Engravidar

Dúvidas solucionadas sobre a doação de óvulos

Entenda este procedimento que ajuda mulheres a realizarem o sonho de serem mães

A REDAÇÃO PAIS&FILHOS

doação de óvulos

Uma alternativa importante para algumas mulheres que desejam ser mães mas não podem é a doação de óvulos. Ela acontece quando uma mulher cede seu óvulo para que seja fecundado e transplantado para o útero de outra mulher. A doação é anônima e sigilosa. Kelly Almeida, mãe de Guilherme e Vinícius, passou 8 anos tentando engravidar nos métodos tradicionais, mas suas achances eram mínimas pois sofria de endometriose e suas trompas eram obstruídas. Ela conseguiu engravidar com a fertilização in vitro e doou metade dos seus óvulos para ajudar outras pessoas a para ajudar outras pessoas.

Em nosso país, a lei estipula que a  mãe da criança gerada a partir da doação de óvulos será a mulher que deu a luz a ela, e não a que forneceu o óvulo. Caso a mulher que teve o filho seja uma barriga solidária, ele terá como mãe a beneficiada pelo procedimento. Para esclarecer dúvidas sobre o procedimento, contamos com ajuda do ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana Rodrigo da Rosa Filho  Veja abaixo:

Anúncio

FECHAR

Quem pode ser doadora

As candidatas geralmente são voluntárias que realizam o procedimento para ajudar outra pessoa. Pela resolução do Conselho Federal de Medicina, a doadora de óvulos deve ter no máximo 35 anos e não possuir doenças genéticas ou infectocontagiosas. Isso é feito para tentar garantir que os óvulos sejam mais novos e apresentem menos chances de ter algum problema genético.Essa pessoa doa seus óvulos para uma receptora que possua características físicas semelhantes as dela, como cor de pele, cabelos, olhos, altura, biotipo e tipo sanguíneo.

Para quem o tratamento é indicado

Quem precisa receber óvulos  geralmente são mulheres que desejam engravidar porém têm mais de 40 anos ou já entraram na menopausa e não produzem mais óvulos. O procedimento também é indicado para mulheres que já tiveram falhas de tratamento ou abortos, falência ovariana prematura, ou tenham alterações genéticas vinculadas ao óvulo.

Preparação

Tanto a receptora quanto a doadora são preparadas para o procedimento. A mulher que vai fazer a doação toma medicamentos no início do ciclo menstrual para induzir o crescimento dos óvulos. A que vai receber a doação toma hormônios para preparar o endométrio. Depois de 10 dias, um transdutor transvaginal é introduzido na região ovariana e aspira o conteúdo dos folículos (onde ficam os óvulos) da doadora. O procedimento é realizado com uma sedação leve.

Como é realizada a fertilização

O procedimento é realizado por fertilização in vitro, uma técnica de reprodução assistida de alta complexidade, feita no laboratório com preparo do sêmen  e dos óvulos.O tratamento é iniciado normalmente em torno do 2º ou 3º dia do ciclo menstrual. Para aumentar as taxas de sucesso, há a necessidade de estimular os ovários a selecionarem mais óvulos capazes de serem fecundados. Para isso, são aplicados hormônios que estimulam os ovários em doses maiores que o normal. A aplicação da medicação é diária.

A partir do 6º ou 7º dia de tratamento, são feitas ultrassonografias em dias alternados para avaliação da resposta ovariana ao estímulo. Por volta do 12º dia do ciclo os folículos já têm óvulos prontos para se tornarem maduros. A coleta do sêmen é realizada logo após a coleta dos óvulos. E o sêmen é preparado no laboratório e os espermatozoides colocados em contato com os óvulos ou injetados dentro dos óvulos.

No dia seguinte, são verificados os óvulos fecundados e a transferência é realizada de 3 a 5 dias após a fertilização, sendo selecionados de 1 a no máximo 4 embriões, dependendo da idade da paciente e da qualidade dos embriões. A partir daí, a mulher começa a tomar os medicamentos que ajudarão na implantação do embrião e manutenção da gestação. Eles são mantidos até o diagnóstico da gestação e suspensos caso o resultado seja negativo.

Resultados

Doze dias após a transferência embrionária são realizados exames de sangue para o diagnóstico da gestação. Se o resultado for positivo, o tratamento continua e será indicado exame de ultrassonografia para diagnóstico do número de embriões implantados, sua vitalidade e localização. Nem sempre os resultados são positivos. Neste caso, os medicamentos serão suspensos e a menstruação ocorrerá.  O encaminhamento para o pré-natal será feito assim que o batimento cardíaco do embrião seja identificado.​

Consultoria: Dr. Rodrigo da Rosa Filho, filho de Rodrigo e Diva, ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana.