Família

Mãe se arrepende de entregar recém-nascido à adoção e consegue a guarda do filho no STJ

Há muitas crianças na fila de adoção - Getty Images
Getty Images

Publicado em 03/08/2023, às 06h08 por Sophia Dolores, filha de Lucineia e Nilo Júnior


Uma mãe que se arrependeu de entregar o filho recém-nascido à adoção conseguiu no Supremo Tribuna de Justiça (STJ) o direito de reaver a guarda da criança. O caso foi registrado em Cascavel, no oeste do Paraná.

Há muitas crianças na fila de adoção (Foto: Getty Images)

A mulher havia feito a entrega, conforme previsto no Estatuto da Criança e do Adolescentes (ECA), que escabele que, em caso de arrependimento dentro de dez dias, após audiência, é possível reaver a guarda. No entanto, de acordo com a Defensoria Pública do Paraná, o direito estava sendo negado e foi necessário envolver o caso na Justiça.

No primeiro grau, a Justiça não aceitou o pedido e solicitou um laudo social para saber quais eram as condições de reintegração da criança.
Em julgamento de agravo, que é um recurso contra as decisões tomadas pelo juiz no decorrer do processo antes da sentença, o Tribunal do Paraná também havia indeferido o pedido feito através da Defensoria Pública do Paraná.

Cantor Tiziano Ferro adota 2 bebês com o marido
Caso foi registrado em Cascavel, no oeste do Paraná (Foto: iStock)

STJ reviu decisão e determinou que criança voltasse para a mãe. A decisão para o reestabelecimento da guarda foi concedida pela presidente do STJ, a ministra Maria Thereza de Assis Moura, na última sexta-feira, 28 de julho. Ela determinou também que além do retorno imediato da criança à mãe, que ambos recebam acompanhamento especializado pelo prazo de 180 dias.

O defensor público, Luciano Roberto Gulart Cabral Júnior, responsável pela área da Infância e Juventude Cível em Cascavel e que atua no caso, afirmou que a mãe exerceu o direito previsto em lei, tanto de entregar a criança, quanto de se arrepender e que nenhuma penalidade será aplicada a ela.

Procedimento é assistido pela Justiça da Infância e Juventude (Foto: Freepik)

“A mãe exerceu o direito de entregar para a adoção, foi homologado pelo juiz, logo em seguida, ela se arrependeu e procurou a defensoria novamente. […] Não tem nenhuma penalidade para a mãe”, destacou. Para o defensor, a reintegração da criança aos cuidados da mãe é um vitória. “Prevaleceu o desejo da mãe e o melhor interessa para a criança, que é a continuidade da manutenção com a mãe. A preferência é pela convivência familiar, na família, que a mãe fique com o filho”, frisou. A audiência para o reestabelecimento da guarda ocorreu nesta última quarta-feira, 2 de agosto.

Regulamentação protege mãe e bebê na entrega voluntária para adoção

A entrega voluntária de bebês recém-nascidos para adoção é garantida legalmente e regulamentada pela Lei da Adoção (13.509/2017), que alterou o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A mudança incluiu a chamada “entrega voluntária”, possibilidade de uma gestante, mãe ou responsável,  entregar seu filho para adoção, em um procedimento comandado pela Justiça da Infância e Juventude.

Muitas dessas mulheres relatam que a entrega para adoção é um ‘ato de amor’ (Foto: Reprodução/ Freepik)

No Rio de Janeiro, a entrega legal de criançasrecém-nascidas pela mãe ou pai biológico cresceu 22% no ano passado, com cerca de dez casos a cada mês, segundo os dados registrados pelo Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA) e divulgados pela Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (DPRJ). No Brasil, em 2021 foram registradas 1.312 entregas voluntárias no país, número que subiu para 1.667 em 2022, o que representa de quatro a cinco casos por dia.

A defensora pública Simone Moreira de Souza, explica que as mães colocam seus filhos para adoção para que tenham uma vida e um futuro seguros, situação que muitas vezes, os pais biológicosnão poderiam garantir, e que a entrega clandestina só ocorre por medo de julgamento e críticas.

O artigo 19-A do ECA determina que gestantes ou mães que demonstrem interesse em entregar seu filho para adoção deverão ser encaminhadas para a Justiça da Infância e Juventude (Foto: Reprodução/ Freepik)

O artigo 19-A do ECA determina que gestantes ou mães que demonstrem interesse em entregar seu filho para adoção deverão ser encaminhadas para a Justiça da Infância e Juventude, órgão que deverá realizar o processo para busca de uma família extensa, termo utilizado pela Justiça para designar parentes ou familiares próximos.


Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Pai de Davi - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Pai de Davi não concorda com posição do filho e decide ir morar com Mani

Imagem Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Família

Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

Virginia Fonseca - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Virginia Fonseca toma atitude após Maria Alice empurrar Maria Flor: “Dói mais na gente”

Viih Tube fala sobre segundo e terceiro filhos - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Viih Tube revela gravidez de segundo e adoção de terceiro filhos com Eliezer

De A a Z: confira os nomes femininos americanos para te inspirar - Getty Images

Bebês

Nomes americanos femininos: mais de 1000 opções diferentes para você se inspirar

Copo Stanley - Divulgação

Super desconto

App Day Amazon: os famosos copos térmicos da Stanley com até 55% de desconto