Mais

Cuidados com os seios na gravidez

Você provavelmente já tinha sentido os seios diferentes quando soube da gravidez

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Os seios são a primeira coisa que a grávida sente mudar em seu corpo, logo nas primeiras semanas de gestação. E eles não mudam de uma vez só, não! As alterações ocorrerão durante toda a gravidez para preparar a mãe para o nascimento do bebê – e de sua fome! Nesse começo, muitas mulheres confundem a sensação de rigidez apresentada pelos seios com aquela que é sentida às vésperas da menstruação. A diferença é que, para as grávidas, esse inchaço será mais intenso e permanecerá por, no mínimo, nove meses. Isso ocorre porque aumenta a circulação sanguínea na área. Outra mudança que dá para perceber facilmente é o escurecimento da aréola ao redor dos mamilos.

As mamas podem dobrar de tamanho durante a gestação. É comum que, passada a amamentação, elas fiquem menores e mais flácidas do que eram antes da mulher engravidar. “Isso acontece porque as células que preenchiam ao máximo a área dos seios regridem e é como se a região murchasse mesmo”, explica Silvio Bromberg, pai de Nicole e Dafne, mastologista do Hospital Albert Einstein. O sutiã é um grande aliado das mães na hora de sustentar as mamas e a indicação é usá-lo também durante as noites. Esse hábito pode evitar problemas de postura causados pelo peso dos seios e ainda ajudar a ter menos estrias, além de ser mais confortável para a mãe.
 
Na hora do parto, o inchaço das mamas está no auge, com uma superprodução de leite para receber o bebê. O colostro, conhecido como “primeiro leite”, só irá sair mesmo quando os mamilos forem estimulados pela primeira sugada do pequeno. Esse momento costuma ser acompanhado por um pouco de dor nos seios e contrações no útero, além de, algumas vezes, febre. Três dias depois, em média, vem a recompensa e o bebê poderá se fartar no peito da mãe. É possível também que o colostro apareça já durante os meses finais da gestação. Isso pode acontecer com mulheres que fumam, fazem uso de certos medicamentos ou que apertam constantemente os seios, estimulando-os. Não é motivo para se alarmar, mas a mulher deve comunicar seu obstetra se o colostro sair antes da hora. “Os hormônios presentes durante a gravidez não induzem a saída do leite. Se saiu, é como se o corpo tivesse entendido que o bebê já nasceu”, explica Lúcia Marinaro, mãe de Júlia, obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz. O volume de leite dependerá da pré-disposição genética da mãe e da quantidade de líquido que ela toma, além do estímulo dado pelo bebê.
 
Apesar da importância, amamentar não é um mar de rosas e a mãe precisa se preparar para isso. Aprender logo na primeira semana a posicionar o bebê do jeito certo e a ensiná-lo a abocanhar toda a aréola do seio é um passo muito importante. Também é indicado, durante o pré-natal, fazer a identificação do tipo de mamilo que se tem. Se ele for invertido, a mãe deverá utilizar a concha de amamentação para moldá-lo.
 
Tomar sol diretamente no mamilo ajuda a preparar o seio para a amamentação, mas esfoliar o bico para engrossar a pele e deixá-la mais resistente, como muitas mães fazem, pode causar um estímulo precoce da região, liberando o colostro mais cedo. Agora que você percebeu a real importância dos seus seios, precisa cuidar muito bem deles e, assim, manter seu bebê bem alimentado.]
 
Consultoria: Lúcia Marinaro, mãe de Júlia, é obstetra da Unidade Anália Franco do Hospital e Maternidade São Luiz, www.saoluiz.com.br / Silvio Bromberg, paid e Nicole e Dafne, é mastologista do Hospital Israelita Albert Einstein, www.einstein.br.

Pais&Filhos TV