Gravidez

Carinho nunca é demais, mesmo através da barriga

É sempre bom lembrar: todos aqueles carinhos que você faz para o seu filho quando ele ainda está dentro da barriga pode ajudar muito na sua formação

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

 

 

Anúncio

FECHAR

Acariciar a barriga, cantarolar uma cantiga de ninar ou contar uma história para o seu filho quando ele ainda está dentro do útero podem trazer benefícios para o seu desenvolvimento. “Todos os estímulos oferecidos agem criando uma memória inconsciente que irá perdurar por toda a vida. Bebês que tiveram todos esses encorajamentos são indivíduos muito mais tranquilos e com uma inteligência emocional muito mais desenvolvida do que os outros”, salienta Domingos Mantelli, ginecologista obstetra, pai de Anna Maria e Domingos.

Ainda de acordo com o especialista, estudos comprovam esses estímulos carinhosos ajudam a desenvolver a área cognitiva do bebê. “Isso porque o bebê começa a desenvolver uma memória inconsciente com as sensações sentidas dentro do útero, fora a formação da inteligência emocional que acontece ao mesmo tempo”, conta. Ele explica que isso só é possível porque nesse período o feto já possui coração e memória celular, contida desde o primeiro dia da sua concepção, capaz de armazenar emoções vivenciadas pela mãe.

Para ajudar no desenvolvimento do seu filho, selecionamos alguns dicas importantes e gostosas para tornar essa interação muito mais estimulante para o seu filho ainda durante os nove meses:

Exercícios físicos – Quando a gestante pratica atividades físicas, ela libera endorfina e todos os hormônios que provocam bem estar. Essa sensação é passada para o bebê pela placenta deixando a criança mais relaxada também.

Dó, Ré, Mi e muito mais – Sabe aquele dia que o seu filho não para de chutar ou está muito agitado? Colocar uma música pode ajudar o bebê ficar mais calmo e relaxado. Isso acontece pois o feto começa a escutar sons a partir da 23ª semana de gestação e assimila os ruídos como algo positivo.

Carinho nunca é demais – Acariciar a barriga, além de ser um ato gostoso, intensifica o vínculo dos pais com o bebê. Com a gestação mais avançada, o feto consegue distinguir a presença e a voz dos pais separadamente.