Colunas / Corpo pequeno, jamais inferior

A violência tem berço. E nunca está sob controle

Diariamente os adultos praticam alguns tipos de violência e as crianças aprendem com isso - Shutterstock
Shutterstock

Publicado em 18/04/2023, às 07h04 por Claudia Werneck


Você dá colo e aconchego para violência (sem sangue) na frente das crianças? E, ao mesmo tempo, está perplexo com os ataques a creches e escolas (com sangue) no Brasil? Saiba que não está sozinho na sua incoerência. Aprendemos a ser incoerentes desde cedo. Já na infância somos testemunhas do quanto as pessoas adultas lidam assustadoramente bem com a contradição de serem, ao mesmo tempo, agentes e vítimas de exclusões, numa dinâmica sem fim.

O reflexo de GAG é um movimento involuntário do corpo humano para impedir o engasgo e acontece muito com bebês em idade de introdução alimentar
Diariamente os adultos praticam alguns tipos de violência e as crianças aprendem com isso (Foto: Shutterstock)

A exclusão é praticada pelas famílias e nas escolas de várias formas e a razão nem importa muito, isso porque uma vez que o intelecto já sabe segregar, qualquer hora é hora. Aos poucos, excluir vira um hábito. A violência se manifesta por gestos, decisões e palavras, e vira até um tipo de jogo bem aceito. O ímpeto de “desligar” alguém vem como um impulso incontrolável e no automático, com o passar dos anos.

O pretexto ou fato gerador não importa. Pode ser o temperamento, a aparência, o jeito de falar ou não falar, de ouvir ou não ouvir, de andar ou não andar, o gênero, orientação sexual, a raça, o gosto por alguma brincadeira, a falta de agilidade motora, o dom pra música ou para esporte, o time de futebol, a calma ou a agitação, o endereço, a religião, a linguagem, o sotaque, a roupa, o sapato, o cabelo, uma intolerância alimentar. Há sempre um sentido pronto para justificar a exclusão – por parte de quem a pratica…

Qualificar pessoas como sendo “diferentes” ou “especiais” é um exemplo dessa prática. Promove o falso aprendizado de que somos muito iguais e a diferença se localiza apenas em alguns seres humanos, como aqueles que nascem com deficiência. Esse modo arrogante de se perceber as diferenças humanas como um detalhe, ou um equívoco da natureza, e não parte intrínseca dela, vai, lentamente, validando pequenas agressões – ainda que sejam sem sangue.

Em casa, a exclusão costuma vir em tom aparentemente mais leve porque, afinal, as famílias por princípio amam sua prole e seus descendentes. Acontece que o mundo adulto sabe como proteger, cuidar e discriminar – ao mesmo tempo.

Pode ser um comentário, em tom de brincadeira, de que se determinada criança continuar engordando não vai mais passar pela porta das casas da vizinhança. Ou a decisão de que aquele adolescente é muito tímido e se participar de um evento qualquer, com algum destaque, na festa de fim de ano da escola pode ficar envergonhado, na hora, e estragar tudo. Ou uma escola que anuncia em voz alta as notas de prova da maior para a menor. Ou que tem turmas inspiradas nos “melhores” – e nos “piores” estudantes.

Somos experts em tirar alguém da nossa vida sem alguém perceber. Discriminar pessoas em função de suas diferenças e desigualdades de qualquer natureza talvez seja, infelizmente, a primeira lição ensinada pelas famílias às crianças com o apoio da escola – e vice-versa.

Muitas das pessoas que hoje praticam a violência que tanto nos assusta viveram histórias pessoais de alguma exclusão, como vítimas ou algozes. Como educar sem naturalizar qualquer ato de exclusão? Ainda que pouco explícito e inconsciente, o desejo de segregar nos fortalece para outras violências, como para outros tipos mais explícitos de extermínio, de algum tipo de extermínio – já com sangue. E, novamente, qualquer razão serve.

Acreditamos que a educação de nossas crianças está sob controle. Mas não, a violência nunca está sob controle. Ainda assim acredito que seja um caminho com volta. Nessa direção, tenhamos mais cuidado, por favor. A eliminação por meio da morte é apenas o  “laço de fita” que, tenebrosamente, embrulha para “presente” experiências de exclusão sentidas e/ou praticadas desde o início de nossas vidas.

Veja também: ASMR com som de nostalgia

Ligue o som! O barulho do Gira Gira, mais um lançamento da linha TUDO de Ri Happy, é música para os nossos ouvidos, além de trazer boas lembranças


Leia também

O empresário excluiu as fotos com Isis de seu Instagram - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Marcus Buaiz levanta suspeita de término com Isis Valverde: “Falta de interesse”

Modelo que estaria grávida de Neymar fez aparição na reta final da gravidez - (Foto: Reprodução/Instagram)

Família

Mãe do terceiro filho de Neymar faz rara aparição na reta final da gravidez

Foto: Reprodução/Instagram

Família

Paula Fernandes revela estar com doença: "Tenho apenas alguns dias de vida"

Isis Valverde fala sobre boatos de término com Marcus Buaiz - (Foto: Reprodução/ Instagram)

Família

Isis Valverde fala sobre boatos de término com Marcus Buaiz: “A gente está vivendo”

Nahim e a filha não se falavam desde 2019 - (Foto: Reprodução/ Instagram)

Família

Entenda o motivo da filha de Nahim ter sido proibida de ir ao velório do pai

Gisele Bündchen e Joaquim Valente - Reprodução: Instagram

Família

Gisele Bündchen termina namoro após piada do ex-marido

O momento da escolha do nome é superespecial e deve ser vivido com muito carinho pela família - Getty Images

Bebês

210 nomes masculinos para bebês: ideias fortes (e lindas!) para você chamar o seu filho

Ex-esposa do cantor falou qual a real causa da morte de Nahim - (Foto: Reprodução/ Instagram)

Família

Ex-esposa de Nahim fala qual foi a verdadeira causa da morte do cantor