Pais

A gravidez muda a menstruação

Muito fluxo? Muita dor? Ciclo instável? Existem soluções para os problemas mais comuns das mães

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

gravidez e menstruação

Depois que meu marido fez uma vasectomia, eu parei de tomar a pílula anticoncepcional. Esta foi a primeira vez em dez anos que minha menstruação não estava regulada pelo “controle de natalidade”, e meu ciclo menstrual rapidamente começou a desandar. Eles ficaram incrivelmente fortes e estava lidando com cólicas horrorosas. Então meu ginecologista prescreveu um remédio que eu tomei durante a menstruação e que reduziu o fluxo de sangue em um terço. Converse com o seu médico.

Menstruação pode ser algo dolorido. Pode nos surpreender chegando cedo, faz a gente ficar preocupada quando atrasa, e vem com cólicas e outros sinais de TPM (como irritabilidade). Alguns meses, temos o tal escape e em outros meses não acontece nada. Além disso, é difícil saber o que é normal, desde que coisas como estresse, exercícios, idade e, sim, ter um bebê, podem bagunçar seus hormônios.

Anúncio

FECHAR

Eu conversei com alguns dos melhores ginecologistas e obstetras sobre os problemas mais comuns durante o período de menstruação, possíveis causas e dicas de como lidar com eles.

 

Problema: Meu período não é o mesmo desde que eu tive um bebê

Depois de um ano de férias da menstruação durante a gravidez e imediatamente depois do nascimento do bebê, minha menstruação voltou com força – e infelizmente veio mais forte, mais longa e com coágulos sanguíneos. O que pode acontecer com qualquer mulher.

Depois de alguns meses, entretanto, a maioria das mulheres volta a ter o mesmo tipo de menstruação de sempre. Mas mudança não é necessariamente causa para o problema. A irregularidade é comum entre mulheres que ganharam muito peso durante a gravidez, explica Michele Curtis, professora de obstetrícia e ginecologia da Universidade de Medicina de Houston. “Uma vez que você perder peso, terá seu período normalizado”, diz.

E se você começar a tomar qualquer tipo de pílula anticoncepcional, colocar DIU, tomar pílulas exclusivamente de progestina (PEP), pode esperar que seu fluxo mensal será mais leve que antes.

Se sua menstruação é bem “rala”, daquelas que mal necessita de um absorvente, é melhor você consultar seu médico. Este tipo de menstruação pode indicar que o revestimento do útero não voltou a crescer conforme esperado após o parto, o que pode causar infertilidade, diz Nanette Santoro, mestre e doutora, cadeira da Universidade de Medicina de Colorado, em Aurora.

Vale a pena checar com seu médico qualquer irregularidade, já que pode ter sido causada por um problema subjacente, como uma síndrome de desordem policística dos ovários. Se o desconforto não é devido a um problema médico e você quer mais previsibilidade, ou se você simplesmente está passando pela perimenopausa, a transição hormonal que acontece antes da menopausa, uma pílula de baixa dose é a melhor opção para regular seu ciclo.

 

Problema: Eu dei à luz há dois meses e ainda não menstruei

Mesmo se você não está amamentando, poderá levar alguns meses até sua menstruação voltar. E ainda que isto não seja exatamente um problema, pode fazer você se preocupar: ‘Será que é problema de fertilidade?’, ‘será menopausa?’, ou ainda, ‘será que estou grávida?’. “Normalmente, o cérebro necessita de um tempo para se recuperar da enorme dose de hormônios que a gravidez produz”, diz a Dra. Santoro.

As mulheres que não apresentaram problemas pós-parto menstruam, em média, de 45 a 64 dias depois de dar à luz. Se você não se sente desconfortável e está certa de que não está grávida, não é necessário procurar seu médico a não ser que faça mais de 3 meses que sua menstruação não venha. A esta altura, é bom ter certeza de que não é um problema de saúde que está causando esse “hiato” no seu ciclo menstrual.

Se você está fazendo a amamentação exclusiva, sua menstruação poderá não voltar enquanto você não começar a dar comida sólida para seu bebê, entre 4 e 6 meses, ou mesmo poderá voltar apenas quando você fizer o desmame. Mas, você pode ovular antes de sua primeira menstruação, o que significa que você PODE ficar grávida. Então, se você não deseja engravidar novamente, tome cuidado.

 

Problema: Eu realmente acho que não estou grávida, mas não menstruei.

Não importa o quão cuidadosa você seja ou qual o tipo de contracepção você usa, o primeiro passo a tomar quando o seu período não vem é fazer um teste de gravidez. Sempre. “A laqueadura não é 100% efetiva. Vasectomias não são 100% efetivas. Eu tenho centenas de casos de mulheres que acreditavam que não poderiam ficar grávidas – mas elas estavam!”, conta Linda Bradley, médica, vice-diretora da clínica de obstetrícia e ginecologia da Clínica Cleveleand em Ohio.

