Gravidez

7 coisas que você precisa saber antes de fazer uma cesárea

Com cada mulher é diferente, mas é importante ter uma ideia do que te espera depois da cirurgia

Logo-Parents (1)
Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

cesarea

(Foto: Shutterstock)

A gente sabe que decidir o tipo de parto é muito difícil e a Pais&Filhos acredita que a melhor maneira é aquela onde o bebê e mãe ficarão mais seguros. A escolha é da mãe. Mas a maioria das mulheres tende a fazer a cesárea segundo dados captados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A pesquisa mostra que 84,6% dos partos realizados em 2015 foram feitos com cesárea. Apesar da taxa ter diminuído em 1% em relação ao ano de 2014, o percentual ainda é grande e bem significativo.

Pensando nisso, é importante estar por dentro de algumas consequências desse procedimento. Nada melhor do que conhecê-las a partir da experiência de outras pessoas. Sendo assim, Maria Barillaro compartilhou a dela com a revista norte-americana “Parents”. Leia abaixo as sete informações fundamentais sobre a cesárea.

1. Vai com calma!

Anúncio

FECHAR

“Depois da minha cesárea, meu marido e minha mãe me esperaram na porta, cuidando do meu filho e fazendo as tarefas de casa por mim. E isso incluía até mesmo colocar meu filho mais velho para dormir. “Oi? Isso tudo sou eu quem faço!” É lógico que eu mal podia esperar para tudo voltar ao normal. Assim, eu poderia provar como eu era capaz de conciliar tudo.

Enquanto estava em recuperação nas primeiras duas semanas, eu comecei a fazer coisas que eu não deveria fazer, como guardar a louça, recolher as roupas do cesto da lavanderia e passear com o meu filho mais velho.Apesar de ter sido alertada, eu tinha certeza que poderia e conseguiria fazer tudo isso. Errado! Aprendi do jeito mais difícil que a paciência e os conselhos médicos são importantíssimos nesse momento.

Para compensar a minha teimosia, eu passava horas a mais na cama me recuperando daquilo que eu nem deveria ter feito. Em vez disso, descansar ao máximo e ir com calma é o mais recomendado sempre!”

2. A recuperação pode ser difícil para os filhos mais velhos 

“Isso foi a parte mais difícil e inesperada da cesárea no meu caso. Eu fui aconselhada, desde o início, a não carregar nada que não fosse o meu bebê. Mas eu tinha um filho de um ano em casa que estava, ansiosamente, esperando pelo meu retorno.

Além de não estar completamente feliz com a chegada do irmãozinho, ele estava bem triste com as minhas novas restrições. Ele não conseguia entender o motivo delas e, como resultado, ficou muito frio e bravo comigo. Provavelmente, pensava que eu não queria mais passar meu tempo ao lado dele.

Eu não esperava por isso. Nunca, nem nos meus piores pesadelos, eu imaginei que nossa relação sofreria algum abalo depois o nascimento do bebê. Eu sofria todos os dias, temendo que nunca mais voltasse ao normal. Para a minha felicidade, tudo voltou como era antes quando eu recuperei as minhas forças e restabeleci a nossa rotina.”

3.  Analgésicos não são inimigos

“Depois de um terceiro dia pós-cesárea repleto de dores, eu tinha certeza que poderia seguir a vida e voltar a ser eu mesma. Eu tive dores, mas nada que uma supermãe não consiga aguentar. Não demorou muito para eu perceber que parar de tomar a medicação tinha sido uma péssima ideia.

Numa noite, eu acordei na madrugada, quase oito horas depois da minha última medicação, com muita, muita dor! Eu não conseguia nem pegar a garrafa que estava ao meu lado. Por isso, siga a medicação e não espere a dor chegar para perceber a importância disso.”.

4. Suas idas ao banheiro serão o assunto principal de muitas conversas

“Pelo menos, por alguns dias. Antes de deixar o hospital, as enfermeiras precisam saber se está tudo bem com o seu intestino. Eu me senti um pouco desconfortável no início para responder algumas questões porque, obviamente, eu não costumava discutir questões do meu intestino com estranhos.

Agora posso dizer que, se eu aprendi uma coisa depois de ter dois filhos, é que você precisa reavaliar seu orgulho na porta do hospital!”.

5. Rir não é o melhor remédio

“Quando eu estava na cama me recuperando da cirurgia, eu passava muito tempo no Facebook e assistindo vídeos ridículos no Youtube para passar o tempo. Logo eu percebi que rir era como arranhar a minha barriga a cada gargalhada.

Era como se os meus pontos fossem se abrir. É lógico que isso não ia acontecer, mas era a minha sensação. A melhor coisa que você pode fazer quando estiver rindo ou tiver que tossir ou espirrar é colocar um travesseiro em cima dos pontos. É bem melhor assim e ajuda na dor. Eu seria imensamente grata se soubesse dessa informação antes.”.

6. Tomar banho sozinha é complicado

“Talvez você não tenha derrubado nunca um sabonete no chão quando está no banho, mas posso te garantir que isso vai ocorrer quando você estiver em recuperação. Por isso, é bom ter alguém sempre por perto nesse momento.

E quanto ao primeiro e segundo banhos depois da cesárea?Alguém vai ter que te ajudar dos joelhos para baixo.”.

7. Sangramentos podem não ser o que você espera

“Desculpe pelos detalhes, mas o sangramento pós-parto me assustou demais. No primeiro dia, quando a enfermeira foi trocar meu absorvente e eu vi a quantidade de sangue, eu fiquei apavorada e perguntei se era normal ou era uma hemorragia. Ela riu e garantiu que era normal. E esse sangramento pareceu durar o infinito, mas meu médico disse que era totalmente normal.

Por isso, meu marido ia sempre à farmácia para comprar absorventes e estocar. Importante saber que, enquanto a média de sangramentos na hora do parto é duas vezes mais alta na cesárea do que no parto normal, no pós-parto, os dois são bem parecidos. Só que algumas mulheres tem sangramentos maiores do que outras.”.

Então, esteja preparada para experiências bem diferentes!

Leia também

Atenção, grávidas: as novas regras para parto normal e cesárea começam a valer a partir de hoje!

Por que nenhuma mãe deveria se sentir culpada por fazer uma cesárea

Cesárea a pedido da paciente só poderá ser feita a partir da 39ª semana