Colunistas

Gravidez, Apps e filho high-tech

Submeter ou não as crianças ao universo tecnológico e aos aplicativos infantis é questão de escolha. Bom senso quanto ao uso é uma questão de princípio. Que deveria existir em todas as famílias.

Costumo dizer aqui em casa que eu funciono em abas. Preciso de muitas delas abertas no laptop, o celular carregado e o iPad ligado. Essa coisa de plantar mandioca no mato eu deixo pra uma das minhas avozinhas, que ama a vida na fazenda, já que a outra bate papo via WhatsApp e tem Instagram. 

Da turma, eu sou uma das que mais posta foto, que atualiza o blog e que vive, sim, grudada nas tecnologias. Meu pai, um ativista digital que sempre estimulou a minha curiosidade tecnológica, é meu guru nesse assunto. É com ele, inclusive, que divido as descobertas dos aplicativos, de programinhas e sites interessantes. 

Filha de peixe, peixinho é. E neto de peixe também. Gabriel cresceu cercado de tecnologias e, desde cedo, queria tirar foto pra postar no “book book”. Ele assistiu Baby Einstein, Galinha Pintadinha e cantava lindamente com a turma de Cocoricó. Tem acesso liberado ao Netflix e joga o jogo da memória tão bem no tabuleiro como no tablet aqui de casa. 

Anúncio

FECHAR

Sim, meu filho foi submetido aos aplicativos infantis desde cedo, assim como aos livros de histórias. E eu não vejo mal algum nisso, pois sempre tive bom senso, controle e limites. Temos alguns e-books para criança, ele acessa o YouTube para ver Carrossel e hoje, aos 5 anos, herdou o meu iPod antigo, cheinho de jogos infantis. 

Se eu quero meus filhos crescendo no mato? Não. Quero-os cercados de tecnologia. Eu sei que é uma opinião minha e que muita gente não concorda. A gente vai à praia, contempla a natureza, anda a cavalo na fazenda, pega fruta no pé e passeia muito, mas muito mesmo. Só que o mundo é digital, baby. E eu não quero que eles recebam um Control + Alt + Del da vida. 

Essa semana houve uma discussão quente no universo materno sobre aplicativos para bebês. E o que eu acho que falta nesse mundo é bom senso. O mesmo bom senso que falta na hora de eleger o político, de escolher um dos lados das manifestações ou de se posicionar sobre determinado assunto. Tem muita gente em cima do muro gritando pra vida alheia. 

Submeti meu filho aos aplicativos infantis e ele está aqui, perfeitamente saudável e um dos mais atuantes da sala. Aos 5 anos está lendo e treina a escrita cursiva no caderno de caligrafia e num aplicativo do tablet, durante as aulas digitais da escola. 

Hoje, temos um limite de 20 minutos por dia para o uso de celulares e tablets em casa. Quando ele tinha meses ou pouquinhos anos, esse limite era meu. Eu me policiava para não usar à toa o artifício relaxante em algumas situações em prol do meu conforto ou quando eu simplesmente me encontrava exausta. E até hoje um delicioso banho quente para mim pode ser o tempinho de um joguinho eletrônico para ele. Sem drama. 

Lembro que na minha época não tínhamos aplicativos nem tablets. Mas tínhamos a Xuxa das oito ao meio-dia e, assim como eu, muitas crianças colavam na TV para ver a série de desenhos, que começava com os Smurfs, passava pela She-Ra (e quando ela encontrava com o He-Man era o assunto do dia na escola!) e terminava com a Caverna do Dragão. Eu assistia todos os dias e esperava ansiosamente o momento do sorteio para ver se o Xuxo lia minha carta (que eu pedia para minha mãe enviar para a Rua Saturnino de Brito, 74, Jardim Botânico, no Rio de Janeiro e CEP 22.470). Quem nunca, mães??? 

E nos tornamos burras, alienadas ou com problemas físicos por conta do Xou da Xuxa? A minha resposta é não. E olha que o nosso critério para os tablets é bem maior do que o das nossas mães, naquele tempo. 

Criança precisa brincar, precisa mexer, precisa sacudir. Concordo. Mas precisa descobrir e experimentar o novo, seja com as Paquitas ou com a galinha azul. E o mundo digital nos permite essa deliciosa diversão, com um botãozinho de off bem facilzinho de apertar quando chegar a hora. 

Eu escolho ser amiga do mundo digital, acompanhando lindamente com meu filho mais velho, por aplicativos e filminhos no YouTube, a 17ª semana de gestação do mais novo que vem por aí.

 

Pais&Filhos TV