Criança

Saiba como proteger seu filho do sol, mesmo em dias frios

Crianças devem usar protetor solar todas as vezes que saem de casa. A recomendação é ter essa prática até em ambientes fechados

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Proteção solar

Não é novidade a importância de se proteger dos raios solares. Mas quando o assunto é bebê ou criança, o cuidado deve ser redobrado. Isso porque a pele das crianças pequenas é mais fina do que a dos adultos, aumentando o risco de consequências causadas pelos raios UVA e UVB. Por isso, lembrar-se da utilização do protetor solar é recomendável também em lugares fechados.

As crianças devem estar protegidas até mesmo para irem à escola, ao parque ou brincar no playground do prédio. “Além disso, o ideal é aplicar o protetor solar antes de sair e sempre que for se expor ao sol”, explica Rodrigo Romanhole, cientista de Proteção Solar da Johnson & Johnson. “Principalmente nas áreas mais expostas ao sol, como rosto, mãos e colo. Por ficarem descobertas, essas partes são mais suscetíveis ao aparecimento de sardas e manchas. Ao longo prazo, rugas e até câncer de pele”, comenta Sabrina Battistella, pediatra da Johnson & Johnson.

Anúncio

FECHAR

 

Leia também:

Doenças de inverno: saiba quais são os riscos e como prevenir

Quando desconfiar de anemia nas crianças

Livre de coceiras

 

Vale destacar que é importante aplicar protetor solar nas crianças até mesmo nos dias nublados porque a presença de radiação solar é constante, principalmente dos raios UVA, que provocam o envelhecimento precoce e doenças de pele. “O protetor age diante da mínima radiação. Os cuidados com a pele devem ser ainda maiores no Brasil, pois em praticamente todas as regiões do país temos sol e calor o ano todo. Além disso, temos um dos índices mais altos de incidência de radiação solar no mundo”, diz Sabrina.

Há quem pense que não é preciso passar protetor entre 7h e 18h, porém, dependendo do tempo de exposição há, sim, essa necessidade. Estudos comprovam que os níveis de radiação podem estar bem elevados em horários fora da faixa normalmente conhecida para precauções com fotoproteção.

Com os bebês, o cuidado dever ser ainda mais redobrado. “O recomendado é usar protetor solar em bebês acima de 6 meses de idade. Caso não seja possível ficar completamente fora do sol com o bebê de até 5 meses, procure orientação com o pediatra ou dermatologista”, explica Sabrina Battistella.

Na hora de escolher um protetor solar para seu filho maior de seis meses, o correto é observar na embalagem se consta a informação de que o produto é dermatologicamente testado e hipoalergênico. “Essas informações significam o produtos foi desenvolvido para minimizar os riscos de alergia”, diz Cristina Guedes, cientista da Johnson & Johnson.

Saiba mais:

Um em cada quatro cânceres diagnosticados é de pele e está definitivamente relacionado à exposição ao Sol.

Brasil registra um dos índices solares mais fortes do mundo, com uma média de mais de 280 dias de sol por ano.

Uma pesquisa realizada pela Johnson & Johnson mostra que 97% dos brasileiros se expõe ao sol, mesmo que de vez em quando. A exposição mais comum – e praticamente diária – é a indireta. 77% dos brasileiros se expõe ao sol a caminho do trabalho, da escola ou das suas atividades fora de casa, 84% tem o hábito de andar a pé no dia-a-dia.

O protetor solar é um grande aliado no combate à hiperpigmentação. O uso diário do protetor solar impede o surgimento ou o aumento de manchas e sardas no rosto.

Uma das consequências da exposição solar é o envelhecimento precoce da pele. O uso do protetor solar todos os dias é eficiente em prevenir esse envelhecimento. O uso constante de protetor solar é importante para uma pele bonita, saudável e sem rugas.

Protetores solares com FPS 15 ou superiores, quando usados diariamente, previnem o câncer de pele e envelhecimento precoce dentro das condições corretas de uso do produto.