Gravidez

Saiba o que fazer quando for viajar durante a gestação

Tome as precauções necessárias à saúde do seu bebê

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Sair de casa e deixar a rotina para trás muitas vezes é tudo que uma grávida precisa. Mas há um pequeno (às vezes, nem tanto) detalhe: a barriga. Para viajar com segurança e conforto para a mãe e seu bebê, existem algumas pequenas medidas a serem tomadas. Pequenas, mas que, no final, fazem toda a diferença! Nossa parceira Parents listou alguns desses cuidados que a futura mãe deve tomar antes de cair com o pé na estrada. Confira aqui!

Medo de voar
 
A menos que você tenha complicações como um histórico de partos prematuros, viajar de avião durante a gestação é completamente seguro, pelo menos por um tempo. Ainda que voar no primeiro trimestre de gestação não tenha problema, até que haja preocupação com a saúde do bebê, enjôos e a fadiga podem tornar a viagem desagradável para você. O melhor período para a gestante viajar de avião é entre a 14ª e 28ª semanas, quando esses sintomas iniciais já ficaram para trás, o risco de abortamento diminui bastante e os desconfortos do terceiro trimestre, como dores nas costas e inchaço, ainda não a alcançaram.
 
Os médicos dizem que tudo bem viajar depois de 30 semanas de gestação – a menos que você esteja grávida de gêmeos –, mas você deve permanecer com os pés no chão quando atingir a 36ª semana gestacional, para o caso de seu bebê resolver vir ao mundo antes da hora. Se você realmente tiver que voar nos momentos finais da gravidez, verifique na política da companhia aérea se você precisará da autorização de um médico. Não importa em que período você voe, compre sempre suas passagens com antecedência para se certificar de que poderá escolher um bom lugar no avião: um assento no corredor permite fácil acesso ao banheiro e a frente do avião oferece melhor circulação de ar.
 
Durante a viagem tenha um estoque de remédios para aliviar as dores da gravidez e vista roupas maleáveis e arejadas. É importante também beber bastante água e não ficar parada, porque a gestação aumenta suas chances de desenvolver um potencial coágulo sanguíneo. Ande no corredor a cada hora de vôo e se exercite enquanto estiver sentada também.
 
Sobrevivendo à estrada
 
A maioria dos médicos sugere um limite para a futura mãe dirigir, que é de seis horas por dia, para que não haja prejuízos à circulação sanguínea. Se você puder, evite fazer longas viagens sozinha. Tenha sempre uma companhia para o caso de surgir uma complicação, como você precisar dormir um pouco durante a viagem. Tenha em mãos bastante água e comidas para beliscar. Programe paradas de descanso para ajudar sua circulação sanguínea e para poder usar o banheiro, claro.
 
Tenha preferência pelas vias rápidas e saiba onde se localizam os hospitais da região, especialmente se você estiver indo para uma área rural. Se você quiser evitar os enjôos do percurso, é seguro tomar medicamentos prescritos pelo médico.
 
Lembre-se de colocar o cinto, não importa quão desconfortável isso seja. Coloque-o como de costume, com a faixa debaixo ajustada confortavelmente sob sua barriga. Mantenha uma distância do painel do carro e ative o airbag, se tiver. Essas medidas não somente te protegerão, mas também ao seu bebê.
 
Viajando para o exterior
 
Viagens internacionais normalmente não trazem riscos, mas cheque antes algumas informações sobre o seu destino nas Coordenadorias de Controle de Doenças. Enquanto alguns lugares turísticos, como Caribe, são geralmente seguros, outros requerem precauções para evitar enfermidades como diarreia e malária.
 
A gestação torna a mulher mais vulnerável à água contaminada, então beba água somente de garrafas e lembre-se de usá-la inclusive para escovar seus dentes. Evite os destinos que têm maior incidência de doenças contagiosas, como malária e febre tifóide, e vacine-se contra as enfermidades que possam ser prejudiciais a você e ao seu bebê.
 
Não importa para onde deseje viajar, conte os planos ao seu obstetra. Também evite as comidas locais, como laticínios que possam conter leite não pasteurizado, e comidas vendidas nas ruas.
 
Certas atividades que contenham risco de queda também devem ser evitadas, como esquiar e andar de cavalo. Mergulhos também não são uma boa opção, pois podem causar uma síndrome de descompressão no feto em desenvolvimento. Por último, fuja de banheiras quentes e saunas secas ou a vapor.
 
Viajando a trabalho
 
Se o seu trabalho exige que você viaje muito, talvez seja o caso de conversar com seu chefe sobre diminuir essa frequência durante o período gestacional. Mas, desde que você não tenha complicações como pressão alta ou sangramentos, viajar frequentemente antes de seu 9º mês de gestação não prejudicará você ou ao seu bebê. Se, ainda assim, você se sentir desconfortável para viajar, fale com seu obstetra: ele poderá escrever uma carta recomendando que você não viaje.
 
As complicações e limitações da gravidez poderão te tornar temporariamente indisponível para o trabalho, o que permite que você dê uma parada com as viagens, sem que isso prejudique seu emprego. Não importa para onde você esteja planejando ir, certifique-se de facilitar o seu regresso, afinal, a intenção é voltar revigorada e não cansada.
 
Fonte: Parents (www.parents.com)

Pais&Filhos TV