Colunistas

BBB: Babá ou Berçário para o Bebê?

A decisão é difícil e depende da dinâmica de cada família. Conheça os prós e contras de cada lado, segundo a colunista Cecilia Russo Troiano

Bem antes do bebê nascer muitos casais já conversam longamente sobre qual decisão tomar, especialmente se ambos trabalham fora: vamos deixar o bebê com uma babá ou vamos colocá-lo numa creche/berçário? Há outras famílias que também consideram a possibilidade dos avós. Aliás, em pesquisa que conduzi em 2007, aproximadamente 25% das famílias optavam pelas avós como cuidadoras da criança.

Mas aqui, hoje, queria refletir apenas sobre as opções babá versus berçário. Algumas famílias, quando têm condições financeiras, mesmo com filhos em berçário não abrem mão da babá. Essa aparente “pequena” decisão entre tantas outras motivadas pela chegada do bebê é motivo de muita tensão na família, bem antes do bebê “dar as caras”. Longe de ser uma escolha simples, ela traz consigo não só uma questão objetiva, mas também todo um emaranhado de conteúdos emocionais.

Deixando a questão financeira de lado, a escolha dos pais, qualquer que seja ela, revela uma aposta do casal naquilo que lhes parece mais adequado, onde os ganhos parecem maiores que perdas e onde se sentem mais seguros. Aliás, os pais falam que a escolha é pautada pela alternativa que parece mais segura para os filhos. Talvez no fundo, em primeiro lugar os pais é que precisam ter esse sentimento de segurança, seja com uma babá, seja no berçário escolhido. Sem isso, não há um passo seguinte.

Anúncio

FECHAR

Essa escolha é ainda mais complicada porque não há regras claras e muito menos garantia de que a opção escolhida será a melhor. Aliás, já ouvi relatos de pais que para um filho tal esquema funcionou e para outro não. Ou seja, nem ter sido bem sucedido com um filho é garantia de que fará certo com o outro! Para algumas pessoas, uma babá funciona perfeitamente. Eles encontram a pessoa certa, a criança cria um vínculo excelente com ela e os pais sentem-se seguros. Ainda a criança pode ficar na própria casa, não sai tanto da rotina e garante uma alimentação alinhada com as exigências daquela família. Resultado: pais seguros e com cabeça tranquila para sair de casa. Mas como nunca as coisas são 100% flores, há sempre o risco de a babá adoecer ou se ausentar por qualquer motivo. E aí, o que fazer? Na verdade, como isso sempre acontece meio que sem aviso, os pais entram em desespero, alguns faltam ao trabalho para “cobrir” a falta da babá, outros apelam para avós, familiares ou vizinhos. Mas é fato que esse risco existe. Quem tem uma babá não tem “backup”, ou seja, não tem uma reserva à disposição, na maior parte dos casos. Já quem opta pelo berçário, certamente não terá esse problema. Se a cuidadora do berçário falta, há substitutas e os pais não têm esse tipo de susto. Pai e mãe podem seguir suas rotinas de trabalho sem sobressaltos. Também à medida que bebê cresce, no berçário há a possibilidade de ter amiguinhos e onde os próprios pais criam novas amizades com casais vivendo a mesma experiência. Mas aqui de novo há o outro lado. Um deles é o fato de famílias de crianças pequenas relatarem que seus filhos ficam mais susceptíveis a pequenas doencinhas, como gripes, resfriados e alergias. Ou seja, a convivência com outras crianças faz daquele ambiente um espaço mais propício para a disseminação de vírus e bactérias, por mais limpo que seja o berçário. Além disso, há o deslocamento do bebê, o trânsito, a criança precisa sair de casa…

Também aqui não adianta se basear no que deu certo com a vizinha. Cada caso é um caso, cada família é única e cada filho reage de um jeito. Se eu fosse dar algum conselho, apenas diria aos pais conversarem muito entre si, visitarem berçários, entrevistarem babás e, ao final, tomarem a decisão que seja possível naquela família e que pareça a mais adequada. E tem mais uma coisa: a decisão “BBB” – berçário ou babá para seu bebê – é reversível e se não der certo quase sempre é possível experimentar o outro lado. Isso certamente traz um pouco mais de tranquilidade para a decisão.

Para terminar, quero deixar aqui um agradecimento especial à Regina, que foi babá dos meus filhos. Ontem tivemos o prazer de receber sua visita em casa, revimos fotos, rimos e choramos revivendo momentos deliciosos dela com nossos filhos. No meu caso, a opção babá funcionou e devo muito à Regina pelo carinho com nossos filhos e por dar a segurança que meu marido e eu precisávamos para tocar nossas carreiras. 

Pais&Filhos TV