Gravidez

Gravidez traz benefícios para o corpo feminino

Mães têm menos cólicas menstruais e menos propensão a ter câncer de mama, além de hábitos de vida mais saudáveis

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Você provavelmente já percebeu todas as coisas chatas que acompanham a gravidez: enjoos, cansaço, marcas na pele… Mas tem muitas coisas boas também, que vão além do fato de ter um bebê a caminho. Os hormônios extras aumentam seu bem-estar. Alguns deles podem inclusive melhorar sua saúde durante e depois da gravidez.

“As mulheres se sentem energizadas no segundo e terceiro trimestres da gravidez”, diz Jeanne Brooks-Gunn, professora de desenvolvimento infantil na Columbia University Teachers College, nos Estados Unidos. Claro que a gente esquece tudo isso naqueles dias em que difícil pular da cama. Mas, garantindo o descanso, mudanças incríveis podem acontecer no seu corpo.

Sexo nas estrelas

Anúncio

FECHAR

Para muitas mulheres, o sexo melhora. “Durante o segundo trimestre, há um aumento do fluxo sanguíneo na região pélvica”, diz Christiane Northruo, autora de Women’s Bodies, Women’s Wisdom. O resultado é uma grande sensibilidade durante o sexo e uma maior propensão ao orgasmo.

É normal não ter muita vontade de transar por causa das dores e do cansaço. Nesse caso, você pode pedir para seu marido fazer uma massagem, por exemplo. Com sorte, os hormônios da gravidez vão aumentar sua libido.

Saúde se torna hábito

A gravidez faz com que muitas mulheres instituam mudanças positivas em sua saúde e eliminem maus hábitos. Por exemplo, especialistas dizem que a gestação é uma das maneiras mais efetivas de parar de fumar. “É também um grande motivador para buscar ar puro e exercício físico”, diz David Acker, chefe de obstetrícia e ginecologia do Brigham and Women’s Hospital, nos Estados Unidos. Estudos ainda mostraram que mulheres com diabetes aprenderam durante a gestação a lidar melhor com a doença. Normalmente esses novos hábitos são saltos para um estilo de vida mais saudável.

Adeus, cólicas

Mais cedo ou mais tarde depois do parto e da amamentação, seu ciclo menstrual voltará ao normal. Mas há um efeito colateral bem-vindo: você poderá ter menos cólicas. Não se sabe direito porque a dor diminui, uma teoria é que o nascimento do bebê elimina algumas das áreas receptoras de prostaglandina no útero. A prostaglandina é o mesmo hormônio que faz o útero contrair durante o parto e desempenha um papel na dor menstrual. O resultado? Menos receptores de dor, menos cólicas.

Risco de câncer reduzido

Estudos recentes mostraram que a gravidez pode ser um protetor eficaz contra câncer de mama e de ovário. Quanto mais gestações você tiver – e quanto mais nova começar a ter bebês – maior é o efeito.

Além disso, outros estudos mostraram que amamentar por mais de três meses também pode diminuir o risco de determinados tipos de câncer. “Os pesquisadores não tem nada mais do que teorias sobre a relação entre gravidez e câncer de mama”, diz Kevin Hughes, professor assistente de cirurgia na Harvard Medical School. Uma hipótese, baseada no fato de que a ovulação cessa durante os nove meses de gestação, sugere que mulheres que ovulam menos estão menos propensas a desenvolver câncer de mama e de ovário. Outra teoria mais complicada sugere que o tecido mamário que nunca passou por uma gravidez pode estar mais propenso ao câncer.

Autoestima lá em cima

O parto já foi comparado a uma maratona, e por uma boa razão. Alguns estudos mostram que as mulheres ganham uma nova percepção de sua própria força depois de passar pelo trabalho de parto. A gravidez muda mesmo nossa perspectiva sobre as coisas. Quando você olha para o quadro todo e percebe que seu corpo está gerando uma nova pessoa e colocando-a no mundo, você não vai mais se incomodar com os detalhes.