Criança

Vídeo explica para as crianças a diferença entre carinho e abuso sexual

A campanha lançada pela Rede Marista de Solidariedade quer ajudar as crianças a reconhecerem e denunciarem os abusos

A REDAÇÃO PAIS&FILHOS

Campanha contra abuso sexual

Você já conversou com seu filho sobre o que é abuso sexual? O tema é bastante delicado, mas as crianças precisam se sentir seguras para contar para os pais ou para pessoas de confiança quando alguém tenta tocá-las de forma inapropriada ou até abusá-las de alguma forma. Por se tratar de um assunto que ainda é considerado tabu, muitas pessoas ignoram o problema, mas só no primeiro trimestre desse ano foram registrados pelo Disque Denúncia mais de 21 mil chamados denunciando abuso infantil.

Esse problema não é exclusivo do Brasil. Muitos países passam por isso e as crianças acabam sendo abusadas, muitas vezes, por pessoas próximas, das quais nem desconfiamos. Por isso é muito importante dizer para seu filho que, sempre que ele se sentir incomodado com algum toque, ele deve dizer “não” e contar imediatamente para alguém de confiança o que está acontecendo.

Anúncio

FECHAR

Pensando nisso, a Rede Marista de Solidariedade lançou uma campanha que orienta as crianças sobre a diferença entre um carinho, um abraço entre familiares e amigos e o abuso sexual. “Até o momento, a Campanha Defenda-se centrou esforços em ilustrar situações que as crianças devem evitar para defenderem-se do abuso e da exploração sexual. Por isso, neste novo vídeo decidimos inovar na linguagem amigável criando uma história que mostrasse situações de afeto recíproco entre crianças e adultos, a fim de diferenciá-las de situações de carinho abusivo”, conta Vinícius Gallon, coordenador da Campanha.

A série de vídeos está disponível junto com documentos de referência sobre como enfrentar a violência sexual e materiais para mobilização do tema no site da campanha, que contribui com políticas de enfrentamento á violência sexual contra crianças e adolescentes principalmente como forma de prevenir e promover autoproteção. Os vídeos, além de retratarem situações cotidianas em que a criança pode se defender, mostra canais de denúncia como o Disque 100, que cuida de casos de violação de direitos humanos.

Assista ao vídeo e chame seu filho para ver também: