Colunistas

Por que ler para o seu filho?

Por amor aos filhos, devemos ler sempre...

untitled-design-61

(Foto: Shutterstock)

Por que insistir em livros para as crianças pequenas, de 0 a 4 anos, se elas não leem? Embora os especialistas possam citar várias pesquisas que fundamentam a importância do estímulo à leitura desde a infância, vou começar com uma justificativa super irracional: pais e filhos devem ler por amor. Por amor aos livros? Também, mas não principalmente.

Quando os meus filhos eram pequenos, ao chegar em casa do trabalho, minha preocupação era se tinham tomado banho, a bagunça da casa e o que tinha para o jantar. Maiorzinhos um pouco, entrei na neura da lição de casa e dos dentes escovados. Ufa! Tudo muito chato. Meu marido, que sempre foi mais relaxado, tinha outra vibe com as crianças: um docinho escondido no bolso da camisa, um belisque antes do jantar. Tinha brinquedo espalhado pela sala? Ele era o primeiro a jogar a bola pra cima… Ah, que bom ter alguém por perto para nos mostrar que existem outras possibilidades…

Os momentos em que estamos com nossos filhos são preciosos demais e devem ser desfrutados da melhor forma possível. A leitura logo surgiu para nós como uma alternativa para nós todos, juntos, construirmos uma relação de prazer e carinho neste período do dia tão precioso para a família. Amizade, companheirismo e cumplicidade são ótimos motivos para ler. Não tenho dúvida: a leitura é uma situação que promove amor. Tem outras, é claro…

Anúncio

FECHAR

1. Tomar banho junto, embora existam especialistas que critiquem, é uma das melhoras coisas do mundo pra gente fazer com o filho pequeno!

2. Tomar banho em uma banheira cheia de espuma, de preferência…

3. Se não der para tomar banho junto, brincar muito durante o banho, mesmo que o resultado seja muitos panos de chão para enxugar tudo!

4. Escutar música e cantar com ou para o filhote – meus filhos, mesmo bebês, me achavam muito desafinada, mas por sorte eles não lembram deste tempo – eu sim!

5. Fazê-lo rir, muito. Beijo no pé, coceguinhas de leve, jogos de esconder, caretas divertidas, movimentos repetitivos. Vale tudo!

6. Dar de comer de forma agradável, com muita conversa e cantoria. Brinquedos também são bem vindos! Pode ser o mamar no peito da mamãe, a mamadeira do papai, a papinha…

7. Ninar no colo até as costas doerem! Eles crescem e um dia não vão querer mais colo…

8. Passear muito. Na praça, no shopping, no restaurante, na praia. E conversar durante os passeios. Mostrar o mundo!

9. Fazer o filho dormir  na sua cama. Desfrutar do seu cheiro e do quentinho que sai do seu corpo. Isso terá como consequência anos de noites mal dormidas e até em insônia. Não tem problema. Deixa pra resolver depois. Eles crescem e isso a gente nunca mais vai poder fazer na vida!

10. Beijar, beijar muito, sem parar.

E ler, é claro. A leitura é a única de todas essas ações que, mesmo com o passar do tempo, prossegue como um elemento de integração e interação da família. Outros novos vão surgir, basta estarmos atentos. Fernando, meu caçula agora com 13 anos, acaba de fazer a leitura crítica deste post e amou! Ele adora ler os meus textos e seus elogios são aqueles que mais me agradam (suas críticas são duras, mas sempre consistentes).  Ele também me ensinou a linkar o post com as tags. Não aprendi bem, mas agora já sei a quem pedir ajuda. Tudo isso também é leitura, em família!

Leia também:

Novo aplicativo junta o mundo online e offline para o aprendizado do seu filho

Seu filho precisa saber a diferença entre lanchinho e guloseima

A leitura como herança

Pais&Filhos TV