Família

Filha de Juliano Cazarré ganha prótese no coração por causa de doença rara: entenda condição

Maria Guilhermina precisou ser operada logo após seu nascimento por causa de uma cardiopatia congênita chamada Anomalia de Ebstein - Reprodução / Instagram
Reprodução / Instagram

Publicado em 16/08/2022, às 14h07 - Atualizado às 14h10 por Cecilia Malavolta, filha de Iêda e Afonso


O ator Juliano Cazarré, que faz parte do elenco do remake de Pantanal, tem compartilhado em suas redes sociais atualizações sobre o estado de saúde da filha mais nova, Maria Guilhermina. A menina, que veio ao mundo em 21 de junho, teve o parto antecipado em um mês após descobrirem que ela possui uma cardiopatia congênita chamada Anomalia de Ebstein. A condição fez com que ela passasse por uma cirurgia de 10 horas logo depois de seu nascimento e, agora, está com uma prótese no órgão.

De acordo com o Dr. José Cícero Stocco Guilhen, especialista em cirurgia cardiovascular do Hospital e Maternidade Santa Joana, cardiopatia congênita é uma doença do coração que acompanha o paciente desde o nascimento, ou seja, é desenvolvido ainda durante a gestação da mulher. Os sintomas do problema podem variar – tudo depende do tipo de condição e qual é a gravidade dela. Os pais de recém-nascido devem ficar de olho nos seguintes sinais:

  • Cianose (lábios e dedos arroxeados)
  • Taquipneia (respiração rápida) – pode dificultar as mamadas e também o ganho de peso do bebê
  • Falta de ar
  • Cansaço
  • Desmaios
Maria Guilhermina precisou ser operada logo após seu nascimento por causa de uma cardiopatia congênita chamada Anomalia de Ebstein
Maria Guilhermina precisou ser operada logo após seu nascimento por causa de uma cardiopatia congênita chamada Anomalia de Ebstein (Foto: Reprodução / Instagram)

O que é a Anomalia de Ebstein?

Descrita pela primeira vez na literatura médica em 1866, a Anomalia de Ebstein é uma malformação congênita rara que faz com que o coração se desenvolva de maneira “irregular”: o átrio direito (responsável por receber o sangue de diversas partes do corpo) fica muito grande, enquanto o ventrículo (que bombeia o sangue de volta para o corpo humano) fica muito pequeno e se torna ineficaz em sua função.

“Embora seja uma anomalia rara, é a doença congênita mais comum da válvula tricúspide. Entre as cardiopatias congênitas, a Anomalia de Ebstein têm incidência variando de 0,4 a 1,07% nos pacientes. Comparada a outras cardiopatias congênitas, a anomalia descrita tem curso clínico mais lento, com possíveis repercussões ocorrendo apenas mais tarde na vida”, explica o cardiologista Ricardo Negri Bandeira de Mello, coordenador do Serviço de Cardiologia do Hospital Vila da Serra.

Como identificar a Anomalia de Ebstein?

Segundo o dr. Ricardo Negri, a Anomalia de Ebstein pode (e deve) ser identificada durante a gestação em um ecocardiograma, ultrassom que vê o desenvolvimento do coração do bebê ainda na barriga na mãe e que fornece imagens do órgão do feto obtidas por meio do som.

Quão grave é a Anomalia de Ebstein?

“A gravidade está associada à idade em que inicia sua sintomatologia. Quando diagnosticada durante o período neonatal (logo após o nascimento), a mortalidade pode alcançar até 50%”, explica o cardiocologista Negri. Por isso, é extremamente importante realizar todos os exames do pré-natal para garantir que está tudo certo com a saúde do bebê durante a gestação.

Vote na Pais&Filhos para o Troféu Mulher Imprensa!

Andressa Simonini, editora-executiva da Pais&Filhos, está concorrendo ao prêmio da categoria Pertencimento e Inovação da 16ª edição do Troféu Mulher Imprensa! Para votar, é muito simples: CLIQUE AQUI e aperte o botão ao lado da foto da Andressa para que ele fique azul. Em seguida, preencha o campo com seus dados e vá até seu email: será preciso confirmar o seu voto clicando em um link. Depois disso, sucesso! Seu voto já foi contabilizado. Obrigada!

