Notícias

Michelle Obama admite: ‘Vivo como mãe solteira’

A primeira-dama dos EUA sabe que não é possível, mas gostaria de dividir mais responsabilidades com Obama

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Recentemente Michelle Obama deu uma declaração à Parade Magazine com a qual muitas mães, e, por que não, pais se identificaram. Ao comentar sua rotina doméstica ela se descreveu como ”mãe solteira”. É claro que todos sabemos que não é a realidade literal, mas Michelle estava reconhecendo o fato de que é ela sozinha que lida com toda a logística de cuidar de suas filhas e da casa.

Vamos encarar os fatos. Não é o que acontece na maioria dos casos? Em boa parte dos casamentos é sempre um dos pais que assume a liderança no sentido de educar as crianças, quer goste ou não. Quer tenha escolhido isso ou não. E também não é difcíl imaginar que, embora amemos nosso filhos loucamente, nem sempre estamos felizes com essa situação.

Anúncio

FECHAR

No caso das filhas dos Obama, Malia e Sasha, é muito claro o porquê  do pai não poder estar presente na maior parte das atividades que envolvem as meninas. É louvável o fato de Michelle não só assumir isso, mas admitir que não é fácil.

“Tenho um marido que está sempre viajando a trabalho e tem enormes responsabilidades, mas admito que ele sabe qual é a rotina diária das filhas e quem são seus amigos. Mas ele não pode estar ligando para escola para resolver uma questão, ou discutindo o conteúdo programático do próximo ano escolar”, pondera ela. “Mas eu penso que é importante os pais assumirem juntos todas as responsabilidades”, completa a primeira-dama dos Estados Unidos.

É fácil esquecer que, embora esta seja, sem dúvida, a família mais famosa do planeta, eles são apenas isso: uma família. Suas duas filhas precisam fazer lição de casa e saber o quanto, e quando, podem assistir TV. E como os pais, eles precisam dividir a responsabilidade e, possivelmente, irritar um ao outro discutindo que a divisão não está sendo meio a meio.

E olha que Michelle não deve ter tempo livre. Sua  campanha  “Vamos nos mover” contra a obesidade infantil  ocupa boa parte de sua agenda atualmente. Rumo aos 50 anos, ela leva isso a sério, faz tudo de coração, e acredita em se exercitar pela sua própria saúde. “Eu estou constantemente pensando em minha própria saúde, se me alimento direito. Quero chegar bem aos 80, 90”, planeja.