Notícias

É fato: nem sempre é possível amamentar

Carolina Schmidt, mãe de Clarice, descobriu da forma mais difícil que para dar de mama não poderia usar apenas o peito

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Carolina Schmidt mãe de Clarice  participa da campanha Culpa,Não! O tema do mês de Junho é  “Não dou leite comum, dou fórmula”  se você também quiser participar siga a nossa página no Facebook e mande um depoimento sobre o tema do mês para giovanna@revistapaisefilhos.com.br .  

Quando engravidei, o que eu mais queria era amamentar, amigas minhas que tinham filhos diziam q não tinham amamentado e para mim aquilo era frescura, eu iria amamentar minha filha até ela dizer que não queria mais mamar. Mas ser mãe é cuspir para cima para cair na testa.
Minha filha nasceu, meu peito rachou, sangrou, eu sofria, eu chorava  e para ajudar resolvi comprar o bico de silicone. Para mim aquilo foi a minha salvação e para minha filha foi o inicio do nosso inferno.
Minha filha simplesmente só chorava, mamava com o bico de silicone e chorava. Começou a perder peso, todo mundo dizia “dá mamadeira para ela” e eu me recusava, aquilo era cólica, com certeza.

 Ela começou a perder peso com 1 semana de vida, não aguentei e liguei chorando para a pediatra, disse q não sabia o que estava acontecendo, ela mamava direto mas só chorava. A pediatra pediu para eu ir ao banco de leite para a enfermeira me ajudar a ordenhar e dar o peito complementando com meu próprio leite.

Anúncio

FECHAR

A nossa surpresa foi que, por causa do uso do bico de silicone, minha filha não conseguia sugar o leite, ela só chupetava. Ela literalmente não mamou nada por 1 semana, perdeu muito peso, mais do que o normal, meu peito estava todo entupido, era impossível ordenhar, e com a cara de reprovação da enfermeira aceitei dar a temível formula para minha filha. Para mim foi a pior coisa que poderia acontecer, eu que lia e relia sobre amamentação e o prejuízo das fórmulas, estava lá, dando para minha filha.

Quem via minha filha perguntava se ela era prematura, ela que nasceu linda e gordinha, com 41 semanas, estava magrela, eu tenho pavor das fotos dela dessa época, minha filha só recuperou o peso que nasceu próximo de completar 2 meses, nossas consultas a pediatra eram toda semana, até ela recuperar seu peso e passar a ser mensal.

O tempo passou, e minha filha não quis pegar mais o peito, nem sem o bico de silicone, eu tentei, durante 3 meses, eu dava a fórmula e o peito, o peito e a fórmula, mas ela recusava, e a culpa não era da mamadeira como todo mundo dizia (porque eu sofri horrores com o preconceito contra a formula), pois eu dava no copinho, foram poucas as vezes que ela pegou o peito, esses momentos para mim eram de tamanha alegria, tanto que todas as vezes eu bati foto.

Após uma cirurgia, eu tive que ficar internada e não pude mais tentar amamentá-la. Desisti, fiquei apenas na fórmula e resolvi usar a mamadeira mesmo. Depois disso nossa vida foi só alegria, o momento do leitinho não era mais estressante, ela mamava sua mamadeira e dormia lindamente, sem eu tentar obrigá-la a pegar o peito.

 A minha ficha só realmente caiu aí, quando percebi que nem sempre é possível amamentar, e a fórmula esta aí para ajudar quem precisa, e sim, acontece MESMO de não conseguir ou não poder amamentar, e agora eu sei disso.

Nossa momento da mamadeira era tão especial quanto uma mamada no peito, éramos só nos duas, ela no meu colo, tudo em silencio e eu cantando para ela, no começo eu sentia culpa por dar a mamadeira, tinha ate vergonha de dar em publico, depois a culpa passou, e descobri que amamentar é um ato de amor, um ato de amor é alimentar seu filho, da melhor forma para ele e para você!
Hoje minha filha tem 2 anos e 3 meses, não toma mais mamadeira, tem o biótipo magra pelo que passou nos primeiros dias de vida, mas come MUITO, mais do que eu sem duvidar rsrsrs