Andressa Simonini, editora-executiva da Pais&Filhos está concorrendo ao Troféu Mulher Imprensa
Andressa Simonini, editora-executiva da Pais&Filhos está concorrendo ao Troféu Mulher Imprensa (Foto: Divulgação/Pais&Filhos)

Tratamento para Anomalia de Ebstein

O principal objetivo do tratamento para a Anomalia de Ebstein é diminuir os sintomas e evitar que o paciente passe por algum tipo de complicação na saúde. “Diversos medicamentos podem ser utilizados, principalmente os vasodilatadores e medicações para o controle dos batimentos cardíacos. A indicação de realizar troca de válvula tricúspide tem como base dispneia ou insuficiência cardíaca direita com limitação funcional importante para as atividades diárias habituais do paciente, intolerância progressiva ao exercício, arritmias cardíacas não controladas com medicamentos, ou comorbidades significativas”.

O que causa cardiopatias congênitas?

Geralmente, nem todas as cardiopatias congênitas possuem causas bem definidas. “No entanto, hoje sabemos que a maioria se deve a alterações genéticas que ocorrem esporadicamente durante a formação do coração do feto na vida intrauterina”, comenta o Dr. José Cícero.

Além disso, é possível correlacionar as cardiopatias congênitas à doenças crônicas ligadas a mãe, como a diabetes, que pode aumentar o risco de desenvolvimento dessa enfermidade no bebê, segundo o especialista. “Algumas doenças podem estar relacionadas ao uso de medicações, por exemplo, o uso de Lítio, que está associado ao desenvolvimento de doença de Ebstein na válvula tricúspide. Outra situação mais comum é a associação da cardiopatia congênita com alguma cromossomopatia, por exemplo, a Trissomia do 21 (Síndrome de Down) que está bastante relacionada à presença de doença no coração do bebê, assim como a Síndrome de Turner e a Síndrome de Edward, entre outras”.

A Anomalia de Ebstein é uma malformação congênita rara que faz com que o coração se desenvolva de maneira "irregular": o átrio direito fica muito grande, enquanto o ventrículo fica muito pequeno e se torna ineficaz em sua função
A Anomalia de Ebstein é uma malformação congênita rara que faz com que o coração se desenvolva de maneira “irregular”: o átrio direito fica muito grande, enquanto o ventrículo fica muito pequeno e se torna ineficaz em sua função (Foto: iStock)

É possível ter uma vida normal com cardiopatia congênita!

Felizmente, é possível que o paciente com cardiopatia congênita leve uma vida normal, frequentando a escola, realizando atividades físicas e recreativas como qualquer criança da mesma idade. Dr. José Cícero reforça apenas é importante o acompanhamento médico do quadro com um especialista para que a condição seja sempre avaliada. “Dependendo do tipo de cardiopatia e de sua gravidade a criança pode apresentar algum grau de restrição na sua capacidade funcional. Já em relação aos esportes competitivos, o paciente precisa passar por uma avaliação médica individual antes de iniciar uma atividade física.

Assista ao POD&Tudo com Izabella Camargo:


Leia também

O menino de apenas dois anos aprendeu três idiomas - (Foto: Arquivo pessoal)

Família

Menino baiano que leu e escreveu com apenas 1 ano aprende inglês, russo e coreano aos 2 anos

Foto: Reprodução/Instagram

Família

Paula Fernandes revela estar com doença: "Tenho apenas alguns dias de vida"

(Foto: reprodução/Instagram)

Família

Lore Improta mostra evolução da barriga e avisa: "Tem mais neném chegando"

(Foto: Reprodução/ Redes Sociais)

Família

Turista morre após suspeita de picada de aranha marrom em restaurante na Bahia

Virginia e Zé Felipe - Reprodução: Instagram

Família

Sete suítes, piscina, cinema, adega e 7 mil m²: Veja fotos da nova mansão de Virginia e Zé Felipe

Samsung Galaxy S23 - Divulgação

Caiu o preço

Ofertas do dia: Galaxy S23 da Samsung com descontos de até 36%

Ela só queria que o filho se sentisse parte da família (Foto: Reprodução/Facebook

Família

Família adota criança de 12 anos e recebe surpresa de banco: “Não existia, mas criaram um jeito”

A bebê passou por uma onda de calor de 48,9° - (Foto: Reprodução/ Facebook)

Família

Bebê de 4 meses morre em passeio após passar por calor de quase 49°