Criança

Pratique esportes com seu filho

Saiba como incentivar seu pequeno de um jeito saudável

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Por Jéssika Morandi, filha de Érika e Alexandre

Não é novidade para ninguém que praticar esportes faz bem para a saúde. Em geral, os benefícios são os mesmos para todas as pessoas: diminuir a taxa de gordura no sangue, controlar a de açúcar, fortalecer a musculatura, entre outros. Mas, quando o assunto são as crianças, a atividade física traz benefícios a longo prazo, funcionando como uma ação preventiva contra as doenças da vida adulta e conferindo longevidade aos pequenos.
 
Além de ajudar seu filho a ser um adulto mais saudável, praticar esportes com ele também promove o bem-estar e convivência da família, traçando laços importantes entre pais e filhos. Mas é preciso ter cautela na hora de incentivar as crianças à prática esportiva e, muito importante, não sair matriculando-as em escolas de esportes por aí. A gente conta para você como estimular seu pequeno sem deixar de respeitar os limites dele. Confira aqui!
 
 
As diferentes faixas etárias
 
Andar, correr, saltar, enfim, se mexer, são atividades físicas que podem ser feitas desde que se é bebê, sem nenhuma restrição. Mas os esportes propriamente ditos, como futebol, tênis, judô e outros, são indicados para a prática infantil a partir dos 6 anos de idade, em média. Natação e ginástica são modalidades em que se pode começar mais cedo. Mesmo assim, essas atividades deverão ter um caráter essencialmente lúdico, desenvolvendo a sociabilidade da criança.
 
Até os 12 anos, a modalidade será treinada com adaptações, constituindo uma apresentação à prática esportiva. Nessa fase, o ideal é que a criança pratique e conheça vários tipos de esportes, sendo introduzidas às regras de todos eles e aprendendo a trabalhar em equipe. A prática de três vezes na semana é o suficiente nesse período.
 
A partir dos 12 anos – idade que compõe uma média, pois há diferenças de maturação, especialmente entre os sexos – já se pode escolher uma única modalidade esportiva e tornar os treinos quase diários. Ainda assim, a atividade será uma iniciação ao esporte e não deverá se focar no desempenho. Este será trabalhado a partir dos 14 anos de idade, em média, quando a prática pode ser feita conforme a exigência da modalidade. Mesmo nessa fase, alerta o Dr. Arnaldo José Hernandez,  “A prática esportiva tem que acompanhar o ritmo físico, intelectual e psicológico da criança”.
 
Comece por você
 
 É da natureza da criança acompanhar os pais e se espelhar neles. Por isso, dê você o exemplo. Se já pratica uma atividade física, leve seu pequeno junto, nem que seja para ele ficar brincando enquanto você se exercita. Se, por exemplo, o pai faz karatê, ele pode comprar um pequeno quimono para o filho e levá-lo junto à academia em alguns dias. “Não adianta o pai falar: você vai para a escolinha de esportes. Não. É VAMOS para a escolinha de esportes”, afirma o Dr. Arnaldo José Hernandez. A idéia é a criança ver que aquele momento da atividade física é importante. 
 
A prática esportiva deve se tornar um hábito de vida e ser incentivada desde criança, através do exemplo dos pais. Uma vez incorporada à rotina da casa, a criança facilmente levará a atividade física para sua vida adulta.
 
Não canse seu filho
 
Os pais devem tomar um cuidado especial para, na ânsia de aproveitar os benefícios da prática esportiva, não sobrecarregar os pequenos. As crianças possuem respostas metabólicas diferentes das dos adultos, entrando em fadiga mais rápido. É por isso que elas cansam mais facilmente, mas também voltam ao pique rapidinho. Um treino de uma hora seguida pode já ser demais para o seu filho, ao passo que o mesmo tempo permeado de pausas bem distribuídas pode funcionar muito bem. “A criança não tem estrutura fisiológica para agüentar duas horas de treino, ela precisa fazer intervalos, parar, respirar”, diz o Dr. Arnaldo José Hernandez. É importante, portanto, uma prática esportiva que leve em conta essas limitações infantis e respeite o ritmo do pequeno.
 
Respeite a personalidade do pequeno
 
Existem crianças mais dinâmicas do que outras, assim como ocorre com qualquer outra característica pessoal. Então, estimule o seu filho, mas, se ver que o interesse dele não é grande, não o force. Tente descobrir que tipo de atividade física o agrada e trabalhe isso com ele. Seja ela futebol, artes marciais ou simplesmente tênis de mesa, é possível brincar um pouco com ele depois de chegar do trabalho e mostrar que você se importa com esse momento. É uma forma de incorporá-lo à rotina e é o primeiro passo para o pequeno se interessar em levar a prática adiante.
 
A cobrança e a pressão para que seu filho tenha um bom desempenho esportivo – em determinada modalidade ou em nível geral – pode trazer prejuízos não só à saúde dele, mas também à relação familiar como um todo. O desinteresse geralmente é o passo seguinte à obrigação. Em breve, aqui no site da Pais & Filhos, saiba mais sobre o aspecto psicológico da prática esportiva infantil.
 
Consultoria: Arnaldo José Hernandez, pai de Conrado, Ruy e Débora, é Professor Associado da Faculdade de Medicina da USP, Chefe do Grupo de Medicina do Esporte e Cirurgia do Joelho do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas – FMUSP e Diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBME).

Pais&Filhos TV