Notícias

A criança aprende com os exemplos, até os maus

Erros dos pais também ensinam os filhos, diz a psicóloga Betty Monteiro. Converse com ela!

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Você está acordada até mais tarde vendo seu seriado favorito na TV. É hora de seu filho dormir, mas ele também quer ver o programa. E, claro, vai querer saber por que a mãe pode e ele não. E você, com culpa, deixa. No dia seguinte, na hora de ir pra escola, seu filho não quer levantar, chora, faz manha. E aí você se arrepende e fica com culpa de novo, por não ter sido mais firme no dia anterior! Um clássico.

Para participar do Culpa, Não, mande seu depoimento sobre o tema na nossa página no Facebook

Anúncio

FECHAR

Assista ao último bruch do Culpa, Não: Não é Preguiça, É Cansaço

Repita com a gente: existem coisas que você pode fazer e o seu filho, não. Várias. De beber uma cerveja a assistir um filme para maiores de 18, por exemplo. E não é por que ele fez bico que você vai deixar, certo? “Não faça como eu faço!” é o tema do próximo encontro da campanha “Culpa, Não!” aqui na redação da Pais & Filhos no dia 6 de setembro.

A tendência é que as crianças imitem os pais, pois têm a necessidade de criar modelos. Mas, claro, você não quer que isso aconteça em todos os aspectos. Principalmente quando é mais nova, a criança tende a copiar tudo o que vê. Por isso, explique. E, se ela insistir, explique o porquê de não poder fazer certas coisas, como ingerir bebidas alcoólicas. “A criança precisa entender que certas coisas só se pode fazer – moderadamente – quando é adulto”, orienta a psicóloga Betty Monteiro, mãe de Gabriela, Samuel, Tarsila e Francisco, colunista da Pais & Filhos.

Conforme vai crescendo, seu filho cria seus próprios modelos, já não tão colados em você. Nessa fase, a criança começa a entender o sentido das coisas, como valores morais e regras: o que pode ou não fazer. E começa a reproduzir as coisas que aprendeu. Prepare-se, que ela pode dar uma bronca em você! Se o seu filho te apanhar jogando um papel de bala no chão e disser “não jogue lixo na rua”, peça desculpas. A situação deve ser esclarecida sempre e o que você não pode de jeito nenhum é passar uma mensagem dupla. Se você fuma, explique para o seu filho que é não é correto, que vicia, por isso você não consegue parar. E não o faça na frente deles. Pense que é bom que ele saiba que fumar é errado e que isso traz problemas.

Fique atento!

Claro que você deve tentar se policiar. A medida, como sempre, é o bom senso. Procure evitar certas atitudes em casa, como falar palavrões e gritar. Aliás, em raras ocasiões essas coisas pegam bem, então, limite-se a essas raras ocasiões. “Trate o seu filho com respeito e tome muito cuidado com o que fala. Se você diz ‘eu não te aguento mais’, pode ser que ele se sinta no direito de usar a mesma frase mais tarde”, diz Betty. E, se disse mesmo isso, desculpe-se.

Entenda que você não é perfeito

Seu filho não vai repetir tudo de errado que você faz. Não custa repetir: você não é perfeito e, se não saiu conforme o planejado, respire fundo. “A mãe tende a achar que é sempre culpada se algo não está certo na família. É necessário ter bom senso e saber se perdoar: tente ser menos perfeccionista e não se criticar”, aconselha a psicóloga Betty Monteiro.

Além disso, as crianças começam a perceber a culpa que você sente e podem fazer chantagem. Reconheça os seus erros e fraquezas, mas fique atento para quando o seu filho está realmente carente ou se está repetindo o comportamento para chamar a atenção. Pare e pense: “Eu realmente não estou dando atenção ou ele pede muitas coisas o tempo todo?”.

Compreenda que você não pode participar de tudo na vida do seu filho nem resolver todas as questões. “Procure se conhecer e questione: ‘Por que eu preciso tanto ser perfeita?’. Seu filho precisa aprender que pode errar e aprender com os próprios erros”, afirma Betty Monteiro. Por isso, não se sinta frustrado! Deixe que ele cresça e mostre que você está ali para aconselhar: seja dando bons exemplos ou mostrando os maus – mesmo que ele seja seu.

Consultoria

Elizabeth Monteiro, mãe de Gabriela, Samuel, Tarsila e Francisco, é psicóloga e escritora, autora do livro Criando adolescentes em tempos difíceis e A culpa é da mãe

www.elizabethmonteiro.com.br