Colunas / Com a Palavra

A maternidade como aliada em uma nova carreira

Carreira e maternidade se conversam e podem coexistir - Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Publicado em 14/12/2022, às 07h46 por Com a Palavra


**Texto por Fabiana C.O, idealizadora do projeto Eu posso ser você, que tem como principal objetivo mostrar a importância do autoconhecimento e amor-próprio para mulheres de todas as idades. É estudante de filosofia e tem formação em Negócios da Moda pela Universidade Anhembi Morumbi. Autora do livro Sra. Capa e mãe de Olívia e Alice

Não imaginava que escrever seria mais do que uma profissão. Em 2019, eu descobri que escrever fazia parte de mim e escolhi viver a maternidade com mais intensidade. Confesso que a escolha pela maternidade foi por motivo de saúde da minha filha caçula, mas as vezes eu acredito que  o universo apenas me guiou para eu seguir construindo novos planos. Dei as mãos para a insegurança de uma nova profissão e para a maternidade.

Fabiana C. O. e filhas
Carreira e maternidade se conversam e podem coexistir (Foto: Arquivo Pessoal)

Segui cuidando e olhando para minhas meninas. Em vários momentos elas falavam: “Mamãe  vendia roupa antes, agora ela, ela… “.Mãe, o que você faz mesmo? Minha garganta ganhava um nó. Eu não conseguia responder. Alguns fantasmas me perseguiam e eu, que nunca imaginei “ficar em casa”, me vi mais presente, as vezes mais louca, e emocionada pela avalanche da maternidade assistida.

Recorri a escrita para desenhar uma nova profissão e explorar pautas que pouco discutimos.  Trouxe à tona a presença de uma capa. Escrevendo o livro, percebi o peso da minha. E puxa, como ela pesa mais com a maternidade. Depois que somos mães, por algum motivo, perdemos a opção de falhar. É como se automaticamente depois do parto, toda nossa fragilidade desaparecesse. É algo grande e assustador. No meu processo eu falhei e precisei encontrar espaço para as palavras que me perseguiam. Eu ainda estava de mão dada com a insegurança,  mas agora, o cansaço mental e físico me acompanhava. Tinha sobrevivido a uma pandemia.

Quando eu percebi que precisava continuar, pensei no exemplo que eu daria para elas. Eu escolhi finalizar o meu livro e decidi através da minha escrita, ajudar outras mulheres, outras mães e outras filhas. Durante as madrugadas e os rascunhos que eu fazia, eu me achei. Eu virei a mulher que estava escrevendo um livro. Minhas meninas entraram no processo e  perguntavam sempre: “Quantas páginas faltam? O seu livro é sobre o que? Qual a sua editora?”.

Alice, minha caçula sempre me falava: “Tchau mamãe, tenha um bom livro”. Já Olívia, minha filha mais velha, com seu dom para matemática um dia me perguntou: “Quantas páginas o seu  livro vai ter?”. “Ah! Umas 180”, eu respondi. Ela com toda sinceridade disse: “Vish! Você tem apenas 40, será que você vai conseguir terminar antes de morrer?”. Parece cômico, mas quando escutei aquilo, fiquei assustada. Tive medo dela estar certa e eu não conseguir… Essa pergunta tornou-se rotina. Todos os dias ela fazia as contas. A cada resposta, um sorriso de esperança brotava em seu rosto. O que no começo foi sentido como medo, se transformou em confiança. E eu, em menos de três meses, tive minhas 184 páginas digitadas.

Escrever fez minhas filhas me enxergarem de outro jeito. Elas presenciaram o redescobrimento de uma mulher que não teve receio de ousar e de seguir com o que acreditava. Finalizei meu livro com a sensação de sonho realizado. Tirei o peso da minha capa e mostrei para elas que sempre é possível acreditar, pausar, recomeçar e seguir. Quando os livros chegaram, pude ver o brilho nos olhos delas. Olívia e Alice pegaram em mãos o resultado de um trabalho, de noites mal dormidas e palavras inspiradas em dores e conversas que ainda não tivemos. A cada livro vendido elas comemoram. A cada matéria que eu posto elas falam que eu estou famosa. Eu com meu olhar adulto, acabo não levando tão a sério, mas percebo que o olhar delas é mais intenso, puro e mágico do que o meu. Minha caçula me falou que venderei 100.000 livros. Eu acredito em suas palavras.

Sigo de mãos dada com a minha maternidade, com a minha individualidade e crente que tenho feito um bom trabalho. Mostro o poder de persistir, de acreditar e fazer as  coisas com amor. Aos poucos, como mãe, tiro a minha capa para elas me enxergarem e agradeço o aprendizado nesta jornada. Eu virei uma escritora e minhas pequenas junto com meu livro são o meu legado!

Conheça a cabine do navio MSC Seashore!


Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Foto: Reprodução/ Instagram

Bebês

Fernanda Paes Leme recusa visitas após o nascimento da filha: "Não consigo e não quero"

Pai de Davi - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Pai de Davi não concorda com posição do filho e decide ir morar com Mani

Imagem Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Família

Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

De A a Z: confira os nomes femininos americanos para te inspirar - Getty Images

Bebês

Nomes americanos femininos: mais de 1000 opções diferentes para você se inspirar

Grávida, Virginia revela que não pode ter relações íntimas com o marido, Zé Felipe - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Grávida, Virginia revela que não pode ter relações íntimas com o marido, Zé Felipe

Viih Tube fala sobre segundo e terceiro filhos - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Viih Tube revela gravidez de segundo e adoção de terceiro filhos com Eliezer