Mais

Bebê online é fofo, mas nem sempre é bom

Bebê online é fofo, mas será que tudo isso é bom?

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Os bebês já estão nascendo online. Alguns, mesmo de dentro da barriga, já estão conectados. Talvez você já tenha visto comentários de bebês no Twitter, perfis no Facebook ou diários em forma de blog. Pode ser fofo… Mas será que tudo isso é bom?

Por Christen Brandt/ Tradução e reportagem de Samantha Melo, filha de Sandra e Tião

A família de Brooke Holt comprou o seu primeiro computador quando ela estava no ensino médio, no início da década de 90. Ela criou um e-mail no Yahoo e mais tarde começou um blog sobre sua vida diária. No momento em que sua filha, Beau, nasceu em 2009, parecia natural que o bebê tivesse seu próprio blog também, e agora Holt posta no blog da Beau, “Little Wakka”, algumas vezes por semana.

Anúncio

FECHAR

Para muitas mães, não é mais suficiente postar fotos do seu bebê em sua página do Facebook. Antes de seus filhos aprenderem a digitar sequer os seus nomes, os pais estão criando perfis online para eles em todos os lugares: Twitter, blogs, Facebook. Nos Estados Unidos, a onda é registrar sites com os nomes dos bebês: mais de 150.000 nomes de domínio específicos de meninos e meninas foram registrados em 2010 no país. Os pais estão se esforçando para garantir a presença de seus filhos no mundo virtual, assim que eles entram no mundo real.

Loren Splawn comprou a URL de seu filho no dia em que ele nasceu e depois transformou o endereço em um blog. "No começo, eu só queria ter certeza de que ninguém mais poderia registrá-lo – alguém com o mesmo nome ou alguém tentando vendê-lo", diz.

Não importa se o site vai ser usado ou não, mas alguns pais acham importante registrar, quase como uma patente. "Os pais sabem que a internet é cada vez mais importante e eles querem um nome de domínio para o seu bebê o ter para o resto de sua vida”, diz Warren Adelman, presidente do registro de domínio e web-provedor de hospedagem, GoDaddy.com. É assim: do cartório para a internet!

Jason Falls, de 6 anos, está aprendendo o que é um blog, enquanto seu irmão de 3 anos já tem uma série de vídeos postados no Facebook. A tendência não parece que vai abrandar tão cedo – e isso significa que nós veremos um “baby boom online” nos próximos anos.

Segurança

Porém, tudo em excesso faz mal, e essa “invasão” de crianças na internet pode ser perigosa. A gente sabe que quando os pequenos atingem uma certa idade, mais ou menos 9 anos, é quase impossível mantê-los longe da rede. É aí que eles começam a pedir para abrirem contas nas redes sociais, como Facebook. Esse tipo de site exige que os usuários sejam maiores de idade, mas na prática, cada vez mais cedo os pequenos têm suas próprias contas. Nesse caso, todo cuidado é pouco.

Especialistas recomendam que apenas após os 12 anos as crianças podem começar a entrar no mundo das redes sociais. Antes, limite o uso do computador a jogos, sites de pesquisa e programas de mensagens instantâneas (desde que você confira os contatos). Mesmo depois dessa idade, supervisione as redes sociais e use filtros para a navegação na internet, indicando os sites que você quer limitar o acesso.

É preciso que a gente sempre dê o exemplo, para que mais para frente eles não questionem as regras. Afinal, se quando eles eram bebês, tinham blogs e vários seguidores do Twitter, por que não podem estar nas redes quando mais velhos?

[!page]

Não importa se o seu bebê tem blog, Facebook, Twitter ou um site próprio; proteja sua privacidade com estas dicas de Donna Rice Hughes, CEO e presidente do grupo online de segurança Enough is Enough.

– Tudo o que é publicado pode ser arquivado para sempre no servidor. As coisas publicadas na sua conta do Facebook também podem ser guardadas por amigos ou família, então pense duas vezes antes de postar.

– Não compartilhe onde você mora. Mesmo que não escreva especificamente o endereço, evite escrever sobre os lugares que mostram onde você está, e tome cuidado com as fotos: nomes de parques e números de casa podem dar pistas sobre seu paradeiro.

– Conheça a sua tecnologia. Muitos celulares, câmeras e tablets vêm equipados com um recurso de GPS, e postar uma foto através deles dará automaticamente a sua localização para aqueles que sabem como encontrá-la. Pergunte sobre esses recursos – e, especialmente, como desativá-los – sempre que você comprar aparelhos novos.

E lembre-se: por mais que você bloqueie o Orkut ou o Facebook e permita a visualização somente aos amigos, existe uma vulnerabilidade, e os hackers e vírus estão aí justamente procurando informações restritas. Em outubro, circulou na Internet um vídeo assustador, feito por um publicitário. Nele, um homem simula entrar no Facebook de quem está assistindo o vídeo, e então vê as fotos, os comentários, onde mora… Quem vê se impressiona com a quantidade de informações pessoais colhidas pelo “criminoso” – tudo com uma prévia autorização do usuário, claro. Mas é uma amostra de como estamos expostos. Vale a pena checar:
www.takethislollipop.com

As crianças não sabem dos perigos da internet, então cabe a nós, adultos, ficar de olho e não deixá-las cair na história do pirulito.

Como comprar um nome de domínio

Se você quiser garantir que seu filho tenha um site com o próprio nome, antes que algum homônimo faça isso, é possível criar um domínio pagando cerca de R$30 por ano. Primeiro, verifique a disponibilidade do nome do site que você deseja. O HBE Host (hbe.com.br) ajuda, mostrando combinações disponíveis para o nome do seu filho e domínios possíveis (.com.br/ .net/.org ). Então, compre o domínio através de um registro, como o Domínio (dominio.br) ou Locaweb (locaweb.com.br).

Bebês blogueiros

Conheça um pouco dos pequenos que fazem sucesso na blogosfera dos Estados Unidos. Esses são em inglês, mas é engraçado ler um texto assinado por um menino de um ano sobre moda, por exemplo.

O comediante
colesfirstblog.com
@ColeEmmett
Cole Ludwig começou a “blogar” com 4 meses (com uma pequena ajuda de sua mãe, Sarah) para manter sua família atualizada de suas aventuras diárias. Aos 2 anos, ele agora realiza sorteios e concursos entre os seus muitos admiradores, escreve colunas recorrentes, e tweets para 600 seguidores. "Eu não coloco nada no blog que ele poderia achar embaraçoso algum dia", diz Sarah Ludwig.

A exploradora
travellingwithana.wordpress.com
Com menos de 2 anos, Ana mudou-se da Austrália para uma nova casa nos EUA. Agora, ela atualiza seus seguidores sobre as aventuras de sua nova e divertida vida na América. "Fiquei bastante surpresa como, rapidamente, após o nascimento de Ana, eu queria fazer outras coisas que não trocar as suas fraldas e a alimentar ", diz Sarah Ayala, mãe de Ana. "É importante para mim ter algo meu para trabalhar."

O criador de tendências
Tinysartorialist.wordpress.com
Com 1 ano, Marshall Ace Drummond é provavelmente o mais jovem blogueiro fashion. "Meu marido e eu nos inspiramos no The Sartorialist, um famoso blog de moda", diz Karla Courtney, a mãe. "Nós achamos a ideia de um menino comentando sobre roupas muito engraçada."

Pais&Filhos TV