Colunas / Corpo pequeno, jamais inferior

Da carta ao podcast. Nas tragédias, a tecnologia salva. Salva?

Shutterstock
Shutterstock

Publicado em 08/07/2021, às 09h51 - Atualizado às 11h15 por Claudia Werneck


“Quer ser meu amigo?” pergunta Brendan Mackie em seu artigo na Real Life Magazine. Inspirei-me nele para escrever este texto. O historiador vem observando o que acontece com as relações familiares durante e após as grandes tragédias da humanidade, destacando o valor das tecnologias disponíveis à cada época.

(Foto: Shutterstock)

Segundo Mackie, por volta do século XIV, depois da Grande Fome e da Peste Negra, quase metade da população da Europa morreu, desestruturando o conceito de família e o senso de pertencimento inerente à ela. Com as relações familiares despedaçadas, houve uma busca desenfreada por novos núcleos afetivos. O objetivo era compartilhar com pessoas de fora interesses comuns, vida diária e emoções. Para isso, usaram uma tecnologia corriqueira: as cartas. Nascia, então, a amizade.

As cartas do século XIV são as redes sociais do século XXI. Com a média de 1000 a 2000 mil mortes por dia de Covid-19 no Brasil, estamos, a exemplo da população do século XVI, sem família. Com isso, alguns verbos caíram em desuso, como “visitar”. Que fim levou o bolo da vovó aos domingos?

O verbo “visitar” não é de movimento físico, e sim de afeto. “Visitar” demonstra apreço e vínculo. Crianças e adolescentes precisarão de ajuda para conjugá-lo livremente no mundo pós-Covid. As visitas de família hoje, quando ocorrem, geralmente são rápidas e tensas. O que era prazer e aconchego virou ansiedade e até incômodo. Mãe, pai, avó, tio, bisavô, sobrinha, filha, filho, todo mundo se policia, se julga e se teme. É mútuo o medo de alguém se contagiar com a Covid-19, ainda que parte do grupo já tenha se vacinado.

A Covid-19 atacou a saúde, a segurança, a paz e também o exercício da nossa intimidade em família. Como será que as crianças e adolescentes lidam com todas essas lacunas nas relações familiares? Naturalmente nos observam e registram o quanto recorremos à tecnologia para buscar, no mundo virtual, amizade e consolo psíquico.

É como se cada acesso a streamings, redes sociais ou aplicativos substituísse um contato “familiar” perdido, convertendo-se em uma nova amizade. As plataformas digitais se transformaram em um caminho seguro para que bisavós, tias, primos e netas conversem, celebrem aniversários ou saibam quem engordou ou emagreceu. É quando a tecnologia se exibe, interpondo-se, como ponte, entre as afetividades.

Na pandemia, temos perseguido o mundo digital, embora tenhamos a ilusão de que é ele que nos persegue. Tudo é online. À medida que o isolamento por Covid-19 se alonga, o apelo da virtualidade se fortalece. O online resolve tudo: da compra emergencial de alimento ao prazer de encontrar, a tempo e a hora, diversão, ensinamento, passatempo e aconselhamento – de celebridades. Apegamo-nos à temerária ideia de que pertencemos a uma eternamente disponível família global. Nela, reina a amizade virtual.

No pós-Covi-19, exercitaremos o amor presencial em família refazendo a legitimidade carinhosa entre mães, pais, filhas, filhos, avôs, avós, tias, cunhados e primos. Enfim, após meses de isolamento social, as crianças voltarão a tecer laços de prazer, aconchego, convívio e confiança com familiares que vivem em outras casas. Para elas será difícil. Nós temos recordações; a infância, não.

Vale tudo para impedir que a Covid-19 consolide a distância física como estrutural, e não apenas emergencial-temporal. Ninguém merece o amor familiar rápido, eufórico, previsível e raso oferecido pelo online. Era uma vez, a família.


Leia também

Imagem Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Bebês

Nomes femininos raros: veja opções chiques e únicas para meninas

Pai de Davi - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Pai de Davi não concorda com posição do filho e decide ir morar com Mani

Imagem Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Família

Pai de Henry Borel comemora nascimento de filha três anos após tragédia

Copo Stanley - Divulgação

Super desconto

App Day Amazon: os famosos copos térmicos da Stanley com até 55% de desconto

Se você procura um nome de menina, aqui estão 180 ideias diferentes - Pexels/Moose Photos

Bebês

180 nomes femininos diferentes: ideias de A a Z para você chamar a sua filha

Isabella Fiorentino explica o motivo de não mostrar o rosto do filhos - Reprodução/ Instagram

Família

Isabella Fiorentino explica o motivo de não mostrar o rosto dos filhos em fotos nas redes sociais

Taiza Krueder, do Clara Resort, fala sobre carreira e maternidade - (Foto: Arquivo Pessoal)

Família

Taiza Krueder, CEO do Clara Resort, fala sobre inspiração da família no trabalho: "Criei 3 filhos aqui dentro"

Virginia Fonseca - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Virginia Fonseca toma atitude após Maria Alice empurrar Maria Flor: “Dói mais na gente”