Família

Casos de sífilis aumentam na população adulta e em bebês após a pandemia

Os casos de sífilis tiveram aumento no Brasil em todas as faixas etárias e sexos - Reprodução/ Freepik
Reprodução/ Freepik

Publicado em 21/08/2023, às 08h05 por Sophia Dolores, filha de Lucineia e Nilo Júnior


Os casos de sífilis tiveram aumento no Brasil em todas as faixas etárias e sexos no período pós-pandemia. Enquanto os novos casos diagnosticados estavam em ascensão até 2018, houve uma estabilização dos casos, em 2019, seguida de uma queda em 2020, o primeiro ano da pandemia. Agora, os novos diagnósticos voltaram a crescer.

Os casos de sífilis tiveram aumento no Brasil em todas as faixas etárias e sexos (Foto: Reprodução/ Freepik)

Em 2021, foram registrados 167.523 casos de sífilis adquirida (em adultos) e 74.095 em gestantes. Os dados representam uma taxa de 78,5 casos a cada cem mil habitantes, na sífilis adquirida, e 27,1 casos a cada 1.000 nascidos vivos, na sífilis em gestantes. No ano anterior, a taxa de sífilis adquirida havia sido de 59,1 casos para cada cem mil habitantes, e a taxa de sífilis em gestantes, 24,1 a cada 1.000 nascidos vivos.

Houve ainda o registro de 27.019 casos de sífilis congênita, que ocorre pela transmissão da mãe para o bebê durante a gestação, equivalente a uma taxa de 9,9 casos a cada 1.000 nascidos vivos, com 192 óbitos no mesmo ano. Em 2020, a taxa era de 8,5. Já no primeiro semestre de 2022, foram mais de 122 mil novos casos da doença, sendo 79,5 mil casos de sífilis adquirida, 31 mil em gestantes e 12 mil casos de sífilis congênita.

O tratamento indicado é a penicilina benzatina (benzetacil), amplamente distribuído no SUS (Foto: Reprodução/ SUS)

Os dados são do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, que compilou as notificações de sífilis no Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) até 30 de junho de 2022. O aumento dos casos da doença preocupa principalmente em relação aos novos registros de sífilis congênita e em grávidas. Em 2021, houve uma queda na adesão ao tratamento de gestantes em comparação ao ano anterior, passando de 88,7% para 81,1%.

“O aumento de casos de sífilis é preocupante, pois é um problema de saúde pública no país, e o acesso adequado aos serviços de saúde, à testagem e ao tratamento no pré-natal refletem no aumento de diagnósticos”, afirma Angélica Espinosa, diretora do programa de IST da SVSA (Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente) do Ministério da Saúde.

Saúde registrou 122 mil casos no primeiro semestre de 2022, incluindo em gestantes e sífilis congênita (Foto: Reprodução/ Freepik)

No caso da sífilis congênita, o tratamento indicado é a penicilina benzatina (benzetacil), amplamente distribuído no SUS (Sistema Único de Saúde). “O benzetacil é o único medicamento que consegue atravessar a barreira transplacentária”, explica Espinosa. “Quando a sífilis é detectada na gestante, o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível para evitar a chamada transmissão vertical [da mãe para o bebê]”, lembra Angélica.

Ainda segundo o boletim do Ministério da Saúde, a incidência de sífilis congênita no país apresentou um crescimento médio de 17,6%, entre 2011 e 2017, seguida de estabilidade nos anos subsequentes e aumento de 16,7% em 2021. Uma das possíveis explicações para essa subida é o comprometimento de ações preventivas na assistência pré-natal.

Por isso, são importantes campanhas de conscientização e rastreamento de populações vulneráveis (Foto: Freepik)

“De modo geral, acho que ainda não conseguimos no Brasil evoluir para tratar a saúde sexual, e os últimos anos contribuíram muito para prejudicar o acesso [aos serviços de saúde] e a comunicação”, explica a epidemiologista Maria Amélia Veras, professora de saúde coletiva da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Dentre a população como um todo, os casos de sífilis adquirida tiveram um aumento de 336% na última década (Foto: Freepik)

Em relação à média nacional, nove estados têm taxas de sífilis em gestantes acima da média do país, de 27,1 casos a cada 1.000 nascidos vivos, e dez apresentam taxa de sífilis congênita maior que 9,9. O estado que apresentou a maior incidência de sífilis congênita e de detecção de sífilis em gestantes foi o Rio de Janeiro, com 26 casos a cada 1.000 nascidos vivos em bebês e 62,6 casos a cada 1.000 em gestantes.


Leia também

(Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Karina Bacchi devolve casa alugada em meio a mudança com o filho para fora do Brasil

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Família

Morte de piloto de 9 anos é registrada como suspeita e polícia inicia investigação

Foto: Reprodução/Instagram

Família

Paula Fernandes revela estar com doença: "Tenho apenas alguns dias de vida"

Modelo que estaria grávida de Neymar fez aparição na reta final da gravidez - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Mãe do terceiro filho de Neymar faz rara aparição na reta final da gravidez

Leonardo disse que conheceu Bruna quando ela tinha 8 anos de idade - (Foto: Reprodução/ Instagram)

Família

Leonardo fala sobre possibilidade de ter Bruna Marquezine como nora “Conheci quando tinha 8 anos”

Lorenzo Somaschini sofreu um acidente no dia 14 de junho - Reprodução: Instagram

Família

Tia de piloto de 9 anos desabafa sobre a morte do sobrinho: 'Estou quebrada'

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Família

Piloto de 9 anos que morreu em São Paulo ganhou a primeira moto aos 4 anos

O momento da escolha do nome é superespecial e deve ser vivido com muito carinho pela família - Getty Images

Bebês

210 nomes masculinos para bebês: ideias fortes (e lindas!) para você chamar o seu filho