Se não for o caso de gravidez, pode ser que sua menstruação não veio pelo ganho ou perda de peso, aumento de exercícios, doenças, ou estresse, que é obviamente comum nas novas mães. “Se alguém não menstruou por um período e se o teste de gravidez der negativo, eu costumo falar para não se preocuparem e virem me ver”, diz Mary Jane Minkin, professora de obstetrícia e ginecologia da Universidade de Medicina de Yale. Acredite, é surpreendentemente comum. Se você está há 3 meses sem menstruar, entretanto você precisa se consultar, já que isso pode significar diversos tipos de problemas como síndrome do ovário policístico, distúrbios da tireóide, problemas hormonais ou cicatrizes no útero.

 

Problema: Minhas cólicas são terríveis, eu mal consigo me concentrar.

É estimado que a metade das mulheres sofre de cólicas muito fortes, que duram por horas, aquelas que nos deixa até surda de dor, e torna difícil até a locomoção.

Cólicas são causadas por prostaglandinas, substâncias químicas que fazem os músculos do útero contrair para soltar o seu revestimento.

A maneira mais efetiva é tomar um analgésico antiinflamatório, que funciona reduzindo a produção de prostaglandina.

O segredo é começar a tomar um ou dois dias antes da menstruação começar, então você não sentirá a dor. “Você quer bloquear a produção de prostaglandina, porque uma vez que aparece, torna tudo dolorido”, diz Dra. Minkin.

Se as dores continuarem fortes, fale com seu médico, quem irá checar se nada está errado. Se tudo estiver ok, o médico irá receitar um antiinflamatório mais forte ou indicará um tratamento hormonal que pode ser com pílulas contraceptivas, anel vaginal, ou o DIU.

Os hormônios encontrados nesses tratamentos conseguem controlar o crescimento do revestimento do útero e, então, diminuirá a produção de prostaglandina, o que significa menos dor para você.

 

Problema: Eu notei que eu tenho tido sangramentos no meio do meu ciclo.

Médicos dizem que a causa mais comum é perder a dose anticoncepcional ou não tomando, ou não tomando a pílula no mesmo horário.

Outra possibilidade que tenha causado os sangramentos: você está ovulando, o que pode causar isso. É também comum que sua menstruação venha “pela metade” em um mês se você ainda está amamentando.

Uma incidência de corrimento não é algo por que se preocupar. Mas, verifique com seu médico se isso acontecer regularmente, especialmente se isso acontecer por vários meses seguidos, por que é possível que as causas sejam mais sérias, como infecção do útero, tumores não-cancerígenos chamados miomas, pólipos cervicais ou mesmo certos tipos de câncer (mas isso é raro). Seu obstetra/ginecologista poderá pedir um exame de ultrassom ou histeroscopia para checar seu útero. Se ele não encontrar nada e você estiver tomando pílula, talvez seja ideal que você tome uma pílula de dosagem maior, recomenda Dr. Bradley. Sangramentos intermenstruais são mais comuns quando se toma as chamadas doses ultra-baixas, que tem 20 microgramas de estrógeno, contra 30 ou 35 microgramas em pílulas normais.

 

Problema: Meu fluxo, de repente, parece mais forte.

Se você é uma dessas mulheres que tem os períodos sempre regulados, no dia certo, e então eles começaram a ficar mais fortes, com a perda de sangue muito maior, você deve falar com seu ginecologista. Pelo menos 20% das mulheres desenvolvem miomas uterinos aos 50 anos (mulheres africanas e americanas são mais propensas a desenvolver isso). Os miomas frequentemente causam uma mudança brusca no fluxo. Eles são tumores benignos, se desenvolvendo em diversos tamanhos, sendo facilmente removidos em cirurgia ou por medicação.

Fluxo intenso pode ser também sintoma de outras doenças, incluindo pólipos, pedaços de placentas retidos no útero ou doenças sanguíneas. Consulte seu médico se:

Sua menstruação está durando mais de uma semana,

Se você está mudando seu absorvente a cada hora por várias vezes ao dia;

ou se você sente sensações tais como cansaço, falta de ar, palpitação – sintomas típicos de anemia.

É claro que algumas mulheres, como eu, simplesmente têm um fluxo menstrual intenso e não “se liga” até começar a fazer o controle hormonal. “Quando você está tomando pílula, você não necessariamente menstrua todo mês. O que você realmente faz é uma indução hormonal para a privação da hemorragia”, explica Dr. Curtis. “Quando você para de tomar isso, você é apresentado ao seu ciclo normal. Para algumas mulheres é um show de horror.”

Felizmente, há muitas maneiras de seu médico te ajudar e tornar todos esses problemas mais fáceis. O DIU Mirena, por exemplo, pode reduzir o fluxo em até 85 por cento ou, em algumas mulheres, a menstruação é interrompida definitivamente. Outra possibilidade é Lysteda, o medicamento não-hormonal que eu tomo todo mês durante a menstruação. Se seu problema é extremo e você está certa de que não quer mais ter filhos, provavelmente seu médico vai indicar uma ablação, um procedimento cirúrgico que remove o revestimento interno do útero.

Não importa sobre o que você está preocupada, o mais importante é que você sempre converse com seu médico sobre isso, mesmo se é uma questão que têm te acompanhado há anos. Você pode ficar surpresa – como eu fiquei – com uma solução que irá rapidamente resolver seu problema, melhorar a qualidade de vida e, se você tiver sorte, tornar a menstruação algo com que você não precisa se preocupar.