Mais

No mundo do faz de conta

Brincar com fantasias pode ajudar na comunicação entre pais e filhos

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

 No segundo episódio da série Mãe Coruja, da Pais & Filhos TV, mostramos como Joanna, de 3 anos, gosta de se vestir. Além de roupas confortáveis como legging e camiseta, a menina não deixa de lado suas fantasias. Como se fosse roupa do dia a dia mesmo. E a mãe deixa ela explorar esse universo lúdico e brincar de faz de conta. E faz ela muito bem! Quando a criança, especialmente nesta fase de 3 a 5 anos, usa uma fantasia, ela está ainda aprendendo a entender a diferença entre a realidade e o mundo da imaginação.

A psicóloga especializada em terapia familiar do Instituto Nascer, Alessia Leone, mãe de Luca e Anna, explica que já a partir dos 5 anos a criança já ultrapassou essa fase. Aí, se seguir usando fantasia com frequencia, pode ser que seja uma forma que encontrou de expressar um sentimento. Outra hipótese para uma criança maior que vive querendo colocar as roupas de seu personagem preferido é que ela esteja usando a fantasia como se fosse uma armadura para ajudá-la a enfrentar uma dificuldade, tipo a separação dos pais ou a timidez. Vale assim observar o comportamento como um todo para perceber se há algo a mais atrás deste hábito. Na dúvida, converse a respeito com um psicológo ou mesmo com a orientadora da escola da criança.

Nossos heróis

Anúncio

FECHAR

Em geral, ao escolher uma fantasia a criança demonstra sua identificação com o personagem. Simples assim! A psicóloga Alessia explica que há um padrão em que meninos e meninas buscam por personagens ou figuras que demonstram força e poder, seja através da forma de herói ou de uma princesa, ou até se vestindo como seus pais ou com as roupas dele. Sentem-se mais fortes ao se imaginar que podem ser como seus heróis.

Como brincadeira ou como parte da elaboração do seu mundo interior, o certo é que as fantasias são mais de que uma diversão: são uma forma de expressão. Tudo a ver com o mundo infantil.  

Consultoria: Alessia Leone, mãe de Luca e Anna, é psicóloga especializada em terapia de familiar e de casal do Instituto Nascer.