Mais

Tudo sobre chocolate

A Páscoa está chegando e a gente aaaama falar de coisas gostosas. Então olha só essas curiosidades sobre o doce

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

A palavra, de origem grega, significa “alimento dos deuses”. O sabor é capaz de curar tristezas, angústias e trazer a sensação de bem-estar.  Afinal, a vida fica melhor quando está mais doce. O chocolate foi descoberto aqui perto de nós, no coração da América do Sul. Primeiro os maias, depois os astecas, e então vieram os europeus. O mundo todo se rendeu ao sabor inconfundível desse verdadeiro néctar do amor. O doce feito do cacau libera duas substâncias, a serotonina e a endorfina, que nos deixam mais calmos e mais bem-humorados. Essa mistura inebriante nos dá a sensação de estarmos apaixonados.

“Minha mãe sempre dizia que a vida é como uma caixa de chocolates, você nunca sabe o que vai encontrar.” Assim como a mãe de Forrest Gump, nós aqui da Pais&Filhos acreditamos que a vida pode ser uma sequência de deliciosas surpresas.

Anúncio

FECHAR

Com açúcar, com afeto

Para a psicóloga e membro da Sociedade Brasileira de Psicologia Elaine Pedreira Rabinovich, avó de Samuel e Bella, cada pessoa desenvolve uma relação com o chocolate, que pode ser desde uma lembrança até a negação diante de uma dificuldade.

E na gravidez, pode?

A endocrinologista do laboratório Delboni Auriemo Medicina Diagnóstica Myrna Campagnoli, mãe de Victor e Maria Tereza, explica que a mãe pode comer chocolates, inclusive o chocolate meio amargo possui componentes que podem diminuir a pressão arterial e proteger a mulher contra pré-eclâmpsia, ou seja, o quadro de pressão alta na hora do parto.

Prazer só seu

Quando uma pessoa come chocolate, produz serotonina, o hormônio do prazer. No entanto, essa molécula é muito grande para passar pela placenta, por isso o bebê não sentirá esse efeito. A serotonina também é responsável por deixar a futura mamãe mais calma, o que traz benefícios para a criança.

Na medida certa

Para os bebês de até 2 anos de idade, o chocolate ainda não pode fazer parte do cardápio. Até os 5 anos, 20g de chocolate é o mais recomendado. Dos 5 aos 10 anos, a porção não deve passar dos 30g. Depois dos 10, a quantidade pode aumentar para 40g por dia, porção indicada também para adultos.

De acordo com o IBOPE, o Brasil é o 3º maior consumidor e produtor de chocolate no mundo!

A alma do negócio

Na década de 70 o chocolate era visto no Brasil apenas como item de ostentação. As famílias ainda associavam o alimento a problemas de saúde. Por isso, os fabricantes de chocolate enxergaram na publicidade uma forma de quebrar esse tabu. No Brasil, foram criados slogans conhecidos até hoje:

• Chocolate anima a vida

• Coma chocolate. Energia que dá água na boca

• Chocolate, energia para todo dia

• Chocolate é energia que não pesa no seu bolso

75% da população consome chocolate

“Força de vontade é a capacidade única que desenvolvemos de partir uma barra de chocolate em quatro pedaços com as próprias mãos – e então comer apenas um dos pedaços.” Judith viorst, escritora

Atenção para o rótulo

Para um alimento ser chamado de chocolate, precisa ter 25% de cacau. E a maioria dos chocolates que compramos apresenta cerca de 8% do componente. A diretora da Escola de Chocolataria, Silvana Casteli, explica a diferença entre os tipos de chocolates:

• Chocolate ao Leite:produzido a partir da mistura de leite ou leite em pó do cacau. É o mais comum no mercado e tem pouca quantidade do fruto.
• Chocolate Branco: é feito da mistura da manteiga do cacau com leite e açúcar. É considerado o tipo mais calórico de chocolate e o menos recomendado pelos nutricionistas.
• Chocolate amargo: feito a partir da torra dos grãos de cacau sem adição de leite, apenas açúcar e manteiga. É considerado o mais nutritivo e saudável.
• Chocolate orgânico:a diferença está na forma de cultivo, sem o uso de agrotóxicos, fertilizantes ou pesticidas. Sua produção é totalmente sustentável.

Marco histórico

Até o início do século XX o chocolate era consumido como uma bebida quente, seguindo as tradições inglesas. Depois que os Estados Unidos se tornou a nova potência mundial, o doce se transforma no  símbolo do capitalismo e os EUA passam a vender chocolate em barras.

Símbolo da paz

Por seu alto potencial energético, os soldados que lutavam na Segunda Guerra Mundial costumavam comer bastante chocolate. Muitos recrutas usavam o chocolate como símbolo de paz, oferecendo para as populações locais.

O chocolate vai acabar?

Um estudo realizado em Gana diz que o chocolate corre risco de extinção. O motivo seria as condições do solo africano, responsável por 72% da produção do cacau mundial. O mau uso do solo é o responsável por esse cenário. O estudo aponta ainda que isso pode fazer com que em 20 anos o chocolate seja tão caro quanto o caviar.

35% da população não troca o chocolate por nada

Chocolate do bem

A empresa Amma Chocolates reconhece o valor da biodiversidade brasileira, por isso é a única companhia que tem todo o processo de produção – da plantação à barra – concentrado em suas mãos. O chocolate, feito de cacau orgânico, é cultivado em solo baiano, o mais fértil do país.

Nem tudo é doce

Existem alguns tipos de chocolates salgados, feitos com flor de sal, que possuem 70% de cacau e podem ser recheados também com sal marinho. Uma das primeiras empresas a fabricar o chocolate salgado foi a inglesa Demarquette Fine Chocolat, que recomenda que ele seja consumido com uísque. Também pode ser combinado com doces.

O consumo por pessoa é de 2,8 quilos por ano

Cioccolato divino

Uma Associação de Chocolateiros italianos presenteou o Papa Francisco com uma estátua de chocolate em tamanho real. Para a produção de um mês, foi utilizada 1,5 tonelada de chocolate.

O sabor preferido da maioria dos brasileiros é ao leite, com 58% de preferência

Entrevista com Renata Arassiro

A confeiteira participou da Coupe du Monde de la Pâtisserie, ou Copa do Mundo da Confeitaria, que reúne equipes representando os melhores doceiros do mundo. Foi criado pelo chef francês Gabriel Paillasson em 1989. Os chefs se reúnem na cidade francesa de Lyon para avaliar quem é o melhor confeiteiro.

Como foi o processo de seleção para participar do evento?

RA: No ano em que participei, houve uma pré-seleção com chefs aqui no Brasil e no México. Depois fomos ao evento em Lyon.

O que você fez nas suas participações?

RA: Tive que fazer em 10 horas um prato de sobremesa decorado, criar 3 tortas de chocolate, 3 tortas geladas de frutas e construir 3 esculturas de gelo, chocolate e fios de açúcar.

Como você avalia a participação do Brasil nesse mundial?

RA: Estamos entre os 15 melhores doceiros mundiais! É uma grande conquista.

“Se eu gosto de poesia? Gosto de gente, bichos, lugares, chocolate, amizade, amor. Acho que a poesia está continda nisso tudo” Carlos Drummond de Andrade, escritor e poeta