Notícias

Defina seu filho: inteligente, calmo, feliz?

Estudo mostra palavras usadas pelos pais para descreverem os filhos em vários países

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Estudo realizado por Sara Harkness e Charles M. Super da escola de Estudos sobre Família da Universidade de Connecticut, com pais em diversos países do mundo revelou como eles veem os próprios filhos.

Os entrevistados deviam dizer que palavra associam às crianças. A reportagem foi publicada na revista americana The Atlantic e traz dados curiosos. A maioria dos pais tem uma visão positiva, definindo os filhos como tranquilos e felizes. Os pais norte-americanos saíram da curva, e destacaram mais aspectos ligados ao conhecimento e desenvolvimento. A criança americana faz perguntas, é inteligente e avançada cognitivamente na visão dos pais.

Anúncio

FECHAR

“A maior diferença entre os pais americanos e europeus é que eles são muitos mais tranquilos do que nós a respeito de estimular o aprendizado”, afirma a publicação. 

“Não apenas os americanos tendem muito mais a focar na inteligência e habilidades cognitivas da criança, como tendem muito menos a descrever os filhos como ‘felizes’ e ‘tranquilos’”, diz a revista.

Os pais americanos enfatizaram que reservam um período de tempo exclusivo para cada filho, enquanto os pais holandeses passam algumas horas por dia com seus filhos e a família toda.

Confira os resultados:

Espanha

1º Tranquila

2º Feliz / Inteligente

3º Alerta

4º Difícil/Socialmente madura/Bom caráter

 

Holanda

1º Feliz / Concentrada/Precisa de muita atenção

2º Calma / Aproveita a vida/ Faz perguntas

3ª Agradável/Normal

 

Itália

1º Tranquila / Equilibrada

2º Faz perguntas

3º  Determinada/Agradável

 

Austrália

1º Feliz

2º Inteligente

3º Faz perguntas/ Calma / Sensível

4º Tranquila

[!page] 

Suécia

1º Feliz

2º Tranquila

3º Equilibrada

4º Calma

5º Segura

6º Persistente

 

Estados Unidos

1º Faz perguntas

2º Inteligente

3º Avançado cognitivamente/ Independente/Rebelde/Adaptável

 

Veja a reportagem completa na The Atlantic

Que palavra você usaria para definir seu filho?

Queremos saber sua opinião!