Família

“Aquela conversa”: como e quando falar com seu filho sobre racismo?

Preparar crianças antirracistas é de responsabilidade de todos e a educação sobre diversidade - Freepik
Freepik

Publicado em 21/11/2022, às 09h26 - Atualizado em 14/11/2023, às 15h56 por Marina Teodoro, Editora de digital | Filha de Ana Paula e Gilberto


Quando a comunicadora Alexandra Loras era criança, seus pais nunca falaram com ela sobre sua ancestralidade ou assuntos relacionados à sua cor. “Tanto meu pai negro nunca me falou sobre minha cultura africana da Gambia, tampouco minha mãe, branca, entendia de estudo racial”, conta. 

Alexandra é uma mulher negra que nasceu em Paris, na França, e é filha de mãe francesa e pai gambiano. “Eu nasci em uma família bem racista, onde meus avós e bisavós nunca aceitaram minha mãe branca se casar com um homem negro”, lembra ela. Infelizmente, esse tipo de pensamento também é comum entre as famílias brasileiras – mesmo a população negra representando 56% da população brasileira, segundo os últimos dados do IBGE. No entanto, esse cenário tende a mudar nas gerações seguintes.

Alexandra Loras ex-consulesa da França e jornalista
Alexandra Loras conta que quando criança, ela não foi ensinada sobre temas envolvendo sua cor (Foto: Alexandra Loras/Arquivo Pessoal)

Pai de dois meninos, Benjamin e Lucas Belfort, 7 anos e 3 anos, Nicácio Belfort, empresário, influenciador e parceiro da Pais&Filhos, conta que já abordou o assunto racismo com o filho mais velho. “Falei com ele esse ano”, lembra. “Conversei que somos todos iguais independente de cor, crença, condição social. Ele entendeu e questiono, admirado como pode as pessoas terem preconceitos com os outros”.

Alexandra, que é mãe de Raphael, de 10 anos, (uma criança loira de olhos claros) conta que também já conversou com ele sobre questões raciais. “Falar com os filhos pequenos é essencial, pois estamos em um país onde a narrativa infantil é eugenista, vivemos em uma supremacia branca, então, precisamos ter a coragem de abordar esse tema desde muito cedo”, defende.

Alexandra Loras e o filho
Alexandra fala sobre racismo e outros assuntos raciais com o filho diariamente (Foto: Alexandra Loras/Arquivo Pessoal)

É preciso falar com nossas crianças

Além de jornalista, Alexandra também é ex-consulesa da França e influenciadora. Ela recorda que uma vez um seguidor ligou para ela chorando e falando que não conseguia entender como era possível a filha dele ter três anos e já ser racista, quando dentro da família eles não são. 

“Ele ficou chocado, ela ainda não ia nem à escola. A situação aconteceu quando o pai estava lendo uma história de fadas, e dentro da história tinham fadas de todas as cores e com várias etnias, de cabelo loiro, ruivo e preto. Quando chegou a vez da fada negra, a menina perguntou se ela era a fada do mal”.

Nessa situação, o pai entendeu o quanto o racismo estrutural é forte dentro das narrativas das novelas, das notícias, e como toda a narrativa em nosso entorno vira preconceito estrutural desde a infância, conta Alexandra.

Para a pedagoga, doutora em educação e mestre em psicologia Kiusam Oliveira, é fundamental que mães e pais tenham “aquela conversa” com os filhos, e preparem o olhar das crianças para que façam, com sensibilidade, uma leitura interpretada do entorno e do mundo em que vivem.

“Deve-se incluir a educação para as relações étnico-raciais, central para que se pense, desde dentro, o ponto nevrálgico, a grande dor e vergonha desse país – o racismo -, e como deve ser enfrentado cotidianamente, a partir do letramento racial.”

Kiusam pondera que, para isso, é preciso que os pais e responsáveis também se qualifiquem e passem a perceber o Brasil, um país pautado no racismo e práticas excludentes, por outra perspectiva. “Reeducar as miradas é algo extremamente necessário e, focando nesse tema, é importante reconhecer que para uma pessoa adulta, ao mesmo tempo que ensina a criança estará aprendendo e reelaborando suas práticas”, afirma.

Existe idade para falar sobre racismo?

A especialista afirma que não existe idade para começar a falar sobre esse tema. “Essa conversa poderá ter início em qualquer idade e vai depender da demanda trazida pela criança dos espaços sociais que ela frequenta”.

Para Kiusam, quando a criança procura uma pessoa adulta com alguma questão é porque ela está pronta para aprender – até mesmo aqueles assuntos considerados os mais complexos pelos pais.

Nicácio e os filhos
Nicácio também aborda o assunto com seus filhos (Foto: Reprodução/Júnior B. Carvalho)

Nicácio fala que conversar com seus filhos pequenos sobre racismo e diversidade na primeira infância é de suma importância. “A criança começa a refletir sobre o tema, leva o debate para escola, começa atender o quanto ruim e terrível é o racismo, que quem não sofre na pele não imagina a dimensão que um discurso de ódio e preconceito pode gerar na cabeça do indivíduo que passa, desde baixa autoestima e até em casos mais tristes ao suicídio. 

Como introduzir o assunto?

Um jeito sutil de começar a trazer questões raciais para o diálogo com as crianças é através do lúdico. Um jeito interessante é estimular a leitura de livros com protagonistas negros, o uso de brinquedos com personagens negros, e adotar atividades que incentivem a diversidade.

