Coluna

Parentalidade distraída: vale a pena desconectar-se?

Estar atento ao nossos filhos faz toda a diferença - (Foto: Getty Images)
(Foto: Getty Images)

Publicado em 27/02/2024, às 11h56 por Geovanna Tominaga


Você quer estar mais tempo com os seus filhos e não consegue? Você se culpa por trabalhar demais e por tirar 30 minutos do dia para o autocuidado? Você sofre por não ter mais tempo de sobra pra brincar com a criança? Nós realmente temos muitos afazeres, em casa e no trabalho.

Ah, mas eu tenho certeza que, assim como eu, você passa  algumas horas perdida navegando pelos ilimitados conteúdos das redes sociais. Seja  para desconheço ou para “pesquisa”, a verdade é que nós passamos muitas horas conectados na internet. Mesmo fazendo aquele esforço em deixa o celular de lado, ele insiste em chamar nossa atenção com o brilho das notificações. E não adianta deixar no silencioso!  

Relógio quebrado
Arrumar tempo de qualidade para nossos filhos é fundamental (Foto: Getty Images)

Por aqui também é assim… E isso vem me incomodando muito! É a chama "Parentalidade Distraída”, um termo que descreve o fenômeno em que os pais estão fisicamente presentes, mas emocionalmente ausentes devido à distração causada pelo uso excessivo de dispositivos eletrônicos.

À medida que os dispositivos eletrônicos se tornaram cada vez mais integrados à vida cotidiana, os adultos passaram a se desconectar das crianças, e as interações familiares sofreram esse impacto. Tanto num aumento da distração dos pais e na diminuição da atenção dada aos filhos, quanto na questão do desenvolvimento cognitivo, emocional e sociais das crianças.

Quando os pais estão distraídos pelos eletrônicos, perdem oportunidades importantes de interação e conexão com seus filhos. Isso pode levar a uma diminuição na qualidade da comunicação afetiva e uma sensação de desconexão entre pais e filhos.  

O sinal de alerta soou por aqui quando o Gabriel disse em tom claro e firme “Mãe, larga o celular”, numa tentativa de chamar a minha atenção para uma super brincadeira que ele havia acabado de inventar. Minha missão era estar com ele enquanto meu marido fazia uma reunião de trabalho importante. Para não perder tempo, eu levei o celular para o quarto do Gabriel e enquanto ele brincava e eu soltava alguns: “Nossa! Que incrível! É isso aí…” com o olhos colocados na telinha, resolvendo as minhas coisas do trabalho.  

É claro que ele percebeu a minha desconexão com a brincadeira. Infelizmente, não somos tão mutitarefas como pensamos. A atenção compartilhada funciona numa porcentagem maior para uma tarefa, enquanto a outra entra no modo automático. E ser mãe no modo automático é algo que não esta na minha lista de afazeres.

As crianças sentem-se ignoradas, negligenciadas ou menos importantes quando os pais estão mais interessados em seus dispositivos do que nelas. Quando não estamos disponíveis para fornecer apoio emocional, orientação e feedback, as crianças podem enfrentar dificuldades para desenvolver habilidades importantes, como autoestima, empatia, resolução de problemas e regulação emocional. Saiba que a falta de interações significativas com os pais pode contribuir para que a criança desenvolva sentimentos de solidão, ansiedade e baixa autoestima. 

Não adianta explicar para a criança que "a mamãe tá trabalhando”. O sentimento de frustração não diminui com justificativas deste tipo. Gabriel respirou fundo e perguntou: “Por que você gosta tanto de postar?”, numa tentativa de entender porque aquilo era mais legal do que brincar com ele. Tem horas que é melhor calar e tomar uma atitude. Expliquei que era o meu trabalho e que ele tinha acabado. Coloquei o celular numa caixinha, fechei a tampa e disse: “Agora a mamãe vai brincar com você!”. E dei toda a atenção que ele merecia naqueles trinta minutos que restavam do diazinho dele antes de deitar e dormir.  

Para evitar a parentalidade distraída, podemos adotar algumas estratégias como essa da caixinha, ou estabelecer limites de tempo de tela para nós mesmos e para os filhos. Criar momentos sem eletrônicos durante as refeições para que as família possa interagir, (zero telas antes de dormir!) Decidi priorizar a qualidade das nossas interações, dedicando tempo exclusivo para estar presente e totalmente engajada com meu filho.  

Além do mais, nós pais precisamos modelar o uso equilibrado e responsável da tecnologia, mostrando às crianças a importância de desconectar e se envolver em atividades offline. Será um esforço para os dois lados! Mas dessa forma, criamos um ambiente familiar mais conectado, amoroso e emocionalmente saudável para o crescimento e desenvolvimento de seus filhos.


Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

Ticiane Pinheiro e família - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Ticiane Pinheiro fala sobre gravidez e chegada de segundo filho com César Tralli

Os nomes japoneses femininos são lindos, fortes e possuem significados encantadores - Getty Images

Bebês

Nomes japoneses femininos: 304 opções lindas para você conhecer

De A a Z: confira os nomes femininos americanos para te inspirar - Getty Images

Bebês

Nomes americanos femininos: mais de 1000 opções diferentes para você se inspirar

Imagem Nomes masculinos fortes: veja opções chiques e diferentes para meninos

Bebês

Nomes masculinos fortes: veja opções chiques e diferentes para meninos

Isis Valverde - (Foto: Reprodução/Instagram)

Gravidez

Isis Valverde posta foto grávida ao lado de amiga e faz declaração: "Alegria transborda"

Fernanda Paes Leme - (Foto: Reprodução/Instagram)

Bebês

Nasceu! Fernanda Paes Leme dá à luz primeira filha com Victor Sampaio