Colunistas

Você é uma boa mãe, acredite!

Você tem o poder se ser uma boa mãe

(Foto: Shutterstock)

(Foto: Shutterstock)

Eu sei que em muitos momentos a gente se sente a pior pessoa possível. E uma péssima mãe. Quando nossos rebentos disparam um “eu odeio você!” ou “você não sabe ser mãe!”, por mais que corte o coração, acredite, é da boca para fora. E você é uma boa mãe, sim. Acredite nisso também.

Eu tenho um mantra aqui em casa que eu repito sempre: eu sou a melhor mãe que vocês poderiam ter.

Repitam comigo!

Anúncio

FECHAR

Porque essa é a verdade. A gente faz o que pode, prioriza o que tem que ser priorizado, abre mão de um monte de coisas, tenta explicar e fazer as coisas bonitinhas. Mas até o limite tem limite! E, poxa, mãe não é bicho, mãe é ser humano, assim como o pai.

(quer dizer então que e só eles podem ser os bravos da casa? Tsc, tsc)

Nós temos os nossos chiliques, um palavrão que sai sem querer, um grito fora de hora e até um “para tudo, eu não aguento mais!!!”

Aqui na minha casa o meu mais velho me chama de “nota de 50”, porque eu sou uma onça! E sou mesmo. Brigo COM eles e POR eles. E os dois sabem disso. Eu dou o meu melhor sempre.

Com Gabriel, o mais velho, eu já converso, não tem essa de falar para as paredes. “Poxa filho, olha que porre a mamãe ter que falar 30 vezes pra você não deixar a chuteira no meio da sala. Precisa chegar nesse nível? Você precisa deixar a mamãe brava?”. O papo é reto. Cara a cara, olho no olho. Ele tem 8 anos e não preciso falar 30 vezes. Preciso?

Em geral vem um “desculpa”, uma cara de ops-me-dei-mal, seguido de uma criança se arrastando para recolher uma chuteira que parece pesar 50 quilos. O papo surte efeito. Até o dia seguinte. E lá está ela no meio da sala!

Efeito mesmo vem quando eu passo a caixa dos esquecidos pela casa e saio jogando tudo dentro. Esqueceu jogado pela casa? Uma semana na caixa. Vai jogar bola de tênis, chinelo, descalço, sei lá eu. A mamãe, por exemplo, está sem fazer a unha do pé porque o chinelo da manicure está na caixa até a semana que vem.

A caixa dos esquecidos (Foto: arquivo pessoal)

A caixa dos esquecidos (Foto: arquivo pessoal)

Sim, vale para todo mundo. Isso é ser uma boa mãe, não? Compartilhar até o castigo!!!

Brincadeiras à parte, compartilhar da dor e das dificuldades nos aproxima. Mostra que a gente também erra, mostra que não somos perfeitas. Mas que a gente faz de um tudo, tudo mesmo, para eles se tornarem boas pessoas, felizes e muito amadas.

Acredite no seu poder de ser uma boa mãe!

Leia também:

O que aprendemos ao nos separar dos filhos

Como os filhos crescem rápido!

Trazendo os meus filhos para perto de mim

Pais&Filhos TV