se há alguma reação característica”, declara, acrescentando que, com 1 ano, é indicado que ela já esteja apta a comer a mesma refeição dos pais.

Uma vez a criança apresentando sinais como urticária, dificuldade respiratória ou até edema de glote (inchaço na garganta), é hora de entrar em campo o pediatra e o alergista para uma avaliação do pequeno. “Assim que se desencadeiam sinais alérgicos, já é possível fazer testes e recorrer a tratamentos mais específicos”, finaliza o pediatra.

 

Leia também:

Entenda o que é alergia alimentar, suas consequências e tratamentos

Crianças com alergia ao leite de vaca já podem tomar vacina de tríplice viral

Mãe conta como lidou com a alergia alimentar da filha

Alergia alimentar pode começar de um dia pra outro

Nada de leite