Mais

5 dicas para acabar com um ataque de birra em público

Quanto maior a plateia, pior o ataque: saiba como lidar com o vexame na rua

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Por Naiara Araújo, filha de Luiz Augusto e Dione

Birra só faz sentido se tiver público. O público-alvo é você, pai e mãe, não tem jeito. Mas a criança saca que é mais fácil conseguir o que quer quanto maior a plateia. Afinal, para escapar da vergonha de ser o responsável por um escândalo no shopping, a gente logo se vê comprando o que não queria comprar, liberando o pirulito antes do almoço, o que for. O problema é que, uma vez que você cede, virou a vítima perfeita. Pode ter certeza: a criança conseguiu o que quis e vai fazer de novo. Portanto, ignore a plateia e fique firme. Não ceda. Se for preciso, tire a criança do local e leve-a para casa. Vai estragar o passeio, mas ela vai entender. E, da próxima vez, tudo correrá mais tranquilamente.  

Claro que bom-senso é importante: não resolva passear no shopping bem naquela hora em que você já sabe que seu filho está cansado, irritado e propenso a ataques. “Se a criança é levada para shoppings muito tumultuados, com vários estímulos visuais, sonoros e multidões, ela fica irritada. Sente que não foi atendida em suas necessidades e faz birra”, diz Maria Senna Duarte, mestre em saúde da criança e da mulher IFF (Instituto Fernandes Figueira) / Fiocruz, mãe do André e da Julia. Aí é o clássico: a criança demonstra a sua insatisfação se jogando no chão, batendo mãos e pernas, gritando, esperneando e chorando. Em qualquer lugar que a família esteja, mesmo sendo difícil, a única maneira de lidar com a birra é mostrar para a criança que ela não conseguirá o que já foi negado. Keep calm e seja firme.

Anúncio

FECHAR

5 estratégias para lidar com a birra em locais públicos:

1. Em casa: Se a criança estiver num lugar seguro, sem risco de se machucar, afaste-se e não dê atenção para a birra. O show vai acabar mais rápido do que você imagina.

2. No restaurante: Aqui, vale a regra do bom-senso. Vá num horário em que a criança está mais calma, de preferência a restaurantes habitualmente frequentados por famílias e que proporcionem alguma distração, como papel e giz de cera. Se acontecer o ataque, explique que vão precisar ir embora. E cumpra.

3. No playground: O melhor é sempre levar mais de um brinquedinho. Caso um novo amiguinho peça emprestado um, vai ficar mais fácil ceder se seu filho tiver dois. Na hora na birra, a criança pode se machucar se estiver perto dos brinquedos. Leve-a para um lugar tranquilo e seja firme. E, se for preciso, leve-a pra casa.

4. Na loja de brinquedos: É comum a criança fazer birra porque algum brinquedo foi negado. Prepare o terreno antes, explicando que vão entrar, ver os brinquedos, fazer alguma atividade que a loja oferece e sair sem comprar nada. Não volte atrás.  

5. No cinema: Escolha filmes adequados à faixa etária. Não é o caso de levar uma criança de 4 anos para ver o Homem-Aranha, mas ela pode gostar de personagens que já conhece da TV ou DVDs. E, de novo, se o ataque acontecer, tire-a do cinema.

Consultoria: Maria Cristina Senna Duarte, mestre em saúde da criança e da mulher IFF (Instituto Fernandes Figueira) / Fiocruz.

Pais&Filhos TV