“Questionar se nos aniversários, nos churrascos, vocês convidam pessoas negras. Os pais precisam se questionar: estou trazendo a diversidade para dentro de casa?”, indica Alexandra.

Pensando em ajudar os pais a falarem sobre assuntos “difíceis”, Alexandra está lançando o livro-caixinha “Vamos Falar sobre Racismo”. Segundo ela, o material é um convite para trabalhar de forma lúdica a coragem de abordar temas sensíveis. “É normal errar muito para acertar, essa conversa é desconfortável, mas temos que ter a coragem de pensar, refletir e evoluir sobre essa temática”. A conversa, inclusive, não precisa ser algo pontual, mas diária. 

Hoje, quando o tema surge na casa de Nicácio, ele conta que trata com muita naturalidade. “Também conversamos sobre outras formas de preconceitos e isso me enche de alegria, mesmo sendo temas delicados, precisamos muito debater e conscientizar principalmente as outras pessoas, pois a gente que passa por episódios de racismo é algo muito doloroso e cansativo”, pontua.

Falar sobre racismo e outros preconceitos com crianças é importante, observa Nicácio (Foto: Reprodução/Júnior B. Carvalho)

Aline Reflegria, escritora, professora de educação infantil e ludopedagoga é mãe de Elias, de 6 anos, e Clarice, 2, e conta que o assunto também surge com frequência. “Aqui em casa o tema é trabalhado constantemente, de forma lúdica e sem dar ênfase ao que é ruim. Os brinquedos são de todas as tonalidades de cores, de todos os tipos de cabelo e durante as nossas brincadeiras vamos conversando sobre respeitar o colorismo, as diferenças e se amar”.

“Procuro contar histórias reais da nossa família criando neles o sentimento de orgulho e honra pelos nossos ancestrais, é importante não resgatar essas histórias de forma negativa, como punição e sim de forma a valorizar o que os nossos familiares passaram e escolheram para que hoje estivéssemos aqui”, diz.

O que fazer se meu filho for vítima de racismo?

Com relação ao enfrentamento das práticas racistas, que com frequência ocorrem durante a socialização secundária, quando a criança vai para a escola, os responsáveis devem estar atentos às emoções manifestadas pelo bebê ou criança quando voltam para casa, explica Kiusam. 

“Quando pela primeira vez o bebê ou criança relatarem que sofreram um ataque racista por parte de uma pessoa adulta da escola ou um ataque que reproduziu o racismo por parte de outras crianças, a pessoa adulta responsável deverá imediatamente acolher suas angústias com delicadeza, uma vez que o assunto é dos mais violentos”, indica ela.

Outra conduta importante, segundo a pedagoga, é ter tranquilidade, ouvir a queixa com atenção, sem demonstrar emoções exacerbadas para para não deixar o bebê ou criança ainda mais tensa e para que se sinta suficientemente acolhida para narrar, com detalhes, tudo o que aconteceu. 

“É nesse momento que o conceito de racismo deverá ser explicado para a criança, pois ela aprendeu sobre ele fisicamente, vivendo uma experiência altamente perversa. De forma direta, o letramento racial deve se dar, abordando temas como racismo, escravidão, discriminação racial,  preconceito racial, estigma, preconceito e estereótipo”, aponta.

Criança negra no colo da mãe
Escutar a queixa de uma criança (verbal e corporal) é de extrema importância quando se trata de racismo (Foto: Pexels/William Fortunato)

Paralelo a isso, estratégias para o empoderamento real da criança vitimada pela violência vivida devem ser fortalecidas, a partir de um conteúdo diferenciado e afrorreferenciado. “A criança também deve ver as pessoas responsáveis intercedendo por ela, indo no local do acontecimento e tomando medidas que a favoreçam”, reforça Kiusam.

“Após isso, todo acolhimento: um abraço, muitos beijinhos, chá quentinho, bolo de fubá fresquinho, passeios em lugares preferencialmente repletos de pessoas negras e felizes”, inclusive, para grupos de atuação politizada como grupos de mulheres, do movimento negro etc. O que ela precisa saber é sobre sua potência e de que não está só”, finaliza.


Leia também

Wanessa Camargo - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Wanessa Camargo muda de opinião sobre Davi e surpreende seguidores: "Nunca duvide"

Gêmeas siamesas falam sobre relacionamento - (Foto: reprodução/TikTok)

Família

Gêmeas siamesas falam sobre relações íntimas após uma assumir namoro

Anna Jatobá retira sobrenome do ex-marido depois do fim do relacionamento - (Foto: Divulgação)

Família

Anna Jatobá e filhos excluem sobrenome de Alexandre Nardoni após separação

Fernanda, do BBB 24, já foi presa no Rio de Janeiro - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Prisão de Fernanda do BBB vem à tona depois de fala polêmica sobre os filhos

Fernando Sastre, dono de porsche que matou motorista - (Foto: Reprodução)

Família

Dono de Porsche sugere dar 1 salário mínimo todo mês para família de vítima

Mãe e filha - (Foto: Reprodução/Freepik)

Família

Mãe diz que se arrependeu de adotar filha após conseguir engravidar: "Nunca senti que ela era minha"

Casal e bebê - (Foto: Reprodução/Freepik)

Bebês

Casal coloca bebê de 3 meses para adoção por estar "ocupados demais com o trabalho"

Mica Rocha anuncia nascimento do terceiro filho, Henrique - Reprodução/Instagram

Família

Nasceu! Mica Rocha anuncia chegada do terceiro filho após complicação no pós-parto: “Eternamente grata”