Bebês

Mitos e verdades da natação para bebês!

Muita gente acredita que os bebês já nascem sabendo nadar, mas não é bem assim!

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

natacao

(Foto: Reprodução)

Dizem por aí que os bebês já nascem sabendo nadar, mesmo sem nunca terem aprendido, e que essa aptidão desaparece quando eles começam a crescer. Mas, pelo contrário, os recém-nascidos não são tão habilidosos assim, por mais que pareçam familiarizados com o ambiente aquático. O que acontece, na verdade, é um movimento intuitivo de autoproteção conhecido como Reflexo de Natação.

Quando posicionados na água, os recém-nascidos mexem seus braços e pernas de forma repetitiva, e desta forma. conseguem permanecer estáveis, sem se afogar.  Entretanto, esse reflexo desaparece quando o bebê chega aos seis meses de idade, tornando perigoso mantê-los em uma banheira, por exemplo, sem a supervisão de um adulto.

“Colocar os bebês na água e deixá-los nadar por conta própria é altamente desaconselhável, uma vez que eles podem facilmente se engasgar e se afogar”, alerta o vice-presidente do Departamento de Cuidados Domiciliares da Sociedade de Pediatria de São Paulo, José Gabel.

Anúncio

FECHAR

Habilidade motora

O estudo de Blanksby, que busca analisar o comportamento aquático dos recém-nascidos, mostra que as crianças podem adquirir habilidades de nado apenas por volta dos cinco anos de idade, quando o desenvolvimento motor já está maduro e elas têm mais controle do corpo.

Portanto, iniciar as aulas de natação precocemente não significa que a criança dominará mais rapidamente a prática, justamente pela capacidade neuromuscular ainda incompleta.

Segurança

A natação direcionada à família com a intenção de introduzir os bebês de forma divertida e descontraída nesse ambiente não devem ser vista como aula de sobrevivência. “É a oportunidade para introduzir as crianças à água e estar consciente dos riscos. Não serve para torná-las nadadoras talentosas ou para sobreviver de forma independente na água”, explica o pediatra.

A Academia Americana de Pediatria também reforça essa ideia de segurança, recomendando que os pais não deixem seus bebês sozinhos dentro da água e que devem estar sempre por perto para evitar afogamentos.

Leia mais:

Seu filho não precisa abandonar a natação durante o inverno

Em busca do esporte perfeito

Associação faz integração do deficiente físico e seus parentes à sociedade