Gravidez

Afinal, são nove ou dez meses de gestação?

A matemática é uma ciência precisa, mas quando atrelada ao corpo humano, tudo muda. Gravidez é assim, nem sempre sai como planejamos

Carolina Piscina

Carolina Piscina ,filha de Ana Maria e Osvaldo

gestação

Essa dúvida já passou pela cabeça de muitas mães. Se são 40 semanas de gravidez, por que falamos em 9 meses e não em 10? Afinal, fazendo as contas, 10 meses seria o mais correto para definirmos a quantidade de tempo em que o bebê passa dentro da barriga da mãe. Mas, na verdade, não é bem assim.

A média das 40 semanas gestacionais são contadas a partir da última menstruação e essa não é bem uma contagem de segunda a domingo. Esse período é contado de acordo com o calendário lunar, ou seja, são realmente 9 meses de gestação. O calendário lunar é um pouco diferente do que usamos no dia a dia, que é o gregoriano. Estamos habituados com meses de 30 ou 31 dias, tirando fevereiro, enquanto no calendário lunar o mês só tem 29,53059 dias. Levando isso em consideração, se você engravidar no dia 06 de janeiro, seu filho terá 40 semanas no dia 13 de outubro. Experimente pegar o calendário e ir contando as semanas de acordo com o que estamos acostumados, essa conta aí de cima não vai bater e, justamente por isso, na internet você encontra várias calculadoras de semanas gestacionais.

Anúncio

FECHAR

Conversamos com mães sobre o momento do nascimento do bebê:

Leia Também

Você sabia? As marcas da gravidez têm tratamento!

Saiba o que é o “Parto Adequado”, projeto que pretende humanizar partos normais e cesáreas

5 respostas que toda mãe precisa saber sobre os efeitos da música durante a gravidez

 

É também por causa da semana lunar que existe a crença de que quando a lua muda os bebês nascem. Na realidade, não é crendice, mas pura ciência. O que acontece quando a lua muda é o fechamento dos 9 meses gestacionais, então os bebês nascem e as maternidades lotam nessa virada da lua!

Chegada (quase) inesperada

De acordo com Alessandra Bedin, mãe de Alexandre e Ana Beatriz, ginecologista e obstetra, o sentimento da maioria das mães na hora do parto é a surpresa. No momento em que seu filho nasce e você pode olhar para ele e reconhecer “ah, então era você que estava aí dentro!”. Tudo muda na sua vida e, 10 segundos depois da surpresa, você já o ama mais do que tudo. Mas como podemos administrar toda essa expectativa quando a gestação ultrapassa o tempo médio?

A partir das 38 semanas de gravidez, o bebê já pode nascer. A maioria não espera as 40 semanas completas e isso não quer dizer que eles não estejam preparados, assim como você: já está tudo pronto, família avisada, o quarto arrumado, as roupas compradas e até a mala feita. O problema é quando você se prepara, avisa todo mundo e nada do bebê chegar. Alguns bebês demoram até 42 semanas para nascer e isso causa muita ansiedade em quem está aguardando a chegada dele.

Este foi o caso da Mariana Setubal, mãe de João, editora de site e redes sociais da Pais&Filhos. Todos os amigos e parentes, incluindo nós da redação, estavam ansiosos pela chegada do João, que não queria abandonar o conforto da barriga da Mari de jeito nenhum. Com 38 semanas ela já estava com tudo mais do que preparado. O João estava previsto para o dia 14 de abril e só foi nascer no dia 22, com uma cesárea marcada por decisão médica. Durante esse tempo, o mais difícil para a Mariana foi lidar com a ansiedade e a dica que ela dá para as mães que passarem pelo mesmo é: não fique contando os dias para a data prevista, deixe tudo pronto, mas não crie expectativas.

Por que essa demora?

Como explica Jurandir Passos, pai de Natalia e Isabella, ginecologista e obstetra, esse prolongamento do período gestacional é normal e pode acontecer em qualquer gravidez. Assim também funciona o nascimento prematuro. Em casos de gravidez com complicações, o nascimento antecipado acaba sendo cogitado e até mesmo esperado. A surpresa acontece quando a gravidez não passa por complicações e, mesmo assim, o bebê nasce antes do tempo indicado.

Flávia Fonseca, mãe de Rafael, jornalista e empresária, passou por esta situação. Com 32 semanas de gravidez, Flavia sentiu dores e foi ao hospital realizar exames para saber se estava tudo bem com Rafael. Ao chegar no hospital, a surpresa: ela estava em trabalho de parto e as dores eram, na verdade, contrações. “Comecei a chorar e dizer que ele não podia nascer. Me senti muito desesperada, imaginei que pudesse ser culpa minha, por excesso de movimento ou trabalho”. Hoje, 5 anos depois do nascimento de Rafael, Flavia compreende que partos prematuros podem acontecer mesmo nos casos de gravidez tranquila e sem sintomas. Ela até escreveu um livro, chamado Mãe Prematura, da Editora Asa de Papel, no intuito de compartilhar sua experiência com outras mães, para que elas possam encontrar um acalento.

O nascimento do bebê geralmente acontece entre 38 e 40 semanas, mas isso não é uma ciência exata. São muitos fatores que envolvem esse momento e as variações acontecem. Qualquer mãe está sujeita a ter um bebê prematuro, como também está sujeita a ter que aguardar mais do que o esperado para conhecer o filho. O importante é se atentar às indicações médicas e não se culpar.