Família

Zolpidem: saiba os riscos de tomar o remédio que pode causar alucinações e sonambulismo

O remédio só pode ser comercializado sob prescrição médica - Freepick
Freepick

Publicado em 07/11/2022, às 16h41 - Atualizado às 16h48 por Jennifer Detlinger, Editora-chefe | Filha de Lucila e Paulo


Indicado para o tratamento de insônia, o remédio Zolpidem virou recentemente protagonista de uma série de relatos nas redes sociais. Pessoas contam que tiveram alucinações após tomarem o remédio.

Foi o caso de um jovem que contou ter comprado dois pacotes de viagem para Buenos Aires, na Argentina, no valor de R$ 9 mil após tomar zolpidem. A história, junto com demais relatos, acendeu um alerta sobre os possíveis efeitos colaterais do remédio.

Apesar das histórias vistas como cômicas, especialistas defendem que o uso do remédio vem sendo banalizado,  o que abre caminho para efeitos colaterais graves e quadros de dependência. Segundo a Anvisa, entre 2011 e 2018, a venda do zolpidem cresceu 560% no Brasil. Somente em 2020, 8,73 milhões de caixas do medicamento foram vendidas nas farmácias brasileiras.

Uso seguro do zolpidem

O remédio só pode ser comercializado sob prescrição médica, e não é indicado para grávidas, lactantes ou crianças. Além disso, a bula é clara: ele não deve ser usado por mais de quatro semanas.

Sonolência, dor de cabeça, boca seca e fadiga são exemplos de efeitos colaterais mais conhecidos do zolpidem, mas algumas pessoas também podem ter alucinações, agitação e pesadelos.

Fiocruz utiliza tecnologia para criar medicamento que controla Parkison
O remédio só pode ser comercializado sob prescrição médica (Foto: Freepick)

Ainda segundo a bula, o medicamento pode “causar sonambulismo ou outros comportamentos incomuns (dormir enquanto dirige, se alimenta, faz uma ligação de telefone ou durante o ato sexual) enquanto não está totalmente acordado […] Na manhã seguinte, você poderá não lembrar o que fez durante a noite”.

O ideal é tomar o remédio logo antes de deitar ou já na cama. O medicamento também não deve ser usado durante o dia ou misturado com álcool, maconha e outros remédios que dão sono.

Cuidado com os medicamentos “alucinógenos”

Os remédios controlados chamados “medicamentos alucinógenos” têm potencial para fazer os pacientes perderem o controle de algumas ações. As alucinações ocorrem quando você sente algo que não está realmente lá – e tê-las pode ser um efeito colateral assustador ao medicamento.

As alucinações podem ser vistas, ouvidas, sentidas ou mesmo cheiradas, alterando os sentidos. Geralmente as alucinações são associadas com o uso de drogas, porém existem medicamentos controlados e comuns que também podem causar alucinações. Os que contêm hormônios para engravidar, pílulas anticoncepcionais e medicamentos comumente usados para dormir, antidepressivos e de ansiedade, são os mais conhecidos por causar alucinações. Veja outros medicamentos comuns que podem causar efeitos colaterais:

Analgésicos

Efeitos colaterais: euforia, sedação, vertigem, diminuição da concentração e da capacidade cognitiva, passividade.

Antitussígenos (xaropes para tosse)

Efeitos colaterais: euforia, sedação, vertigem, diminuição da concentração e da capacidade cognitiva com menos intensidade do que os analgésicos.

Antidepressivos

Efeitos colaterais: sedação pronunciada, problemas de acomodação, hipotensão, fadiga, vertigens, alterações do comportamento.

Anti-histamínicos (antialérgicos)

Efeitos colaterais: sedação, ansiedade, insônia, parestesia, alterações da visão, alucinações.

Relaxantes musculares

Efeitos colaterais: euforia, sedação, vertigem, diminuição da concentração e da capacidade cognitiva, passividade.

Antidiabéticos

Efeitos colaterais: palpitações, náuseas, alterações na visão; agressividade, alucinações, tonturas, hipoglicemia e alteração do comportamento.

Antiepilépticos

Efeitos colaterais: sonolência, confusão, perda de memória e concentração, letargia, diminuição da capacidade psicomotora.

Por que algumas pessoas têm efeitos colaterais alucinógenos e outras não?

Segundo o Dr. Higor Caldato, médico psiquiatra, especialista em psicoterapias e transtornos alimentares, cada pessoa tem sua particularidade, como o contexto em que vive e hábitos de vida e não se pode generalizar a análise dos fenômenos. No âmbito da composição química dos remédios, o cérebro pode sofrer uma intoxicação, o que prejudica o seu processo normal de funcionamento. Algumas pessoas são mais suscetíveis geralmente pela idade, doenças associadas, uso de outras medicações e tipos de metabolismo hepático. É importante sempre consultar um especialista antes de fazer uso destes tipos de medicamento.

Fonte: Dr. Alexandre Lucidi, médico geneticista, atuante em Neurogenética e Neuroimunologia, Dr. Higor Caldato, médico psiquiatra e sócio da Nutrindo Ideais (@nutrindoideais), especialista em psicoterapias e transtornos alimentares


Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

(Foto: Reprodução/Redes sociais)

Família

Mani recebe recado de Yasmin Brunet após anunciar fim da relação com Davi

Davi e Mani possuem 20 anos de diferença entre eles - Reprodução/Instagram

Família

Mani deixa de seguir Davi no Instagram e toma atitude sobre a relação com o campeão do BBB

Os nomes japoneses femininos são lindos, fortes e possuem significados encantadores - Getty Images

Bebês

Nomes japoneses femininos: 304 opções lindas para você conhecer

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

Menina morre em tubulação de piscina - (Foto: Reprodução)

Família

Menina de 8 anos é encontrada morta em tubulação de piscina em hotel luxuoso

Andreas Richthofen vive isolado - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Andreas Richthofen dá 1ª entrevista e diz que procura a irmã há 4 anos: "Tem assuntos pendentes"

Davi Britto e Mani - (Foto: Reprodução/Redes sociais)

Família

Mani Rêgo quebra o silêncio sobre relação com Davi após polêmica: "Passo a ser um produto"