Notícias

Ser adulto em casa

A dificuldade de impor limites existe, mas a gente tem que assumir a responsabilidade de ser pai e mãe – e não amigo

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

“Não”, uma palavra que pode causar trauma na criança, né? Ops, a resposta é… não! “Uma conversa, uma bronca, um não – não vai causar trauma na criança. Para se criar um trauma é preciso violência. Muita gente acha que impor limites é traumatizar seu filho, mas isso é apenas uma forma de deixá-lo mal-educado”, afirma Betty Monteiro. Ela defende que “alguém tem que ser adulto em casa” e que muito da falta de limite vem do medo dos pais carentes, que querem se colocar como amigos dos filhos, e não assumir o papel de pai e mãe.

Alessandra Marques, mãe de Maria Flor, uma das mães contou um pouco sobre sua dificuldade em ser mãe e impor limites, mas disse que vem trabalhando para não sentir culpa. “Dia desses, a Maria Flor fez um show no supermercado. Chorava e se jogou no chão. Na hora eu pensei que aquilo não poderia funcionar comigo. Saí andando. Ela se assustou, levantou e logo me pediu desculpas e estava sorrindo”, contou. “Engraçado que a caixa do mercado veio me falar que eu abandonei minha filha. Eu disse que iria fazer aquilo quantas vezes ela fizesse birra desse jeito”.

Já Eloísa, mãe de Betina e Lorena, é dentista e sofre com os comentários alheios sobre a proibição às suas filhas de comerem chicletes e balas. “Sofri um pouco, mas não me culpo. Hoje, minha filha mais velha é quem recusa, ela fala que não gosta”, disse.

Anúncio

FECHAR

Colocar limites é realmente difícil. Mas, acredite, nossos filhos querem que a gente dê esse limite. “Eles enchem a boca para falar ‘minha mãe não deixa’”, lembrou Betty. Apesar de dar um frio na barriga, ser mãe e impor hierarquia e regras é nosso cargo. É educar. Sabe aquele manual? Joga ele fora. Ou o leia e pense se aquilo faz bem com você. Se você concorda. E nem pense em ser a mãe perfeita, por que você será a mãe que você poderá ser. “Vivemos num mundo cheio de regras, onde as pessoas seguem o tal do TEM QUE. Não tem que nada! Nada! As pessoas têm de questionar, ver o que incomoda. Mas nunca, nunca se esquecer de que existe uma hierarquia, e que ela é muito importante”, afirma Betty.

 

No final do Brunch, distribuímos kits para as mães contendo o livro da nossa colunista Nanna Preto “101 coisas que você precisa fazer com seus filhos antes que eles cresçam” (Editora Hunter Books, 2013), que será lançado em dezembro e está à venda pela internet em sites de livrarias.