Família

Aprender com as diferenças: Escola de SC contrata jovem com down para ensinar crianças

Julia faz atividades lúdicas com as crianças - Sharlene Fritzke
Sharlene Fritzke

Publicado em 28/04/2016, às 16h36 - Atualizado em 02/12/2020, às 12h47 por Adriana Cury, Diretora Geral | Mãe de Alice


Julia Spezia, de 19 anos,  é chamada de professora por seus alunos, apesar de não ensinar conteúdos tradicionais e não ter licenciatura ou graduação em pedagogia.  Ela tem síndrome de down e trabalha desenvolvendo atividades lúdicas com as crianças ou como Raquel Stumpf, diretora da escola Yellow Tree, mãe de Otávio, prefere dizer: “compartilhando habilidades e conhecimentos”. A diretora já havia sido professora de Julia na infância em outra escola.

Julia trabalha na escola, que fica em Blumenau, em Santa Catarina, nas terças, quintas e sextas e não segue um planejamento. Ela chega e diz para as professoras com qual turma quer ficar e o que quer fazer. As atividades variam entre contar histórias e promover brincadeiras, mas o que ela mais gosta mesmo de fazer é música. “Adoro tocar violão e pandeiro com as crianças”, conta Julia.

Além das atividades descontraídas, é interessante como tudo é feito com naturalidade e cumplicidade. Tudo é feito no tempo em que a Julia e as crianças se sentem mais à vontade. Veja no vídeo a seguir como Julia e a diretora Raquel conversam sobre o que fazer.

Essa cumplicidade entre as duas não é de hoje. Julia foi aluna de Raquel quando tinha 4 anos de idade. Leandro Spezi, pai de Julia, conta que ele e a mãe, Cilene Spezi, tinham dificuldades de encontrar escolas com professores auxiliares e que conseguissem acompanhar a filha na escola. Raquel foi a primeira com quem Julia teve mais empatia. “Ela tinha métodos diferentes e conseguia fazer Julia acompanhar os estudos com menos dificuldade”, explica o pai.

Julia faz atividades lúdicas com as crianças (Foto: Sharlene Fritzke)
Julia faz atividades lúdicas com as crianças (Foto: Sharlene Fritzke)

Mais de dez anos depois, Julia e Raquel se reencontraram em um shopping da cidade e o reconhecimento foi imediato. “Julia olhou pra mim e disse: ‘essa é a Raquel, minha professora’ Isso foi lindo”, lembra a diretora. Assim, surgiu a ideia de Julia ajudar na escola. Agora, então, a parceria é profissional. Julia trabalha três dias por semana e ganha um salário, que, por sinal, é gasto de uma forma deliciosa. “Compro salgadinho e refrigerante”, nos contou.

Não é apenas o salário que vale a pena para Julia, no entanto. Nesses dois meses de trabalho na escola, ela compartilhou conhecimentos, mas também aprendeu muito. “Está mais segura, confiante e alegre. Chega em casa cheias de histórias para contar”, conta o pai, todo orgulhoso.

Essa atitude de inclusão e parceria não estão presentes apenas na relação de Julia e Raquel. A diretora pensa nessas características para sua escola e para todos os alunos. “Aqui, sala de aula é um recurso a mais, não um espaço obrigatório. Criança tem que brincar na rua, subir em árvore e, principalmente, tem que ter sua individualidade respeitada. Incluir é respeitar cada criança de forma única, porque ela é única em sua essência, independente dela ter ou não um diagnóstico.”


Palavras-chave
Educação

Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Foto: Reprodução/ Instagram

Bebês

Fernanda Paes Leme recusa visitas após o nascimento da filha: "Não consigo e não quero"

Alok faz anúncio em vídeo no Instagram - (Foto: reprodução/Instagram)

Família

Alok compartilha vídeo em família para anunciar: "Agora somos 6"

Graciele Lacerda fala sobre chegada de filho com Zezé di Camargo - Reprodução/Instagram

Família

Graciele Lacerda fala sobre chegada de filho com Zezé di Camargo

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

Pai de Davi - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Pai de Davi não concorda com posição do filho e decide ir morar com Mani

De A a Z: confira os nomes femininos americanos para te inspirar - Getty Images

Bebês

Nomes americanos femininos: mais de 1000 opções diferentes para você se inspirar

O corpo começa a dar sinais de que vem bebê aí bem antes da menstruação atrasar - Getty Images

Gravidez

Sintomas de gravidez: nos primeiros dias, que ninguém sabe, de menino e menina e muito mais